Pular para o conteúdo principal

ISOLAMENTO >> Whisner Fraga

A campainha relincha como há muito não fazia. Nesta saudade, teima, se esmera. Visita, em época de isolamento? Peço para aguardar, ajeito a máscara, apanho o álcool e, com a porta ainda fechada, pergunto quem é. É o zelador. Grito para que me explique o que se passa. Um vazamento que está alagando o banheiro do apartamento de baixo. Quer entrar, dar uma olhada pela casa, tentar bisbilhotar a origem da nascente. Informo que estamos num esquema de distanciamento social e ele, inconveniente, alega que não é bem assim, que me viu outro dia saindo. Esclareci, embora nem devesse, que o destino, naquela vez, havia sido o supermercado. Daí ele alegou que a urgência era do mesmo naipe e que o melhor era que eu o deixasse entrar. Com lógica é difícil de brincar, pensei. Questionei se estava com máscara. Estava. Pedi que tirasse os sapatos e então ele podia entrar. Tirou. Gritei um fique à vontade e corri de perto. Nem vi a hora que o sujeito deixou o apartamento. Berrei se havia alguém em casa e como não ouvi resposta, concluí que estava sozinho de novo. Passei álcool pelos cômodos e mesmo assim não fiquei plenamente sossegado. Minutos depois é a vez do interfone incomodar. O zelador explica que precisa voltar no dia seguinte para trocar um cano, já que identificou o problema. O dia seguinte foi ontem e eu não atendi nem o interfone nem a campainha.

Comentários

Albir disse…
O caos nosso de cada dia nos dai hoje. Amém!