Pular para o conteúdo principal

ESPECIAL >> Paulo Meireles Barguil


"Tu sabes... minha flor...
eu sou responsável por ela!
Ela é tão frágil! Tão ingênua!"
(Antonie de Saint-Exupéry, O pequeno príncipe)

Ontem, quando olhei, para minha surpresa, ela estava lá.

É provável que tenha surgido antes.

Contudo, em virtude da minha pouca atenção, não a percebera.

Seu nascimento é fruto de um milagre.

A semente, há meses, entrou num buraco milimétrico.

A despeito da coluna de cimento, revestida de madeira e cerâmica, ela se desenvolveu.

Houve quem perguntasse, quando ainda pequena, se era para tirar.

Disse que não, pois eu queria ver até onde ela iria.

Silenciosamente, ela me respondeu.


Pouca importa se existem dezenas da sua espécie a poucos metros.

Ela, decididamente, é única.

Assim como quem está lendo essa crônica.

Por isso, eu lhe peço: "Cuide bem de você!".


[Catharanthus roseus – Eusébio]

[Foto de minha autoria. 05 de junho de 2020]

[Crônica dedicada à minha filha amada, Ana Beatriz, que fez 16 anos recentemente]

Comentários