Pular para o conteúdo principal

UM SUBSTITUTO >> Carla Dias >>


Conheçam Graciliano.

Quer dizer, vocês podem tentar. E até que, para alguém que não quer conhecer pessoas, ele conhece muita gente.

Dizem que ele tem talento para atrair clientes para a birosca na qual trabalha. Ele alega que não se esforça, e que adora quando o lugar fica às moscas. Ele gosta do silêncio. Não é sempre que uma birosca tem no seu quadro de funcionários um tão qualificado. Veja, ele sabe conjugar verbos, e eles cabem bonito nas frases. Até parece música.

Desde que as escolas foram fechadas, uma geração inteira de pessoinhas sem escola nasceu. Elas aprenderam o que havia para ser aprendido, apenas o suficiente para sobreviverem em um mundo que se calou por não saber dizer o pensamento. Sendo assim, calar-se é necessário.

Por isso é fácil entender o desejo pungente de Graciliano pelo silêncio. Melhor mesmo é não escutar o que as pessoas até tentam, mas não sabem dizer.

Ele foi filho de dono de faculdade, por isso é cultuado na comunidade dos sem escola.  As pessoas o tratam feito professor, e o cansam de tanto debruçarem no balcão da bodega e pedirem que ele os ensine um algo que seja. Graciliano é bom com os verbos, mas nunca foi estudante dedicado. Essa busca da população pela sua sabedoria, ele acha que é sem pé nem cabeça.

Ele é nada, foi um moleque que teve a oportunidade de frequentar as salas de aula e a desperdiçou, porque imaginar um mundo no qual escolas são fechadas era exagero, até mesmo para ele, que cultuou o comportamento derrotista somente para desmoralizar os pais. Os mesmos pais que o abandonaram de vez, quando estar cercado de pessoas sem estudo, ou com desempenho intelectual inexpressivo, passou ser antônimo de dignidade.

As escolas foram fechadas, começando pelas pequenas, aquelas que, no ponto de vista dos estatísticos, manteriam as pessoas necessárias na ignorância, para que alguns poucos pudessem reinar soberanos. Afinal de contas, quem não conhece o fato? Um povo ignorante não sabe como exigir seus direitos.

E direitos esse povo não tem. Por isso a fascinação por Graciliano.

O dono da bodega lhe deu guarida, depois de Graciliano ser expulso de casa. O rapaz se fechou completamente, porque jamais imaginara que acabaria assim, no meio dos sem estudo, sem escola. Primeiro, maldisse Deus e o mundo e seus pais e o governo e os colegas da escola e as pessoas todas que ele ainda não conhecia. Com o tempo, compreendeu que era melhor lidar com a realidade, e começou a ajudar o bodegueiro em seu estabelecimento.

Apesar de mal-humorado, inicialmente monossilábico e percussor de certa aversão pelo lidar com o outro, foi moldando-se com o tempo. Depois de fecharem as escolas, fecharam as bibliotecas, os cinemas, os teatros, e por aí foi. Para ter acesso a tudo isso, somente com uma riqueza que possa construir esse ambiente na própria casa de quem desejar o tal tudo isso.

Graciliano, vindo de família abastada, trouxe com ele uma pequena biblioteca, e jamais sairia de casa sem sua coleção de LPs. Ele não estava bem na escola, faltava às aulas, não queria saber de nada, criava confusão, mas isso não significava que ele não queria nem gostava de aprender. Ele aprendeu tudo o que podia nas ruas, nos livros e nos discos. Durante longas conversas, nem sempre pacíficas.

Enquanto varre a bodega, Graciliano imagina o dia em que, novamente, as pessoas terão direito ao aprendizado, a ampliar seus horizontes. Porém, nunca acreditou que essa exclusão — porque sim, trata-se de uma exclusão — teria a força necessária para zerar a curiosidade das pessoas a respeito do mundo, o externo e o interno. Por isso dá aulas em sua comunidade nos finais de tarde. Tudo misturado, mas ainda assim vale a pena. Responde às perguntas dos curiosos, mesmo quando não sabe a resposta, faz com que eles pensem qual poderia ser.

Graciliano tem talento para atrair clientes para a birosca. Eles querem aprender a conjugar verbos e a expressar em palavras seus desejos, buscas e sentimentos.


Trecho do filme O SUBSTITUTO (Detachment/2011)


Imagem: Lunch Hour © Joseph Hirsch

Comentários

Isso daria um bom romance distópico. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Eu pensava em outro filme, não no O substituto, quando escrevi essa crônica. Assista Mr. Pip, um filme lindíssimo, e tão dolente. Pensava sobre pessoas que tentam evitar o imaginário e o conhecimento, em vão. Mas as tentativas fazem suas vítimas, o que é uma pena.
Vi o trailer e gostei. Vou procurar o filme, Carla.
Carla Dias disse…
Depois me conte o que achou, Eduardo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …