Pular para o conteúdo principal

CITIUS, ALTIUS, FORTIUS II >> Analu Faria

"Eu precisava de ficar pregado nas coisas vegetalmente e achar o que não procurava." (Manoel de Barros)

Estudar na Escola Estadual Messias Pedreiro era um saco. Eu vinha de uma escola particular, onde, apesar de não sermos tratados como minideuses como se vê em muitas instituições privadas por aí, tínhamos certa liberdade e voz. No Messias, a gente só tinha direito de obedecer. Não podia usar boné (não que eu usasse, mas eu achava a regra estúpida), não podia ser vista pelos corredores (sempre tinha uma supervisora chata para te perguntar o que você estava fazendo fora de sala de aula), tinha que ir para a educação física fora do horário da aula (eu acabei arranjando uma justificativa para não fazer). Tinha também que apresentar uma espécie de carteirinha que comprovava presença. Na escola particular, não tinha isso.

Estudar na Escola Estadual Messias Pedreiro foi uma bênção.

No último feriado, viajei para a cidade onde morei quase toda a vida — Uberlândia —, onde fica “O Messias”, como todo mundo chama a escola. Fui com o coração pesado, por uma série de problemas que  tive um pouco antes. Ao embarcar em Brasília, pedi a Deus por um milagre. Um que mudasse minha vida, e que acontecesse naqueles dias de folga, porque a coisa era pra já.

Desde que esses problemas me incomodavam, eu não rezava, porque foi justamente no último dia em que havia rezado, agradecendo a Deus por x e y, que a vida colocou no meu colo umas bombas que atingiam justamente o x e o y. Resolvi que só rezaria se fosse extremamente necessário. E era. Eu estava mais perdida que cego em tiroteio.

No fim do último dia de viagem, ainda nada de extraordinário. Por volta das 18h, chegaram Adriana, Telma e Flávia. Adriana com a família toda, incluindo a Melissa, a filha mais nova, uma menina de cinco anos, que me trollou no mais alto nível. Eu nunca disse, mas a inteligência da Melissa me lembra muito a da mãe. Telma veio sozinha, mas pelo menos veio! Da última vez que fui a Uberlândia, não tive a oportunidade de vê-la. Fez falta não conversar com alguém que parece sempre ter uma resposta — ou pergunta! — sábia para quase tudo. Flávia veio com o marido e as histórias que sempre me fazem rir — geralmente incluem o amor contraditório dela, uma mulher delicada, por coisas como caratê ou caminhões-betoneira.

Dessa vez a Adriana comandou a comida. Fez um churrasco de primeira, dizem os comedores de carne. Meu queijo e meu pão de alho estavam ótimos. Na maior parte do tempo, os homens ficaram conversando com meu pai, que adora a visita deles. Na maior parte do tempo, nós mulheres ficamos juntas, conversando sobre como a vida era há 20 anos, o que mudou, o que melhorou, o que ficou, o que piorou, quem se casou, fulano se tornou advogado, o outro se recuperou de um derrame, meu Deus, minha memória tá péssima, você lembra da fulana? E a Luciana, que não vemos mais? Ela não mudou de cidade? Você lembra da nossa primeira sala no Messias? Ficava atrás da cantina, era pequena, era horrível, eu lembro: o 1º G!

Às 22h todas haviam ido embora. Afinal, todas têm filhos e no dia seguinte era Dia das Crianças. Fui dormir por volta das 23h, com o coração leve e a cabeça mais fresca. Carregava comigo a bagagem que pensava não ter. Tinha um sentimento longe de ser mais que um nó de desejos inúteis. Nenhum milagre aconteceu. Nada mudou minha vida, naquele feriado.

Nada precisava mudar.




“O Lema Olímpico Citius, Altius, Fortius, que em latim significa "mais rápido, mais alto, mais forte", foi proposto pelo Barão Pierre de Coubertin quando da criação do Comitê Olímpico Internacional em 1894.” (Fonte: Wikipedia)

Comentários

Zoraya disse…
Analu, vc está se saindo uma memorialista de primeira, delicada e interessantésima! Espero que seu milagre venha. na hora certa, da maneira certa. Beijos
Analu Faria disse…
Obrigada, Zoraya!!!
De repente esse milagre já aconteceu ;)
Simples e belo milagre, Analu. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …