Pular para o conteúdo principal

AS SENHORINHAS >> Sergio Geia

Dei de cara com quatro senhorinhas andando pela calçada da Professor Moreira. Normal. Ainda mais considerando que era domingo de manhã, dia ensolarado, a igreja a poucos metros dali. Mas a cena me chamou a atenção porque as quatro senhorinhas andavam penduradas umas nas outras. Parecia que cada uma precisava da força e do equilíbrio das demais pra seguir adiante. Ali não eram quatro senhorinhas, mas uma só; uma identidade, coesa, sólida, que se mantinha estável pela força de oito braços frágeis, moles e cansados.

O registro daquelas senhorinhas elegantes, cheirosas e de cabelos de algodão ficou na memória, e tão logo cheguei em casa tratei de dar corpo a alguma coisa que tivesse as velhinhas da Professor Moreira como mote. Fiquei a imaginar, por exemplo, a rotina daquela gente numa manhã alvissareira de domingo. Confesso que tenho até medo. Pois é nessas horas que essa cabeça doida viaja e dúzias de talvez, quem sabe e coisa e tal me enlouquecem. Mas juro, juro que a intenção não é essa. O que me traz aqui é a ideia de crônica leve, bucólica, como essa manhã de domingo que caminha brejeira ao som de pardais e da cachorrada ao longe.

Domingo é dia de reunir a família em torno da mesa. É dia de frango, macarrão e maionese. É dia de conversa fiada, de beber, de dormir um pouco à tarde. É dia de futebol. No mínimo aquelas senhorinhas iriam fazer tudo isso. Menos o futebol, claro. Talvez fossem avós de uma família grande. Talvez a casa estivesse barulhenta pela bagunça da criançada.

Na minha, sempre foi assim. Um domingo almoçávamos na Professor Moreira, na casa da minha vó Lourença. Não faltavam o macarrão, o frango e a maionese. E coca-cola, claro. Íamos pegar no Coleta. Era garrafa de vidro. Um litro. Dava pra todo mundo. Era a multiplicação da coca-cola. No outro, o almoço era na Barão, na casa da vó Ita. O cardápio era o mesmo. E de sobremesa, doce de abacaxi.

Acho que cada senhorinha iria chegar em casa e começar a dar cabo dos preparativos do almoço para reunir a macacada. Se bem que hoje em dia essa tradição de almoço de domingo em casa anda perdendo força. As avós, mais modernas, não querem saber de cozinhar. Preferem um bom restaurante, de preferência na serra, de preferência em Campos de Jordão, por que não?

Mas não, não acredito que seja o caso. As senhorinhas me pareceram muito das tradicionais. O almoço certamente seria em casa sim, com macarrão, frango e maionese. E se bobear, a sobremesa seria doce de abacaxi. A criançada estaria brincando e tomando coca-cola; os filhos, genros e noras bebendo cerveja, discutindo alguma coisa. Cada uma delas estaria dirigindo o fogão, cortando os legumes, administrando o cozido.

Ou, talvez, míope e desatento, eu não enxergue o óbvio. Talvez, um dia, ainda jovens e atraentes, essas senhorinhas deram uma banana para os condicionamentos sociais. Talvez nem se casaram. Talvez vivam sozinhas, não têm filhos, netos nem família grande. Ou quem sabe são casais. Por que não? Dois casais que moram juntos e vivem muito bem. De repente, aos domingos, eles se juntam para almoçar num bom restaurante, de preferência pra comer não macarrão, frango e maionese ao som da tevê, mas pra comer truta com pinhão ao som de um violão. Talvez, na serra. Quem sabe em Campos do Jordão?

Comentários

Zoraya disse…
Ai, Sergio, desdobra a história das senhorinhas! vc teve cada ideia sensacional! a crônica tá uma deliícia, mais gostosa que doce de abacaxi ( e adoro doce de abacaxi). O nome de sua Vovó, Lourença, é divino. Posso usar pra nomear uma personagem do Bem, qq hora dessas? Beijos sem maionese
sergio geia disse…
Será uma honra, Zoraya. Minha vó Lourença era uma figurinha, ficava na frente de casa toda tarde vendo a rua, o pessoal do colégio, conversava com as vizinhas. É uma lembrança gostosa que tenho dela. Obrigado e bjs!!!
Roseli disse…
Gostei! Amei!! Adorei!!! 'inda mais que essa é a minha rua até hoje. Um dia eu vou ser uma dessas velhinhas e vai ter um moço bem lindo olhando prá mim! Hehehehehe

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …