Pular para o conteúdo principal

EXCELÊNCIA E ÁGUA FRESCA >> André Ferrer

Nosso país é relativamente novo. A História de outras nações, no entanto, pouco tem servido de lição por aqui.  O que poderia ser encarado como um privilégio — todos aqueles anos de tentativas e erros cometidos mundo afora à disposição!  é, quando muito, subaproveitado no Brasil.

"Zé Carioca e o goleiro Gastão", Disney, 1961
Estuda-se pouco. Na maioria das vezes, o suficiente para o canudo. Trabalha-se muito. Sim, no Brasil, trabalha-se muito, porém com qualidade e frequência risíveis.

Em torno de alguns negócios bem sucedidos por aqui, alardeia-se a implantação da excelência estrangeira, principalmente a norte-americana. Oh, my gosh! Olhe mais de perto. Take a closer look! Assim, como o próprio Monument Valley numa fita de John Ford, descortina-se a realidade: I'm sorry, but you cheated. O homem do marketing te pegou! O único contato com a legítima excelência ianque, no mínimo, te custará a obtenção do green card e duas décadas, pelo menos, da mais honesta imersão num vilarejo cravado nos rincões de Utah.

Por falar nisso, Utah é o 45° Estado americano e foi levantado no meio do deserto. Seus fundadores foram os mórmons (quase 70% da população atual). Donos de um estoicismo admirável, os pioneiros enfrentaram uma terra bem mais árida do que, por exemplo, a caatinga brasileira. Utah, entretanto, só repete (e de maneira admirável) o processo de ocupação territorial que o cristão protestante realizou, a partir da independência, na maioria dos 50 Estados daquele país.

Nas escolas brasileiras, ensina-se essa História americana sob o viés do “coitadismo”. Enquanto se apresenta Borba Gato e Domingos Jorge Velho como heróis nacionais, o pioneiro norte-americano aparece como um matador de bisões (antiecológico quando o termo ecologia sequer existia) e de... índios (Domingos Jorge Velho, para quem não sabe, colecionava orelhas de nativos)! Sim, porque o foco não é contextualizar o bandeirante ou o colono ianque e ensinar o aluno a pensar, mas propagar a autocomiseração justificada pelo antiamericanismo. De fato, a pedagogia do oprimido a serviço da opressão. Muda-se apenas o opressor e a tal da revolução libertadora fica só no discurso.

Por que raios, no lugar desse palavrório maniqueísta, não se aprofundam os estudos em busca da verdade? Ora, porque a verdade sobre um povo guerreiro, que valoriza a excelência, o mérito e o suor do seu rosto (e olha torto para a indolência) não serve àqueles que, em vez de educar, desejam minar a inteligência com o intuito de multiplicar a submissão.

Abraçamos o cheeseburger, o For Sale, os rodeios, o Halloween e, de uns anos para cá, o Black Friday. Todas essas coisas, enfim, que já estão assimiladas e entranhadas no dia a dia do brasileiro ou, pelo menos, em vias de. OKAY? Mas não paramos no fast-food e nas confraternizações da nossa turma do inglês.

Um artigo que se importou muito por aqui, dos anos de 1950 para cá, foi o protestantismo à moda norte-americana, o neopentecostalismo. 


Domingos Jorge Velho num bilhete
da Loteria Federal durante a década de 1970
Na década de 1980, dizia-se que o Brasil se tornaria uma grande potência caso a maioria católica perdesse espaço para eles. Mentira. Seria verdade se, além de televangelistas como Jimmy Swaggart (e o know-how que, hoje em dia, é usado e abusado por um sem número de igrejinhas caça-níqueis), viesse para cá, por exemplo (sim, há muitos exemplos que caberiam perfeitamente aqui, como os já referidos mórmons, os batistas, etc.), a doutrina que John Wesley enviou aos EUA recém-independentes pelas mãos de alguns missionários. Em resumo, o protestantismo como um fenômeno que transformou os EUA numa grande potência, e que, infelizmente, não se reproduziu e jamais se reproduzirá aqui.

Por que é tão difícil, para muitos, observar o mundo e retirar dele boas lições independente se as lições venham do amigo ou inimigo? É viável ser capitalista e contemplar as questões sociais. É bem possível ser um antiamericano e aprofundar o tema sem patifarias doutrinadoras. Inúmeros elementos da cultura ianque fazem parte das nossas vidas. É lindo. Lindo mesmo. Seria muito, entretanto, acrescentar alguns itens a esse festivo abraço à sequoia gigante? Por exemplo: um pouco de pragmatismo. Que tal? Hein? E que tal, ainda, esquecer a divina providência política, o clientelismo, o “coitadismo”, arregaçar as mangas e fazer por onde?!

Nada melhor, no final do dia, do que olhar em cima da mesa e sentir orgulho do dinner, aquele T-bone steak besuntado de barbecue sauce... aquelas batatas fritas. Não é mesmo?!

Comentários

Analu Faria disse…
"É viável ser capitalista e contemplar as questões sociais." Excelente!
Zoraya disse…
"a pedagogia do oprimido a serviço da opressão. neopentecostalismo. É viável ser capitalista e contemplar as questões sociais." Analu, eu selecionei essa tb. O André, qdo tá de veia aberta, sai de baixo!
Vc devia abrir um 'soul wash", André.
Quem sabe até um pouco de NBA em nosso futebol... :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …