Pular para o conteúdo principal

TRUQUES >> André Ferrer

Ernest Hemingway - escritor
norte-americano (1899-1961)
Em vários textos, ao longo da sua obra, Ernest Hemingway cita a arte da pintura. Nenhum desses momentos, entretanto, é mais eloquente a respeito das suas reais intenções ao mencionar a pintura do que em um trecho do conto Escrever. Aliás, uma das suas histórias menos conhecidas.

Em Paris é uma festa, Hemingway fala de alguns dos vários pintores que conheceu e, com a propriedade de quem viveu na Cidade Luz dos anos de 1920, relaciona as soluções encontradas por aqueles artistas à sua própria arte, a escrita. Trata-se de um livro de memórias. Nele, o autor relata os anos em que vivera na França e era apenas um repórter norte-americano que aspirava, um dia, tornar-se escritor. Paris é uma festa foi escrito na década de 1950 e só foi publicado após a morte do autor.

Se neste livro Hemingway gasta várias linhas com a tentativa de demonstrar o quanto um escritor pode aprender com a pintura, no conto Escrever ele atinge o objetivo com maestria. Sabe-se, claramente, que o autor valorizava a personalidade como o único caminho para a inovação. Em nenhum outro texto, no entanto, a experiência pessoal é tida em tão alto grau de importância em relação ao ofício da escrita.

Por exemplo, já no meio da pescaria (sim, o conto é sobre pescaria), fica-se conhecendo os pensamentos do protagonista, Nick Adams.

Este, mediante um discurso indireto livre, afirma que James Joyce sabia como Cézanne pintaria aquela extensão de rio. E o pescador escritor lamenta: “Meu Deus, se ele estivesse aqui para pintar. Eles morreram e isto foi mesmo o diabo. Trabalharam durante a vida inteira e ficaram velhos e morreram.”

“Nick, vendo como Cézanne faria a extensão do rio e o pântano, levantou-se e entrou na corrente. A água estava fria e verdadeira.” Exato: uma sensação, a temperatura, que é um argumento de autoridade capaz de sustentar uma proposição verdadeira. Ora, mais Hemingway do que isso não existe.

Papa gostava tanto de pintura (ou da relação entre pintura e escrita), que Thomas Hudson – é claro, mais um dos seus alter egos – não é escritor, mas pintor. Hudson é o protagonista do romance As ilhas da corrente, também uma edição póstuma.

No conto Escrever, que integra o volume The Nick Adams stories (As aventuras de Nick Adams), lê-se ainda: ele (Nick Adams ou, de novo, o próprio Hemingway) “queria escrever como Cézanne pintava.”

“Cézanne começara usando todos os truques. Em seguida, destruiu a coisa toda e construiu a coisa verdadeira.”

Com algum conhecimento de História, detectam-se pistas daquela grande ruptura nas artes, a emergência das vanguardas, enquanto a Belle Époque agonizava. Aquém disso, Hemingway aponta para aquela que constitui a maior obrigação de todo bom artista: o esforço de imprimir a sua personalidade na obra. Sob a pena de ser medíocre, o artista deve substituir velhos truques por novos truques. Seus próprios truques.

Comentários

Zoraya disse…
Lendo o Andre e aprendendo... Tô com um livro de contos do EH aqui, acho q vou pegar agora pra ler, graças a vc.
Zoraya, se constar a história "Acampamento Índio" no seu livro, comece por ela. É curta. Uma aula de como deve ser um conto. Tem plot (sem o qual não existe conto e, mesmo os melhores escritores moderninhos que o matam, na verdade, só o escondem). Tem desfecho surpreendente. Depois, releia e identifique os "truques". Obrigado! Abraços!
Zoraya disse…
Pois eu tenho! Vou ler e te respondo ainda essa semana!
É, parece que o melhor truque é o jeito de ser. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …