Pular para o conteúdo principal

JULIANA >> Cristiana Moura

Hoje eu queria inventar uma história bonita para Juliana. Queria mesmo era inventar a vida. Mas Juliana já é assim: invenção. Aguarda com a ansiedade de uma criança os seus trinta e quatro anos por completar. Com jeito e gestos de menina ela tece detalhes do dia a dia.  De colherzinha em colherzinha, seu rosto se enche de alegria, dessas que só o degustar sem pressa pode nos dar. Não era simples sorvete depois de uma reunião. Era lugar de desejo em realização.

Juliana quer encontrar um amor desses que se reconhece na troca de olhares. Quer sentir um filho crescendo dentro de si. Ela tem sonhos. Ontem, se vestiu com uma calça florida e sua blusa verde nova, como quem quer vestir-se de jardim. Floriu a si e à casa com pequenos jarros levados ao parapeito da janela.

Juliana inventou o jardim, a casa, o gosto do sorvete e esta brisa leve de dia quente. Ah,  eu ia esquecendo de contar. Depois do sorvete ela chorou assistindo ao Pequeno Príncipe. Misturou o doce gelado de seu lanche ao salgado morno de si mesma. Ela se inventa inteira!

Cotidiano é assim. A gente vai fazendo nascer o que já existe (sorvete, brisa, jardim) a partir do sentido que dá a cada sensação que inunda o corpo. Acho mesmo que Juliana dilata os poros para sentir o mundo melhor, para se deixar inundar.

Comentários

Deus abençoe as invenções de Juliana. :)
Juliana Cysne disse…
Que seja sempre uma invenção!!! Que Deus abençoe!
Muito grata por essa crônica verdadeira, até os jarrinhos na janela existem hahaha! É bem assim que me sinto, inventando e reinventado o mundo e a mim... que seja flor, que tenha cor, cheiro e sabor! Que seja vida vivida e sentida, dilatada nos poros para apurar o sentidos <3 <3 <3
Zoraya disse…
Linda crônica, Cris, gosto muito da sua leveza lírica. bonito demais.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …