Pular para o conteúdo principal

NÃO >> Carla Dias >>


Houve uma época em que eu me joguei ao mundo. Trabalhava e estudava durante a semana, fazia aulas de bateria aos sábados e frequentava um clube para dançar aos domingos. Nos raros intervalos entre isso e aquilo, ensaiava com minha banda, visitava amigos e escrevia.

Queria que o dia durasse 48 horas.

Naquela época, eu estava tão ansiosa pelo que viria que vivia tudo em uma velocidade que já não reconheço. Não... Não digo isso pela idade, já que quase trinta anos me separam de lá. Digo isso porque, quando não temos ideia do que desejamos para a vida, pisamos no acelerador e seguimos adiante sem aproveitarmos a paisagem.

Particularmente, adoro uma paisagem.

Então, décadas depois, compreendi o óbvio: o que desejamos para a vida nem sempre é o que receberemos dela, tampouco o que desejaremos para a vida daqui a vinte e quatro horas ou quase trinta anos.

Para mim, a necessidade de compreendermos a maleabilidade do desejo para a vida também cabe ao que desejamos para cada dia, para os desejos cotidianos. Sinto-me incomodada ao ver a quantidade de pessoas agindo como crianças birrentas ao lidar com assuntos que exigem a compreensão de um adulto, somente porque não receberam o que desejavam. Porque não, você não pode ter tudo o que deseja, ainda que bata o pé, berre e alegue – a voz rascante de raiva – que é o cliente, então está certo. Às vezes, não está certo não, cliente. E para o seu próprio bem, para que você receba o que realmente merece e funcionará para você, alguém tem de lhe dizer não.

Às vezes, temos de dizer não a nós mesmos.

Não até mesmo para a rotina que achamos necessária para alcançarmos o desejo de uma vida. Não pode se tornar aquela pausa fundamental para que não cometamos aquele tipo de erro que enreda o outro, que o prejudica. Que nos prejudica, também.

A ansiedade não muda, mas posso dizer que embarco em mais pausas do que corridas. O mundo ao qual me jogo, diariamente, é interno e tem seu mérito. Lá fora eu vou de vez em quando. As saídas para dançar se tornaram danças na sala de estar e, nos intervalos entre isso e aquilo, gosto de receber os amigos para o almoço e uma longa conversa.

De lá para cá, recebi mais nãos do que imaginaria ser possível uma pessoa receber. Obviamente, chegou aquele momento em que me dei conta de que não era comigo... A vida caminha dessa forma. Nãos me escolhem e escolhem aos outros, também. Porém, após um tempo de lamento próprio de quem não ganha realização do desejo que deseja, reformulo, dou uma boa requintada ao meu desejo, às vezes o simplificando um tanto, e sigo em frente.

Decidi, e há muito tempo, que não permitiria me tornar uma adulta birrenta. Adulto birrento perde tempo valioso tentando desabonar a importância do outro. Adulto birrento grita com caixa de supermercado porque cliente tem sempre razão, xinga o motorista do carro que parou no sinal vermelho, atropela bicicleta porque desaprova ciclovias. Adulto birrento mistura as estações e defende o indefensável, e eventualmente se torna violento – emocional e/ou fisicamente –, somente para provar que seu ponto de vista é o que vale. Também é quase que continuamente infeliz com seu desejo constante de mostrar que tem direito ao que não é de direito de ninguém, como desqualificar o outro como ser humano por conta de sua classe social e/ou raça.

Sem contar que hoje me sinto muito bem com o dia e suas 24 horas, mesmo quando parece que ele precisaria ter 48 para que eu pudesse concretizar meus planos.

Imagem © Jason Cheever | freeimages.com

carladias.com

Comentários

cronica tijucana disse…
Cara Carla

é verdade, nem sempre o cliente tá certo.

mas o que tá certo é o seu texto. Perfeito como sempre.e como sempre gostoso de ler.

continue....

Enio.
Zoraya disse…
haha, depois do dito pelo Enio, o q há mais para se dizer? Só concordar!
(se superando a cada crônica, hein, D. Carla?)
Carla, esses dias estava pensando sobre um não que me dei e que está me fazendo sentir mais leve. :)
Carla Dias disse…
Enio... Obrigada, daquele jeito bom... Obrigada, de coração.

Zoraya... Ok, já não sei mais como agradecê-la :)

Eduardo... Normalmente, o não dado a nós mesmos tem seu valor.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …