SOMOS TODOS BRINCANTES >> Clara Braga

Escolhi o dia de hoje, penúltimo dia ano para assistir a um filme que há muito eu vinha querendo assistir e acredito que não poderia ter tido um dia mais propício para isso do que hoje. Depois de acompanhar algumas retrospectivas do ano marcado por momentos bons, mas, essencialmente tragédias, mortes e doenças causadas principalmente pela tristeza, o filme Tarja Branca nos faz refletir e lembrar da importância de um poderoso remédio: a brincadeira!

Não entendo como podemos ter tanto preconceito com algo tão natural ao ser humano. As pessoas não brincam mais por serem forçadas o tempo todo a serem sérias, mas será que ninguém nunca observou a seriedade com que uma criança leva o seu momento de se divertir? Alegria e trabalho, alegria e seriedade, brincadeira e produtividade, quando foi que esquecemos que todas essas coisas andam juntas e não separadas? Afinal, não é brincando que aprendemos a solucionar nossos primeiros problemas? Não é brincando que começamos a aprender o que é pesquisar? Não é brincando que temos acesso ao nosso lado mais espontâneo? E não são todas essas qualidades que são exigidas de nós o tempo todo?

Falta brincadeira, falta riso, falta a não seriedade, falta espontaneidade e falta, principalmente, lembrarmos que somos seres sociais, e a brincadeira nos permite esse contato tão escasso com outras pessoas. Se nos tornamos seres tristes e deprimidos um dos motivos é o fato de termos esquecido que somos seres sociais e, então, não nos sentimos mais pertencentes a nada, nem a nós mesmos.

A sociedade com certeza não se incomoda com isso, afinal, parece que mais e mais as pessoas temem aqueles que possuem auto conhecimento, que são donos do próprio nariz, que são felizes com o que trabalham e temem, principalmente, aqueles que tem humor, até porque a comédia tem um poder gigante! Tentam nos convencer de que brincar é coisa de criança, então cabe a nós nos lembrarmos que depende apenas de nós mesmos nunca deixarmos o nosso lado criança morrer. Ninguém pode nos tirar o direito de sermos felizes, de nos divertirmos, de brincar! 

Concordo com uma das entrevistadas do filme, sou a favor da revolução que está faltando: a das crianças! E essa seria muito bem vinda no nosso país, pois é inimaginável que em um país tão festivo como o Brasil, ainda possa haver tanta dificuldade e falta de brincadeira no nosso dia a dia. Para 2015 eu desejo a todos que nos tornemos grandes brincantes!

Comentários

peculas disse…
Realmente devemos ser mais brincalhoes. Não ficar preso apenas nas coisas serias da vida.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

CONFORTO >> whisner fraga