Pular para o conteúdo principal

"MEIN KAMPF" >> Albir José Inácio da Silva

“Deste tribuna eu querro hoje mostrar parra vocês o meu luta! O meu luta no vida e nesta parlamento! Cala o seu boca que eu não estar gritando, eu ser veemente, esta é a minha temperramento! E chame aquele senhorra que falou bobagem sobre ditadurra, eu precisa repetir parra ela que não a estupro porque ela não merrece.

Devo informar que essa negócio de estupro é uma vingança, eu explica porquê. No infância, durrante o carnaval, uns garrotos, fantasiados de mulher, se aproveitarram de mim. Na horra eu até gostei da brincadeira. Mas depois descobri que erra pecado e eu ia parra o inferno. Fiquei muito mal e me tranquei no armárrio.

Durrante muito tempo eu sofria. Parreceu que não tinha mais jeito. Isso é que nem mordida de vampirro, depois que acontece, a gente se transforma.  A minha sorte é que eu encontrei um psicólogo, o Dr. Marracutaia, que é especialista em curra gay. Além de me currar, ele ainda me casou com um mulher parra evitar recaídas.

Agorra estou tão currado que estupro mulheres. Dizem que estupro é crime, mas, reparrem, ele é só para quem merrece. É assim como prisão, torturra e execução no regime de segurança nacional, só se aplicam a quem discorda, protesta, desobedece, ou seja, quem merrece.

Compreendem a minha luta tentando defender essa povo de ele mesmo? Querrem distribuição de renda! Que absurdo! Ora, se Deus deu o dinheiro parra alguns, e não parra outros, é para ficar com estes a quem ele deu, e não parra ser distribuído parra os outros a quem ele não deu. É simples questão de lógica!

Mas todos querrem igualdade, contrariando nossas tradições que colocam cada um no seu devido lugar. Ficam por aí judeus, negros, gays e nordestinos reivindicando e se rebelando contra a ordem consagrada e o bom andamento da vida em sociedade.

Dos judeus não preciso falar porque nosso grande führer e pensador do século passado disse tudo. Sobre os negros, um grande sábio deste parlamento já esclarreceu que são amaldiçoados por Noé e por isso a África tem fome, misérria, ebola e AIDS. Nordestinos, nem preciso dizer nada porque vivem num lugar quente e seco, e lugar quente e seco é o inferno.

Que é que tem São Paulo? São Paulo é uma lugar abençoado, e se está sendo castigado com seca é por causa do infestação gay. E agora estão querrendo fazer lei que proíbe bater em gays! Onde é que vamos parrar?

Essa gente fala em democracia, mas não sabe votar. Colocam comunistas no poder e depois sofrem as conseqüências. Homens já casam com homens e mulherres com mulherres. Já estão até adotando crianças. Esses crianças vão virrar gays e casar com gays e, em pouco tempo, a humanidade vai desaparrecer. Porque Deus fez Adão e Eva e não Adão e Ivo. E dois iguais não fazem filhos.

Esses gays deverriam ir parra os fornos crematórrios, parra os DOI-CODI, ou parra a casa do morte em Petrópolis. É preciso também avisar a operração condor porque o profilaxia tem de ser feita em todo o Amérrica Latina. Esse praga é que nem rato, se tem na casa do vizinho, volta parra o nossa.

Esse é o meu luta. Mas esse é também o luta de vocês. Está em suas mãos colocar os pingos nos is, o mundo nos eixos e cada macaco na sua galho. Muito obrigada.


Heil..., digo, salve o povo barrasileiro!”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …