Pular para o conteúdo principal

MIGALHAS >> Sergio Geia

Parafuso

Sou tomado por uma inspiração das mais elevadas, chego a dizer quase divina. Sinto meu pensamento, minhas ideias, meu modo de ver o mundo sendo lavados por uma máquina lavadora gigante, dessas que você não encontra nas Casas Bahia, e que só pode ser coisa do céu. Sabe aquela história de criança que escuta o estrondo do trovão, e a mãe vem dizendo que São Pedro tá arrastando os móveis e lavando o céu? Daí o barulho? Pois é. Só pode ser coisa do céu. Só pode ser máquina de São Pedro. Sinto — aliás, não sinto; ou sinto depois, isso sim — que a cabeça viaja e se desliga do mundo. Sabe quando você está dirigindo por uma estrada conhecida, a música do rádio tomando conta, e você simplesmente desliga? O Nirvana? Não sei. Só sei que é assim. E quando acordo tudo está diferente. Mas o pensamento, ah!, o pensamento, é a melhor parte. O pensamento está leve como um graveto. Límpido, arejado, como boiar no mar. E você descobre que a vida é muito simples de ser vivida. Mas dura pouco esse estado, meu amigo. E não existe um botão pra gente apertar. De repente, eu sou o de sempre. Bate o desespero. Entro em parafuso.
 

A panela da vizinha

A panela da vizinha cozinha. Tudo bem a panela da vizinha cozinhar. Mas a panela da vizinha cozinha agora. E agora não é hora. Agora é hora de as vozes calarem, de os ruídos sumirem, de os mugidos morrerem, de as pessoas dormirem. E esse chiado de chaleira, esse chiado mequetrefe de chaleira que mais parece um raquetada na bolinha do meu silêncio, esse chiado de chaleira que não me deixa dormir. Mas que raios levam a vizinha à cozinha? Mas que raios levam a vizinha à cozinha pra cozinhar? Agora?
 

O vigia

Tem um solzinho. Ele atravessa a rua, acende um cigarro, fica a se esquentar na manhã fria. Quando passa um conhecido, tenta puxar conversa, mas o conhecido tem pressa, afinal, as horas voam e o dia apenas começa. Não pra ele, pensa, que está quase no fim da jornada. Noite dura, sem grandes emoções.
 

Sempre

Lá vem ele de novo com a camisa verde. Sempre. A camisa, eu quero dizer. Ele está sempre de camisa verde. Se bem que ele sempre vem também. Ele sempre vem de camisa verde. Sempre. Ora, o sempre está certo, mas chega de sempre. A camisa, como eu estava falando, é sempre a mesma. Ai... Quer dizer: é igual. Mas eu não sei se são sempre as mesmas. Ele pode ter umas quatro, com as lavagens alternadas, até que dá pra tocar. E se forem duas? Daí a coisa é feia. Pode ser que use uma durante uns três dias e a outra durante os outros quatro dias. Ou vai alternando, cada dia uma. Mas que mania de sempre ficar se metendo na vida dos outros! O que você tem a ver com a camisa dele? Nada. Mas sempre se metendo! Sim... Sempre...
 

Insônia

 Agora vejo de cima a cidade dormindo. Um clarão apenas. Num prédio longe, lá na Independência. Alguém como eu. Madrugada quente essa. Acordei com a testa molhada. Acho que tava sonhando. Pego no violão e dou uma arranhada, uma música nova que eu tô tirando do Nando Reis. Daqui a pouco meu novo vizinho vem reclamar na minha porta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …