Pular para o conteúdo principal

SÓ MAIS UMA PERSONAGEM >> Carla Dias >>


Lá vai ela, arrecadando suspiros, cultivando pensamentos nas cacholas alheias. Andando descalça no jardim da vida, dançando ao som da música que mora em sua memória, enchendo os olhos dos curiosos de delicadeza.

Contadora de histórias experiente, já inventou cento e cinquenta e sete personagens, com os quais convive pacificamente. Uns moram na sala de sua alma, outros na cozinha, há aqueles que, apreciadores profundos de certa mordomia, moram no sofá da sala e adoram assistir novela. Há até poeta que se levanta no meio da noite para resgatar poema ignorado durante o dia, só para poder declamá-lo na boca da madrugada.

Lá vai a moça que aprecia uma boa inquietude, que reage a elas a contento, que tem ciência de que amor dá trabalho, mágoa é desperdício de tempo e acerto nem sempre é resultado da escolha feita. Que os erros nasceram para nos abismar com seu jeitinho de cultivar avessos, e para nos mostrar o que pode ser aperfeiçoado. Ela que não tem problema que seja para assumir o erro, repensá-lo, compreendê-lo para que o acerto venha na próxima.

Há quem se desmanche todo diante do sorriso largo da moça que anda por aí sem dar atenção a quem deseja tolher a sua esperança. Esperançosa assumida, ela leva o diariamente em seu coração, que é um cantinho receptivo, onde também moram aquelas dúvidas danadas. Também não tem medo de encará-las, não. Feito olhar seu se cruzando com olhar seu no reflexo do espelho nem sempre seu.

Lá vai a moça vestida nos panos que lhe apetecem, do jeito que lhe apetece, no ritmo que lhe apetece. Distribuindo cores e desfilando em passarela improvisada pelo desejo de conhecer mais sobre o mundo, geográfica e antropologicamente. Já descobriu, por exemplo - assessorada por agente de viagem, e um plano para pagar sonho em 24 vezes, primeira parcela no Carnaval, abençoada pelos Pierrôs e pelas Colombinas, o Samba Enredo mais inspirador de trilha sonora -, que assim como lugares, as pessoas também podem ser cenários. Sabe como? Aquele lugar que é o outro, no qual você deposita os olhares mais afetuosos e exercita abraços, provoca alguns atos mais levados, dependendo do status do relacionamento. Às vezes, até deseja se mudar de vez para lá, só para se enroscar no cenário.

É sabido que a moça, aquela que lá vai, faz uso da sua liberdade da melhor forma: experimentando-a. Por isso escolhe as escolhas que a seduzem, encarando consequências com muita classe, mesmo quando lhe dá vontade de mudar de planeta. Muda-se, então, para o começo da noite, quando acontece aquele momento em que tudo a sua volta silencia. É silêncio prefaciador de bom agouro, que logo mais, chegarão os amigos para uma Roda de Sonho, tamborins e cuícas a postos.

Imagem: The Acrobat © Marc Chagall | www.marcchagallart.net

carladias.com


Comentários

Anônimo disse…
Cada um com seus misterios e a vida com os seus misterios tambem.
Zoraya disse…
"Muda-se, então, para o começo da noite, quando acontece aquele momento em que tudo a sua volta silencia. "... capricho nessa frase, hein? Que beleza, muito Carla Dias, esse texto lindo
Carla Dias disse…
Anônimo... Você mesmo é um mistério :)

Zoraya... Beijos e obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …