Pular para o conteúdo principal

BELEZA, MEU BEM >> Carla Dias >>


Ela acredita que sua beleza é das mais refinadas, que, futuramente, viverá dela, conhecendo outros países, pessoas interessantes. Porque, vamos combinar, Eleonora e Marcílio não são assim tão interessantes. São amigos desde sempre, dividiu com eles os lanchezinhos no parque e a catapora, mas ainda assim, interessante é outra coisa.

Na escola, dedica-se a se tornar ótima aluna, que diferente de umas aí sobre as quais andou lendo, não quer ser bonita somente bonita, de beleza refinada. Ela quer ser inteligente, de inteligência afiada. Olha-se no espelho, ajeita-se na roupa, olha para si como se estivesse em capa de revista, mas a cabeça, ah, essa funciona a mil também. Outro dia, decidiu escrever um ensaio sobre a falta de cordialidade dos meninos da escola. Digamos que eles não aceitaram suas palavras cordialmente. Mas ela ganhou uma ótima nota e um peteleco do Jurandir.

Criada pela irmã, ela tem vida dura, mas não passa privação de enlouquecer, que Juliene é das irmãs mais mãe que ela conhece. Juliene não é bonita feito ela. Na verdade, às vezes se sente triste consigo mesma por botar reparo nisso. Mas como não fazê-lo? Quando criancinha de tudo, não se importava. Mas foi crescendo e percebendo as coisas, ficou impossível não escutar o que as pessoas diziam sobre a irmã. Às vezes, ela escolhe não receber as amigas em casa, que é para não comentarem sobre Juliene, que não tem beleza refinada. É bondosa, amiga, asseada. Ainda assim, às vezes cai na boca do povo e isso a entristece profundamente.

Ela acredita que sua beleza refinada a levará a outros lugares, melhor iluminados, tão aprazíveis quanto ela. Já fez conta de quanto gastará para conhecer os países que inundam seu imaginário com cenas felizes. O moço disse que ela só precisa querer, que beleza ela tem, da refinada, daquela que irá servir perfeitamente para famosas grifes exporem seus produtos. Antes disso, ela não sabia muito bem o que era uma beleza refinada. Agora, ela sabe que é beleza de capa de revista.

Não consegue parar de pensar que, quando partir, Juliene sentirá sua falta. Mas menina de beleza feito a dela, tão refinada, melhor não desperdiçar, certo? Certo mesmo? Desperdício mesmo? Eleonora acha que a amiga tem mais é que aproveitar a boa sorte de ter nascido assim, de beleza refinada, e lamenta não ter nascido com tal atributo. Já Marcílio discorda, acha que seria muito triste se ela fosse embora para viver de beleza refinada.

Juliene sabe tudo sobre corte e costura. Até as pessoas que falam coisas sobre ela, eventualmente a contratam para algum serviço. Depois que as pessoas superam o susto e a ojeriza pelo rosto queimado da moça, em incêndio na casa, que levou embora os pais dela, não há como não apreciá-la. O humor refinado, feito a beleza da irmã mais nova. A inteligência é afiadíssima. E a bondade não é disfarce para comiseração.

O moço a fez acreditar que sua beleza é refinada, digna das capas de revistas e das mais importantes passarelas e de um salário que deixaria tranquilas a ela e a irmã, sendo possível até bons investimentos para o futuro. Ainda assim, se pega repensando o caso, enquanto observa Juliene arrematando um vestido de casamento. Não contou para ela sobre o convite do moço, que não quis adiantar saudade. Daí que sua cachola dá de reverberar pensamento.

O moço lamentou profundamente. Eleonora tentou pegar a vaga, mas sem sucesso. Marcílio ficou tão feliz, que nem conseguiu dizer palavra que fosse. Ela se sentou com a irmã para conversa séria, explicando que, com a beleza refinada com a qual nascera, poderia desfilar as roupas de Juliene, a princípio, pelas passarelas da cidade, nem que fosse pelas calçadas. Com a inteligência afiada com a qual fora abençoada, ela poderia transformar um negócio singelo feito o da irmã, em algo maior e ainda mais especial.

Foi assim que a menina - de beleza refinada e inteligência afiada – se jogou ao mundo que ainda não conhecia. O mundo e suas passarelas corresponderam ao desejo dela. Jogou-se, mas antes compreendeu que, em determinadas jornadas, é preciso levar companhia.

Imagem: Girl at Mirror © Norman Rockwell

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Uoua, Carla Dias, a inspirada!
Beleza refinada a da sua prosa, Carla. :)
Carla Dias disse…
Zoraya... :)

Eduardo... Poxa, que saudade das suas palavras. Obrigada e beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …