Pular para o conteúdo principal

AONDE QUER QUE EU VÁ... >> Sergio Geia

Campinas. Shopping Center Iguatemi. Livraria Saraiva. Vejo um sujeito de bermuda estampada lendo “Época”. Um japonesinho sentado ao seu lado se lambuzando num McFlurry. Um cara grudado no celular. Uma loura muito das gostosonas com uma porção de livros no colo. Com vontade de ficar na loura, mas já indo, encontro agora, ou reencontro, melhor dizendo, a página 197, que tem no centro a grande frase que dá início ao capítulo: “Amigos são os Paralamas e o Herbert Vianna”.

Estava procurando um livro de crônicas, quando dei com a foto do Marcelo e a frase “Não se preocupe comigo”. Dei uma lida rápida num capítulo escolhido aleatoriamente, e achei que valia a pena prestar um pouco mais de atenção naquilo tudo que ele dizia.

Marcelo Yuka. Baterista d’O Rappa. Época maravilhosa. Projetos. Planos que iam muito além d’O Rappa. Na José Higino. No Rio. 9 de novembro de 2000. 9 tiros. Um deles, na coluna. Estava a caminho da casa do Ed Motta. Iriam assistir a um show. Do Max de Castro. Entrou na José Higino e se deparou com um carro atravessado. Ouviu pipocos. Tentou dar marcha à ré, mas um carro com bandidos estava bem atrás do seu. Evitou um assalto sem querer, mas acabou virando alvo. Tudo muito rápido. E numa fração de segundo, Marcelo foi parar numa cadeira de rodas.

Amigos são os Paralamas e o Herbert Vianna. “Mas que parada é essa?”, pensei. “Por que o Marcelo tá dizendo isso?”. A amargura na sua voz eu conseguia ouvir, eu conseguia sentir, eu conseguia mensurar; aquilo me incomodava de tal maneira que minha vontade era largar tudo o que eu estava fazendo e devorar aquele livro, ali mesmo, no shopping, no meio daquela tumultuada livraria, em uma tarde tumultuada de domingo.

O Herbert, em 2001, sofreu um acidente de ultraleve em Angra dos Reis. O equipamento caiu no mar. Sua mulher, Lucy, ficou presa no cinto e morreu. Herbert sobreviveu, mas ficou paraplégico. A diferença entre Herbert e Marcelo, eu entendi depois de ler o que ele dizia, é que Herbert, na sua opinião, contou com a solidariedade, a amizade e a paciência de seus amigos de Paralamas, Bi Ribeiro e João Barone. A banda está aí até hoje, com Herbert tocando e cantando sentado. Já Marcelo, não. Foi obrigado a se desligar d’O Rappa e teve que canalizar suas emoções através de outros meios.

O livro tem fotos interessantes. O Marcelo com um ano e meio. Na praia, com a mãe, o pai. Alguns shows d’O Rappa. Livre, leve e solto num mar, no sul da França. Deixando a Casa de Saúde São José, no Rio, depois dos tiros. De cadeira de rodas, beijando a mão do Herbert num show. Em casa, na frente de um grafite maneiro feito por um amigo.

Seu olhar está diferente. O olhar de um sobrevivente. Fico pensando, com o Marcelo em mãos, na fila do caixa, como a vida pode mudar tanto de uma hora pra outra. Do nada. De repente, tá tudo diferente. O cara descobre um câncer, ou sofre um acidente, ou fica paraplégico. Escuto a voz do Herbert saindo da caixinha de som da livraria: “Olhos fechados pra te encontrar, não estou ao seu lado, mas posso sonhar. Aonde quer que eu vá, levo você, no olhar”. Que coincidência, penso. Faço imediatamente a conexão Herbert-Lucy. A mocinha do caixa me chama.

Comentários

Brasilino Neto disse…
Sergio, legal, muito legal. Envolvente. Emocionante. Parabéns, mais uma vez.
Zoraya disse…
Tão comovente, Sérgio! Muito obrigada. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …