Pular para o conteúdo principal

DAS NOVAS AVENTURAS >> Cristiana Moura

De cara encantei-me com as entrelinhas da nova aventura, conferindo-me a possibilidade de respostas inusitadas a perguntas comuns.

— Cris, o que você vai fazer amanhã?
— Depende do vento.

Às vésperas dos meus quarenta e dois anos, descobri uma nova paixão — o kitesurf. Para quem desconhece, é aquele esporte aquático que empresta ao azul do céu cores diversas com suas pipas. A pessoa, em cima de uma prancha, é levada pelo vento através da tal pipa multicor.

Ontem me preparei toda para mais uma aula. Logo cedinho choveu e em seguida abriu um solão. Ah, mas logo depois de chuva, isto eu desconhecia, não tem vento. Ontem não velejei. Primeiro aprendizado: depende do vento. Essa ausência de controle trouxe ao meu cotidiano uma leveza-verdade tal. Porque me vejo, tantas vezes, tentando controlar a vida em gestos vazios de excessiva prudência. Esse tal controle da vida, além de cansativo, é ilusório. Minha ilusão foi levada pelo vento.

Antes da ausência do vento de ontem eu já havia experimentado outras aulas. Primeira aula: montar o a pipa e aprender a controlá-la no que eles chamam janela de vento. Olha aí o tal controle de novo! É estupendo! Preciso controlar a pipa através do que não controlo, o vento. Para que dê certo, preciso ser amiga do tal vento, usá-lo a meu favor e deixá-lo me levar. Para minha surpresa, o manejo da pipa não requer força, pelo contrário, é composto de movimentos leves e sutis. Se colocar força, ou a pipa cai ou ela me derruba.

À medida que sinto o vento na minha pele, consigo senti-lo melhor na pipa. Segundo aprendizado deste novo esporte: é preciso base, enraizamento. É a mesma base que se fala nas artes marciais e terapias corporais. É quando a gente diz: "Fulano tem os pés no chão". A pipa é montada e descolada na areia, com os pés bem firmes no chão e o os braços leves. Eu, fora de forma e bem acima do peso, fiquei me sentindo, em meio aos homens musculosos sendo derrubados na areia. Nos últimos vinte e quatro anos essa tal base é o que mais tenho aprendido nas terapias por onde ando.

No encanto das novas experiências, preciso aprender a manter-me firme na água, este chão que se move. É, a tal segurança, tantas vezes confundida com controle, ilusão levada pelo vento, não está no outro, não está no chão no qual piso, está em mim mesma. E vou, agora, começando a aprender a sustentar-me em um chão de ondas.

Há dois meses, meu filho entrou na universidade. Fiquei cheia de orgulho e com uma sensação de missão cumprida. Mais ou menos duas semanas depois do início das aulas, eu sentia-me meio vazia por dentro, digo mesmo melancólica. Não reconhecia que tais sentimentos vieram junto com a estranheza da nova vida de mãe de adulto — meu chão havia mudado sem que eu me desse conta.

Aí, ao buscar manobrar a pipa de dentro d’água, entendi que quando o chão muda eu tenho que mudar também. Porque se não mudo, eu caio. E vou caindo e aprendendo.

No começo se entra no mar com a pipa , mas sem a prancha. No primeiro dia, depois de alguns minutos na delícia de ser levada no mar, perdi a pipa. Não soltei a barra de manejo quando deveria e ela se desprendeu de mim. No segundo dia, já manobrando a pipa um tantinho melhor, a vida havia se transformado em uma brincadeira entre a pele e a água, uma montanha russa no mar, com direito a sorrisos, gritos e frio na barriga. No meio do prazer aquático — a certeza da nova paixão.

Terceiro dia: subir na prancha. Numa mão a barra de manobra e a pipa presa pela cintura, na outra a prancha. Há primeiro que se passar as ondas, o que não é assim tão fácil. Vai, volta, vai, volta, vai, passei! Agora é dividir o peso do corpo entre a água, a pipa e os pés se encaixando na prancha. A prancha escorrega. Mais uma vez. E outra. Acertei! Respiro fundo com o coração já acelerado.

Por fim, é juntar este controle na ausência de controle na amizade com o vento e o equilíbrio sobre a água. Tibum! A queda. Cair na água tem uma felicidade infantil que, na boca da minha avó, chamava-se fazer arte. Tibum! Outra queda. Tibum! Tibum! Tibum!

Posso ouvir a voz da minha mãe atravessando os tempos:
— Baixa o facho, Cristiana, parece que tem fogo no rabo!
— Baixo não — sussurro em pensamento.

Comentários

Cris, muito bonito seu primeiro facho aqui no Crônica do Dia. Seja bem-vinda! :)
Cristiana Moura disse…
Grata pela acolhida.
Zoraya disse…
Adorei o último parágrafo! Bem-vinda, Cris! Bejios
albir disse…
Bem-vinda, Cristiana! E parabéns pelo texto de estreia. Já estou aguardando o próximo.
Carla Dias disse…
Belo texto de estreia! Bem-vinda Cristiana.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …