Pular para o conteúdo principal

NA BARBEARIA >> André Ferrer

Quem nunca foi ao barbeiro e, durante a espera, teve que aturar um tiozinho que, triunfante, afirmasse: "no tempo da ditadura, vagabundo não tinha vez"? Daí essa história de Marcha da Família ou coisa que o valha não constituir nenhuma surpresa para mim. Cedo ou tarde, os tiozinhos da barbearia mostrariam a cara.

Não pense, contudo, que eu seja de esquerda. E como simplesmente repudio qualquer manifestação do maniqueísmo, corra para bem longe de mim se você acha que eu e os saudosistas do DOPS nutrimos alguma simpatia uns pelos outros. Acredite: é possível não ser marxista e não desejar uma intervenção militar neste país.

Ocorre uma paranoia na sociedade, que se reflete nas redes sociais. Graças à preguiça mental, as pessoas tendem a colocar a esquerda e os militares em lados opostos, como se os roteiros maniqueístas de Anos Rebeldes e O que é isto companheiro? reverberassem ad aeternum nas suas cabecinhas afetadas pela maior emissora de televisão do país. Ora, todas as ditaduras de esquerda, cara-pálida, são também militaristas.

Voltemos à barbearia. Invariavelmente, o barbudo local também estará presente e atento. Não, ele dispensa a navalha e a opinião imperialista dos outros. Ele é professor ou advogado, não importa. Vive bem, mas apara os grisalhos da cabeça com parcimônia e de forma igualitária. Ele discute. Pede que lhe perfumem as barbas de sr. proletário e provoca. Enquanto a conversa esquenta, os tiozinhos escanhoados torcem o nariz.

Positivo. É legítima, a luta contra a opressão. Ótimo! Planejaram a instalação de um regime comunista na época da Guerra Fria, nos anos de 1960 e 1970, e vá lá, uma ideia até razoável. Péssimo, caro sr. proletário, é cogitar, mesmo que de maneira remota, um regime comunista "hoje em dia"!

Por quê?!

Porque chega a ser de um anacronismo e de um cinismo violento. Ora, os despojos da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas infectam a Europa exatamente como as famílias sicilianas o fizeram desde o Renascimento. A transformação do socialismo em um estado de terror e corrupção na URSS deixou o seu legado para o mundo: a máfia russa, liderada por ex-agentes da KGB e ex-membros do "Partido".

Absurdo! E o legado libertário da esquerda? A proteção ambiental? O Greenpeace, por exemplo, não existiria sem a luta de classes.

O Greenpeace, para mim, é uma franquia. A propósito, não passa de uma franquia bem resolvida e honesta. Começou "esquerdinha" com aqueles barbudos do meio-oeste americano e do Canadá. A contracultura e o movimento hippie criaram esses pioneiros (arautos da era romântica do ativismo ecológico) que, logo, brigaram entre si: uns queriam instalar pregos nas árvores para assassinar operadores de motosserra, outros queriam abraçar as sequoias gigantes, cantando odes às deusas da natureza. Ou seja, a mesma dinâmica de sempre: a minha verdade é melhor do que a sua. O Greenpeace e a maioria dos partidos bolcheviques têm uma diferença: o Greenpeace saiu do armário. É uma franquia bem resolvida. Seus ativistas capitalizam até os átomos do corpo ou você não viu quem sairá na próxima capa da Playboy? Ora, as pessoas capitalizam em cima de tudo. Nenhuma ideologia fica livre da máquina registradora.

Infelizmente, havia mais tiozinhos escanhoados do que barbudos no recinto. O professor ou advogado, pouco importa, não acreditava. De onde vinham tantos “reaças”? Um veterano da FEB, no seu andador, atravessava a rua naquele instante.

Daí eu pergunto: socialismo e/ou comunismo é/são opção/ões no mundo de hoje?!

Claro que sim!

Balela! O "castrismo" e o "chavismo" (que náusea!) mete o folclore socialista goela abaixo de todos e controla a opinião pública com mecanismos tão criminosos quanto aqueles empregados por aqui nos anos de 1960 e 70. Na Venezuela, os jornalistas têm duas opções: ou se transformam em inimigos proscritos do regime ou se convertem em títeres (fantoches). Antes de o fracasso mundial do socialismo aparecer externamente à "cortina de ferro", a ideologia de fato empolgava. Agora, a teoria de Marx e Engels e, claro, as suas diversas formas regurgitadas com sangue e poder estão a serviço de exploradores da boa-fé! Agem como parasitas de multidões pouco ou nada instruídas. Vivem do oportunismo de pessoas instruídas e sedentas pelo seu lugarzinho ao Sol no sistema de poder e corrupção possível, como ocorre na Venezuela. Sob o pretexto de "dividir o pão", controla-se a padaria toda e, em pouco tempo, só há farinha na mesa da elite política. O resto, nesse abjeto socialismo, é propaganda mentirosa, "cortina de ferro", corrupção e uma imprensa feita por jornalistas biônicos.

Boa tarde.

Em silêncio, todos esperaram a marcha do veterano da FEB que, apoiado na sua trêmula armação de metal, cruzou o salão na minha direção. Levantei-me, ofereci a cadeira, inventei uma desculpa e caí fora daquele mundo sufocante e dividido.

Enquanto respirava o ar fresco da rua, uma ideia me ocorreu. Com extremo pesar, pensei naquele universo de pessoas que não diverge e tampouco reflete. Os eleitores desqualificados. Aqueles que votam a troco de programas sociais. Não. Não apenas por isso! Claro que não! Existe um messianismo idiota, sincretismo de cristianismo, folclore político, banzo (melancolia afrodescendente), ressentimento social, mil coisas desse tipo, enfim, que clama por uma salvação milagrosa. Nesse caldeirão, qualquer força mal-intencionada, militarista ou bolchevique (as duas coisas também acontecem simultaneamente, vide Cuba, Venezuela e China, três ditaduras militares socialistas) pode se travestir de "Salvador, Messias, Paladino" (lembra o Collor, caçador de marajás?). Para essas pessoas, o mundo fica mais fácil quando dividido entre o bem e o mal.

A essa fraqueza se dá o nome de maniqueísmo. O maniqueísmo é a forma mais reles de pensamento. Dividir a diversidade do mundo em duas categorias únicas é um desrespeito à inteligência de um rato. Preto e branco, homens e mulheres, direita e esquerda. Isso é tudo? E as nuanças? A faixa do cinza?

____________________
Imagem: Capa do livro “Gangue da Chave Inglesa” de Edward Abbey, ilustrado por Robert Crumb. Narrativa das ações de um grupo de ecoterrotistas em Utah, Estados Unidos. Clássico dos anos de 1970.

Comentários

Pois é, André, assim como os pêlos, a vida pode ser preta, branca, grisalha, loura, ruiva...
Silvano Junqueira disse…
André, esse viés é crucial, hoje em dia seria incabível defender um governo militar no Brasil (infelizmente). Pelo jeito, sou bem mais velho do que você, e não caio nas lorotas de que o regime militar foi sangrento, insuportável etc. Eu era trabalhador naquele tempo, e nunca fui importunado pelos militares. Eles perseguiam, sim, a ala violenta da esquerda. Esses sim tinham muitos poréns com os dirigentes do país e com a polícia. Enquanto isso, esses mesmos militares "linha dura" tentaram cooptar a ala pacífica da esquerda, que não se metia com os guerrilheiros. Resultado: os postos da cultura e da mídia, do mercado editorial, da indústria fonográfica foram ocupados pela esquerda. Isso não foi inteligente da parte dos militares, pois esses esquerdas silenciosamente adestraram a cultura segundo suas teses degeneradas. Não foi do dia para a noite que a música sertaneja foi preterida, deu lugar ao rock nacional e hoje está às voltas com o funk abjeto. Vivemos hoje sob uma voz monolítica, tudo tem código de barras avermelhado. E pergunto: isso é bom? A cultura conservadora, liberal, foi banida aos poucos da vida de nosso combalido país. A situação hoje está uma merda como nunca esteve antes, mas, confio que o despertar que está ocorrendo hoje criará raízes para daqui algumas gerações (se não fizerem uma merda ainda maior e acabem com tudo, rsrs, mas ainda confio que isso não ocorrerá). Você escreve bem, tem o que dizer, força aí! Silvano.
albir disse…
Certo, André, não esqueçamos o cinza. Nem o preto, nem o branco. E que a história seja contada muitas vezes, por muitas pessoas. Uma versão é sempre tendenciosa, e até a isenção escolhe um viés.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …