Pular para o conteúdo principal

ACORDA, ACORDA >> Carla Dias >>


Pessoa que sabe que o mundo não gira ao seu redor, que é coadjuvante nele, que silêncio tem camadas e motivos. E que tudo o que desacontece – porque só aconteceu na sua cabeça – não significa fim. Tem o humor bipolar, por isso mesmo, há dias em que chora, há dias em que faz chorar. Livros de cabeceira empilhados, que não quer se abster das escolhas. Exercita, diariamente, perdoar-se, na tentativa de enfraquecer o hábito de acumular culpas.

Não tem certeza sobre Deus, mas se apega a Ele nos momentos difíceis. Chegou à conclusão de que não acredita em um Deus no qual, em seu nome, e com seu aval, seja cometida a violência do desamor, da intolerância. Depois, aceitou de vez que isso é coisa do ser humano. Está em processo de compreensão dos poucos mistérios da vida aos quais são oferecidas explicações. Sempre gostou de aprender, então segue nesse caminho, a passos lentos, que não quer se perder dos detalhes importantes por querer apressar o que não se curva ao tempo dos homens.

Apesar do desapego pelas certezas, está certo de que realizará um ou dois sonhos que tem sonhado acordado há anos. E sonhar acordado pode lhe arrancar da realidade, torná-lo um imaginador em vez de um vivente. Por isso ele sonha acordado, misturando à cadência desses sonhos a afluência de acontecimentos cotidianos. Sendo assim, enquanto está em ônibus lotado, indo para o trabalho, observa as pessoas a sua volta, e algumas, aquelas que ele acha interessantes, adota como personagens desse sonho. Mesmo atrasado, hoje ele se sente particularmente inspirado para sonhar acordado.

Como a menina, quatro ou cinco anos, cabelos encaracolados de um jeito meio anjo, meio cabelo ruim mesmo. Nariz encostado na janela, olhos grudados nas cenas externas, e uma voz miúda, mas afinadinha, cantando uma música sobre um boneco de nuvem que roubou a chuva de um lugar para chovê-la em outro, onde pessoas morriam de sede e de vontade de dançar debaixo das águas. Ele arqueia sobrancelhas, sem entender como menina tão pequena, tão bonitinha e delicada, quase uma minidondoca vestida em panos rosa, podia cantar coisa tão séria. Ao lado dela, uma mulher de olhar sofrido e pele arrebatada pelas exigências de uma vida que não parece fácil. Ainda assim, a mão da mulher pousa suave, pluma travestida de longos dedos, com unhas comidas na hora da ansiedade desembestada, sobre a mão pequena da menina.

Durante quase quarenta e cinco minutos ele sonhou acordado com a mulher e a menina, só que pela primeira vez ele sonhou o mesmo sonho, mas de jeito diferente. Sonhou melhor para elas do que para ele. Sonhou a mulher descansada, protegida, cozinhando delícias em fogão seis bocas, cozinha simples, mas suficiente para uma vida mais leve. Sonhou a menina dançando e cantando na sala, enquanto lá fora a chuva despencava bonitamente. Sonhou a vida acontecendo com afeto e respeito.

O ônibus dá um tranco, e um homem de voz esganiçada berra com o motorista. Filho da mãe! Aprendeu a dirigir pela internet? Ele não consegue segurar o sorriso, e isso, em meio a tanta dificuldade para ser e se locomover, é bálsamo.

A mulher cochicha no ouvido da menina e ela sorri, mas não do jeito que ele sorriu com o comentário do outro passageiro. Não com jocosidade. A menina sorri com vigor de quem acredita na felicidade. E essa contemplação o desapruma, coloca-o em estado de necessidade.

Ele quer aquele sorriso.

A mulher ajeita as roupinhas da menina e lhe beija a face, depois lhe ajeita os cachos rebeldes. Quando olha ao redor, é pega por certa preocupação, que o ônibus está tão lotado, que mal há espaço para um passo pra lá e outro pra cá. Daí que ela encontra o olhar dele, um banco pra frente, e ele não o desvia por ter sido pego no pulo, na observação. Sem hesitar, a mãe se levanta, pega a menina no colo, então a segura e estica os braços, pode segurar a menina, moço? 

Em seus sonhos — aquele par que ele vem sonhando acordado há tempos —, nunca foram incluídas outras pessoas. São sonhos para solitário que sabe que não só o mundo não gira ao seu redor como quase nunca quer saber sobre o que ele pensa ou sente. Ele firma os pés no chão, garantindo equilíbrio, e pega a menina que se enrosca no pescoço dele, bracinhos miúdos. A mulher sai de seu banco, espremendo-se como pode. Ele se impõe pelo caminho, que entendeu que tem o dever de levar a menina até a porta, sem que lhe apertem do jeito que acontece com a mulher. Ele chega à porta, enquanto a mulher ainda luta para alcançar a linha de chegada.

A menina deita a cabeça no ombro dele, e começa a cantar outra música, desta vez sobre um homem que precisa salvar uma aldeia de borboletas de um vento soprado errado. Ele se envolve com a história desse homem, ele tem alma boa e pode ajudar, só não sabe disso ainda, e quando a mulher lhe toca o braço e sorri, obrigada, e ele lhe entrega a menina, depois de ela dar o sinal para descer, é como se estivesse entregando seus sonhos, seus sentimentos, seus desejos, até os ainda desconhecidos por ele.

A menina o encara, sorri bonito, leve, feliz. Arqueia o corpo e lhe beija o rosto, depois continua a cantar sobre o homem, as borboletas, a aldeia, o vento errado. A mulher o encara, ela é assim, moço, gosta de inventar músicas, principalmente quando está no ônibus.

O ônibus continua a sua viagem, entregando pessoas aos seus pontos. Até onde seus olhos conseguiam enxergar, ele cravou o olhar sobre elas. Naquele dia, não conseguiu sonhar acordado novamente, o que era sua fuga diária quando o trabalho se tornava quase insuportável ou a solidão berrava.

Durante vários dias, ele se atrasou para o trabalho ao pegar aquele mesmo ônibus. Não conseguia sonhar acordado, só pensava em escutar a menina que inventa canções no ônibus. E no dia que as reencontrou, mesmo lugar no ônibus, elas no mesmo banco, a menina cantando, a mulher cuidando dela.

E hoje ele observa, em pé na porta, entre a cozinha e a sala de estar, a mulher a cozinhar delícias, enquanto fala sobre as boas novas do trabalho. Na sala de estar, ela inventa uma canção sobre um peixe que gostava da lua e queria abraçá-la. Agora ele sabe que, às vezes, é preciso parar de sonhar acordado para saborear a vida. Que o mundo pode nem lhe dar importância, mas ali, naquele momento, ele é importante para alguém. Alguém é importante para ele.

Imagem: sxc.hu

Comentários

Carlos H. disse…
Lindo texto. Um belo reflexo do que somos, essa multidão de 'eus' mergulhada duma profusão interna interminável, que vive do desacontecimento a cada esbarrão seguido do desconcertado e incômodo rearanjo das peças de corpos. Me seduz e docemente me afaga tal modo como as palavras fluem, me inundando duma atmosfera onírica essa indefinida dimensão atemporal de que alimenta o seu leitor.
Que lindeza, Carla! Mexeu meu dentro. :)
Carla Dias disse…
Carlos... Obrigada pela leitura e pela gentileza expressa nas suas palavras. Abraço.

Eduardo... Que bom! Que adoro quando o que escrevo sai por aí mexendo o dentro de quem me lê. Beijos.
Anônimo disse…
incrível,ando precisando parar de sonhar um pouco e viver o momento apesar de que muitas vezes os sonhos são melhores do que o que nos cerca.
Carla Dias disse…
Anônimo... Bom mesmo é quando trazemos parte dos nossos sonhos para a realidade.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …