Pular para o conteúdo principal

INVENTAMENTO EM ANDAMENTO >> Carla Dias >>

Ele acredita que o ser humano é filho da contradição. Não que isso lhe incomode, que pregar que todas as histórias já foram escritas e vividas, agora nos resta somente a repetição, bate de frente com o fervor do ser humano, do indivíduo, em se render à certeza de que é único. Para ele, os ingredientes desta contradição são inspiradores. Se tudo já foi criado e acontecido, e ainda assim exigimos ineditismo na identidade emocional e intelectual, é porque, talvez, ainda haja esperança de sermos, cada um sendo um, mas também sendo parte de um todo, do coletivo, resultado de peculiares e significativas versões.

Quem sabe o teatro, a ideia de se apossar de personagens, a ponto de torná-los tão críveis que fica quase impossível detectar duas pessoas nesse alojamento de espírito que é o corpo, não seja exclusividade dos atores. Que sabemos das nossas máscaras, dos personagens que interpretamos durante a vida, às vezes, para sobrevivermos a nós mesmos, em outras, para sobrevivermos aos que nos cercam.

Durante muito tempo, ele se permitiu ficar a sós com a pessoa que é, o que nem sempre é digesto, visto que, ele aposta, todos nós passamos bastante tempo a nos dizer mal, às vezes até a nos odiarmos com requinte. Duro mesmo é a autobenquerença, mas da que não venha acompanhada de prepotência. A experiência de se despir de nome, endereço, número de documento, de se tornar nômade, um anônimo a se esgueirar pela história de outros, transformou sua capacidade de observar a si e ao outro de outro ângulo. Ainda assim, não é um ângulo que expurgue a mediocridade humana, tampouco a sua capacidade de cometer atos de genuína bondade.

Compreender que a moeda explica, somos cara e coroa, permitiu a ele repensar a vida de uma forma menos melindrada. Na verdade, aquietar o coração é uma forma funcional de se abrir aos momentos mais férteis do que realmente importa nesse grande palco que é mundo. Como a sincronia, coisinha que ele busca desde sempre, da qual ainda não sentiu o gosto.

Conectar-se profundamente a outro ser humano – e às suas verdades e inventos – é o que espera que lhe aconteça, dia desses.  E como apreciador das contradições, quando há nelas a possibilidade de uma combinação positiva de caminhos e desfechos, inspira-se a esperar pela oportunidade para tal acontecimento.

Porque assim caminha a sua vida e os seus deslumbramentos. Ele observa o mundo, as pessoas, os acontecimentos. Ele deseja o mundo, a pessoa, o acontecimento. Veste-se com personagens, interage com tantos outros. Sobe no palco da vida e desempenha papéis memoráveis, às vezes, nem tanto. Contradiz-se tantas vezes que já nem se desculpa mais por isso, apenas vive cada contradição com a humildade de quem sabe lidar com consequências.

Vive as versões de si mesmo, como se cada uma delas fosse a verdade de quem é. Mas isso porque acredita, e sem vestígios de dúvida, que a verdade de si é uma invenção em andamento. Uma obra que pede por adaptações, e que frequentemente exigirá manutenção. E a ideia de ser eternamente inacabado lhe fascina, pois cria espaço para o susto, para a surpresa, para a criação.

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Comentários

Carla, tenho o ousado pensamento de que às vezes você escreve para mim. Ou: a meu respeito. :)
albir disse…
Tenho certeza de que ela escreve pra você, Edu. Mas não só. Carla é universal.
Carla Dias disse…
Eduardo... Vai saber ;)

Albir... Isso, Albir. Também escrevo pra você :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …