Pular para o conteúdo principal

FALE AGORA OU CALE-SE PRA SEMPRE
>> Mariana Scherma

Ter seu nome confundido por alguém pede agilidade máxima na correção. Se você não corrige de cara, nos primeiros dez segundos do erro, pode esquecer. Melhor se acostumar a ter dois nomes: o seu nome de batismo e o seu segundo nome, aquele fruto de um erro de memória do fulano e de timing seu, ãham, porque você não soube corrigir a tempo. Quer dizer, isso só se você for como eu, que morre de vergonha de corrigir seu falso nome. Sério, eu corrijo as pessoas e seus erros mais simples ou grotescos de português, mas não sou capaz de dizer: “é Mariana, não Marina”. Vai entender...

Meu novo professor de natação decidiu que sou Marina. Ele me perguntou qual era meu nome, disse Mariana, mas, por alguma sinapse muito doida, ele subtraiu a minha letra a do meio e fui batizada como Marina na natação. E esse meu professor fala muito e fala rápido, quando me chamou de Marina pela primeira vez, já emendou algum assunto e eu resolvi deixar pra lá. Toda hora era “Marina, agora 12 chegadas peito”, “Já terminou, Marina?”, “Marina, parou com a musculação, é? Por quê?”, enfim... Era tanto repetição de Marina pra cá, pra lá, que resolvi que na piscina eu seria Marina dali pra frente. E quer saber, ele nem estava tão errado assim. Toda Mariana tem 90% de Marina.

Naquele dia, entre uma chegada peito e outra costas, até cogitei a possibilidade de mudar meu Facebook para o professor não perceber, de avisar meus amigos que agora eu era Marina, queria até pedir na recepção da academia pra fazerem essa alteração, tudo pra não ter que corrigi-lo. Eu estava disposta a abrir mão do nome que meus pais escolheram com tanto carinho por conta de um momento perdido. Mas aí veio a reviravolta que mais me constrangeu na vida...

Enquanto eu, a nova Marina, saía da piscina pra tomar banho, o professor me chamou pra acertar meu nome na lista de exame médico e eu pensei em sair correndo, juro. Se a piscina desembocasse no oceano, a essa hora já estaria em Sidney, sendo Marina.
— É Marina do quê? Não acho aqui na minha lista. Preciso do seu nome completo, ele avisou.
 ... Éééééhhh, ééééh... (respirei fundo e encarei) Na verdade, é Mariana. Mariana Scherma, disse, sentindo que meu rosto estava vermelho-tomate de vergonha.
 Eu tô a aula inteira falando seu nome errado e você não me corrigiu?
 Achei chato. E você nem estava tão errado, só faltou um a.

Sim, eu fiquei mais sem graça que o professor. Eu ria de nervosa e ele ria da situação em si. Desde então, voltei a ser Mariana com gosto. Não preciso mais mudar meu Facebook pra Mari, nem nada do tipo. Mas taí: se eu dia eu precisar de passaporte falso, meu nome será Marina. Foi bom enquanto durou, mesmo que tenha durado uma aula de natação só.

Comentários

Grato pela graça, Mari(a)na. :)
Nina disse…
Oi, Mariana! Identifiquei-me muito com essa crônica, pois acontece comigo justamente o contrário: nasci Marina, mas as pessoas teimam em me chamar de Mariana! Já perdi as contas de quantos professores e conhecidos eu já tive de corrigir! Por isso, agora estou fugindo do meu nome e tento fazer com que os mais íntimos me conheçam pelo meu apelido, assim evito quaisquer confusões!

Love, Nina.
http://ninaeuma.blogspot.com/
albir disse…
Marina é muito bonito, mas você é Mariana. Não se permita ser 90%, exija MARIANA.
Excelente seu texto Mariana... ou...melhor, Marina. Se o seu nome oscila entre Marina e Mariana, seu texto oscila entre excelente excelentíssimo. Parabens!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …