Pular para o conteúdo principal

EI, VOCÊ NÃO É SHELDON COOPER! >> André Ferrer

Revi alguns episódios de The Big Bang Theory (TBBT). Voltei à primeira temporada e consegui tirar uma teima.

Sheldon apresenta, sim, algumas características da Síndrome de Asperger. Isto é inegável. Trata-se, no entanto, de uma sitcom e Sheldon é plano tanto quanto é possível a um personagem ser plano nesse gênero de entretenimento. Até mesmo o Charlie (Sheen) Harper de Two and a half men (Dois homens e meio) apresenta algumas curvas no seu design psicológico.

Para quem não lembra ou não sabe, personagens de narrativas podem ser classificados como planos ou esféricos de acordo com a sua complexidade. Em geral, os personagens dos grandes romances são esféricos, o que dificilmente acontece nas novelas e nas séries de TV.

A Síndrome de Asperger é um problema que traz muito sofrimento às pessoas desde a infância. Encontrei comunidades na web onde fãs de TBBT se dizem “aspies” enquanto comentam as peripécias do Sheldon e sua turma! Um absurdo motivado por modismo e ignorância. Insisto, portanto, neste conselho para quem acha o Sheldon o máximo: leia um artigo ou assista a um vídeo sobre os aspies. Aprender com os problemas de quem realmente tem problemas conduz à reflexão. Muita gente amadurece e abandona o papel adolescente de “poser” (imitador inconsequente) queixoso.

Como eu ia dizendo, procurei um site para fazer o download da primeira temporada da série. Queria me certificar de que Sheldon era mais caricato e dramaticamente pobre do que Charlie Harper, o compositor beberrão, mulherengo e chauvinista que hospeda o irmão e o sobrinho em Malibu. Revi, cuidadosamente, o início de TBBT e, para ser exato, empreguei uma amostra de três episódios. Descobri, então, que já era o bastante.

Eu não encontrei nenhuma profundidade em Sheldon e, novamente, perguntei a mim mesmo: o que, afinal de contas, justificaria tanta badalação ao redor de TBBT?! Por que tantos jovens se autoproclamam fãs número um de um sujeito como aquele? Ora, uma pessoa como Sheldon, no mundo real, faria e seria tudo o que qualquer jovem simplesmente não desejaria fazer e ser nem por duas horas nas suas vidas sensacionais, ou seja, estudar muito (sim, até os gênios precisam estudar!) e ter um comportamento esquisito. Agora, eu pergunto: alguém seria assim por escolha? Claro que não.

Para os jovens fãs e imitadores (que, aliás, ficam ainda mais planos que o original), Sheldon é como aqueles aparelhos vibradores que prometem “exercício físico e perda de calorias sem o menor esforço”. Sintam-se geniais! Basta fazer de conta que é o Sheldon sem ser um equivalente real do Sheldon porque, agora, existe a modinha de ser nerd sem ser nerd. Porque simplesmente capitalizaram em cima da rica e profunda figura do pária (excluído). Como se a existência do nerd tivesse alguma coisa a ver com popularidade e “espírito descolado”.

Um pedido: respeite quem não tem escolha. Não imite nem se divirta com caricaturas de gente que só pode ser como é.

Comentários

Zoraya disse…
Estamos mesmo na era das reproduções do vazio. Na falta de herois ou personagens ou personalidades com substância, o pessoal vai imitando o nada que está pela frente. Estou pessimista hoje: acho que seu apelo (que é o meu também) cairá no vácuo. Pensar dá trabalho. Como sempre, bom te ler.
albir disse…
Muito importante o seu pedido, André: respeite até o que não se respeita. Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …