Pular para o conteúdo principal

DO CONTRA >> Clara Braga

Ao longo do tempo percebi que as crianças não leem mais as revistinhas da Turma da Mônica como liam antigamente. E se leem, são aquelas nas quais a turma já é adolescente. Nunca li uma dessas, puro preconceito, eu sei, mas acho que Turma da Mônica de verdade é aquela com eles crianças.

Também não se assiste mais Chaves, como pode? Chaves é tão bom! Lembro de uma amiga minha que disse que não permitia que a sua filha de 2 anos assistisse Chaves porque toda vez que ela assistia queria bater nas pessoas, ou seja, Chaves é ruim para a formação de uma criança. Será? Se fosse assim, como pode as crianças não lerem Turma da Mônica e serem iguaizinhas ao personagem Do Contra?

Comecei a dar aula de artes para crianças em uma escola e, pelo visto, criança hoje em dia é assim. Você diz "vamos falar baixo para ouvir o colega", então eles começam a berrar e fazer sons tão estridentes que eu tenho certeza que só os cachorros escutam, porque eu já fiquei surda! Você diz "não pode correr, você vai machucar as crianças que estão no corredor", então eles correm mais rápido que The Flash, embora também nunca tenham ouvido falar dele. Você diz "agora não vamos usar o caderno, vamos fazer uma brincadeira e depois estudamos a lição do livro", eles prontamente abrem o livro e começam a fazer a atividade. Você fala "ok, então se vocês querem livro, todos pegando os livros, vamos fazer as atividades juntos", e eles rapidamente respondem: "aaah nããão, Tiiia, a gente quer brincar!" Quem entende?

Criança também tem uma habilidade impressionante de mudar de humor. Você leva eles para a sala de artes e eles parecem que vão derrubar a sala. Correm, gritam, pulam, arrastam cadeira, se jogam no chão, entre outras coisas. Ai você dá uma bronca e diz que desse jeito eles vão acabar se machucando. Eles fazem aquela cara de arrependidos, tristes, aquele olhar baixo de quem sabe que fez besteira. Em dois segundos, eles estão pulando, gritando, se jogando etc, como se nada tivesse acontecido. Eis que, como avisado, um se machuca. Aé vem a fase manhosa, você sabe que nem machucou muito, mas eles fazem aquela cara de dor e dizem: "Tiiia, fulaninho me machucou, tá doendo. Tiiia, olha meu braço!" Você olha e não vê nada, mas para ser legal entra na manha e diz que ele pode ir na coordenação pegar gelo. Aliás, gelo é o remédio mais milagroso do mundo. O aluno volta com o gelo, com aquele olho ainda meio molhado de quem estava chorando na coordenação, então entra na sala e participa da atividade durante 5 minutos. Em seguida já não se sabe mais onde está o gelo e a dor da criança nunca existiu, pois lá está ela de novo correndo, gritando, jogando etc.

O engraçado é que quando você pergunta o que eles gostam de fazer, todos respondem em alto e bom som: "JOGAR VIDEO GAME, TIIIA!" Mas video game não precisa de concentração? Eles conseguem ficar sentados por mais de 2 minutos seguidos olhando para o mesmo lugar? Duvido! Ou então esse é exatamente o problema, passam tanto tempo sentados na frente da televisão que ficam com energia acumulada, ai resolvem gastar tudo na minha aula.

Estou pensando seriamente em mandar uns recadinhos na agenda dos alunos, avisando aos pais que, como tarefa de casa, eles têm que, a cada dia da semana, levar seus filhos para brincar na rua e ensinar uma brincadeira que eles tinham na infância deles. E se não adiantar, na próxima aula, ao invés de papel crepon e giz de cera, eu vou levar aquelas arminhas de tranquilizantes!

Comentários

Bem-vinda ao time, Clara. Eu comecei com adolescentes. Mas descobri que aluno é aluno, independente da idade. :) E há muito a aprender com cada um deles.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …