Pular para o conteúdo principal

O GATO - PARTE I >> Zoraya Cesar

Nenhum clichê se aplicava ao caso, até então. Não chovia, trovoava ou relampejava assustadoramente. Não era noite cerrada, não havia corujas piando em troncos queimados, a hospedaria não caía aos pedaços, e os hóspedes não andavam de cabeça baixa, sussurrando segredos inconfessos.

Quando ele chegou era plena luz do Sol, e o calor, refrescado por uma suave aragem, que trazia cheiros de mato e água corrente; pássaros cantavam aqui e acolá se viam algumas borboletas; a casa, de estilo colonial, bonita e bem cuidada, era cercada por mata exuberante, os hóspedes pareciam felizes. E, como em qualquer lugar do mundo, examinaram — discretamente, diga-se — o recém-chegado. 

Examinaram, mas logo perderam o interesse. Cabelos na altura dos ombros, brinco na orelha e tatuagem já não são marcas registradas de comportamento rebelde há algum tempo; suas roupas eram simples e ele parecia muito cansado. Ou seja, em breve foi absorvido pela paisagem local e devidamente esquecido. Até porque o tal recém-chegado, embora gentil, era de poucas palavras e talvez fosse um tanto antissocial, pois sempre se sentava calado e sozinho às refeições e passava o dia a explorar a floresta. 

Um dia, porém, chegou sorridente para a dona da hospedaria, e perguntou-lhe onde estava o gato cinzento que vira naquela manhã.

A mulher, bonita, de uns quarenta anos indefinidos, olhos verdes e redondos como os de uma serpente, convulsionou o rosto tão fortemente que apagou o meio-sorriso que trazia sempre pronto para todas as ocasiões. Essa reação estranha demorou um átimo de segundo, e, inteiramente recomposta, com toda a calma e o meio-sorriso de volta, ela afirmou, categoricamente, não haver e nunca ter havido qualquer gato por ali.

A certeza dela o desnorteou e ele creditou a alucinação ao cansaço e ao estresse. 

No dia seguinte, entretanto, o tal gato estava, qual esfinge, a esperá-lo no início da trilha, gracioso, cinzento e, positivamente, tão real, que o rapaz espirrou seguidas vezes, comprovando não só a existência do felídeo como também a ironia do Destino: era alérgico a gatos, seres imprescindíveis a seu oficio. Deitou-se ao Sol, para descansar, Deus, como precisava descansar. O gato deitou-se também e ficaram os dois a dormitar boa parte da tarde, apenas percebendo o canto dos pássaros, a azáfama incessante das formigas e o cheiro de terra úmida perto do córrego.

À noite, mais relaxado, foi dormir se indagando por que a hospedeira mentira. Dormia profundamente, como há muito não conseguia, quando, no meio da madrugada, mais exatamente às 3 horas, acordou sobressaltado, com o barulho de miados insistentes e lamurientos. Levantou, olhou pela janela e sentiu arrepios tão violentos que seu corpo todo tremeu. O felino cinzento miava em direção ao quarto da hospedeira, porém, mesmo sob a forte luz de uma lua cheia, não havia sombra alguma projetada no meio do gramado onde o gato estava sentado. 

Ele correu escadas abaixo, as pernas ainda bambas. Ao chegar no jardim, porém, o animal já não estava. Ainda procurou em volta, mas não viu, literalmente, nem sombra do gato. Todas as janelas continuavam fechadas e um silêncio não quebrado nem pelos bichos noturnos ou pelo vento se abatia pesadamente no lugar. Voltou aos seus aposentos, desolado. Ou ele estava, definitivamente, tendo um ataque de nervos — o que, na sua profissão significava aposentadoria — ou, também definitivamente, algo muito bizarro estava acontecendo ali, e envolvia a hospedeira de olhos de serpente e o gato sem sombra. E agora, ele também.

No dia seguinte, não encontrou a hospedeira, nem ouviu qualquer referência, nas conversas do café da manhã, aos acontecimentos noturnos, ou sobre a existência de um enorme gato cinzento que, aparentemente, só ele via e ouvia. 

Saiu em direção a uma das trilhas. Como previra, o gato estava lá, quietamente a esperá-lo. Embrenhou-se no mato, pensando, um pouco incoerentemente, que era melhor o bichano saber o caminho de volta, ou ele nunca mais conseguiria sair dali. 

Chegaram a uma clareira, no fundo da qual se escondia um poço, já meio carcomido pelo abandono, invadido pelas heras. Ele se aproximou, cautelosamente, como a experiência lhe ensinara, e viu que o poço estava aterrado, não havia água. Sentiu algo estranho, mas não conseguiu precisar o quê, e resolveu voltar. Já entardecia, o trajeto era longo e a última coisa que desejava era ficar perdido na mata fechada — seus nervos não estavam firmes o suficiente e o gato sumira. Bicho idiota, pensou, vou acabar perdido aqui nesse ermo. 

No entanto, seu senso de direção continuava impecável — outro atributo necessário ao seu trabalho — e ele conseguiu encontrar o caminho de volta. Quase no final do percurso, ouviu uma espécie de canção que lhe pareceu familiar. Esgueirando-se silenciosamente, viu, às últimas luzes do crepúsculo, o que seria a cena mais extraordinária de sua vida, não fosse sua própria vida já tão extraordinária.

A hospedeira, trajando uma túnica inteiramente negra, cavava perto de uma árvore, entoando uma cantiga em língua morta. O buraco aberto era pequeno, mais parecia uma cova e, de repente, ele teve uma intuição do que a mulher procurava. Procurava saber se o gato cinzento continuava enterrado onde fora colocado.

Continua no dia 11 de abril, a partir das 10h, a hora da Roda da Fortuna, da lei dos sucessivos começos...

Comentários

Cristiane disse…
Sombria e intrigante... adorei!
Anônimo disse…
Quero saber o que é que esse cara faz!
Chega logo, 11 de abril!
albir disse…
Mais que escrever sobre maldade, você agora exercita essa maldade, obrigando-nos a esperar quinze dias.
Erica disse…
Detesto histórias de suspense (fico nervosa rs), principalmente com gatos sombrios, mas fiquei curiosa pra saber o que o tal hóspede faz... e só por isso vou esperar pela segunda parte rs
Anônimo disse…
Não consegui parar de ler e comecei a ler correndo para saber logo o que ia acontecer. Voce gosta de escrever histórias de suspense, né?Beijocas
Pat Rochinha
aretuza disse…
quem é o hóspede? é o Felipe Espada??!!!!! Acho que é!!! Escreve logo!!!
Anônimo disse…
Zo,
AMEI sua a cronica. Um gato, com mais mistérios do que já cabe em qualquer felino. Ainda por cima cinza, e sem sombras!
Não vejo a hora de chegar a próxima crônica, para descobrir também o ofício do protagonista.
Mas que a dona da pousada tem um jeito de bruxa má, isso ela tem...
E ai dela se matou o bichano em tempos anteriores - vai se ver comigo!

bjs
Cecilia
afonso henrique disse…
adorei essa cronica, minha professora havia lido entao decidi ir atrs de um resumo ,sera que alguem pode me ajudar?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …