sexta-feira, 7 de março de 2014

ÁRVORES, FILHOS E LIVROS >> Paulo Meireles Barguil

Voltei!

Sim, eu já estive aqui.

Não foi numa vida passada, mas no passado da atual, embora eu esteja desconfiando que ambas são a mesma coisa...

Quando aqui estive pela última vez, há cerca 13 anos e meio, escrevi sobre a máxima popular que diz que toda pessoa, antes de morrer, deve plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro.

Considerando que o Crônica do Dia fez 15 anos em novembro de 2013 e que eu comecei a escrever para ele pouco tempo depois do seu nascimento, sou um escritor pré-histórico desse site.

São vários motivos que me levaram a abandonar esse oceano digital e outros tantos que me fazem a ele retornar.

É bem verdade que, conforme Heráclito nos ensinou há 2.500 anos, não é possível entrar no mesmo mar duas vezes, seja porque o banhista mudou, seja porque as águas fluíram.

O mais importante é que, apesar de (e graças à) tudo o que me aconteceu, o meu DNA resistiu e cá estou para continuar a narrar minhas estripulias...

Há um pouco mais de 3 anos, eu conversei com São Pedro na entrada do céu. O diálogo foi mais ou menos assim:

– Sou o Paulo Meir... – eu comecei a falar, logo após chegar.

– Não precisa dizer. O meu tablet tem um aplicativo de reconhecimento facial. Um momentinho, por favor – solicitou o Anfitrião.

Alguns após segundos, que pareceram uma eternidade, o som das arpas cessou:

– Estou verificando que você não plantou a árvore – falou ele, sem levantar o olhar.

– É verdade, São Pedro. Mas eu tenho dois filhos e escrevi dois livros. Posso entrar? – indaguei, apreensivo quanto ao meu futuro.

– Não há exceção para a regra. Você não pode ser aceito aqui sem plantar a árvore. Volte e faça o que está faltando! – respondeu, virando as costas para mim.

Eu, claro, nem ousei discutir com o Porteiro!

Acredito que ele está muito ocupado, pois até hoje não fui convocado para explicar o motivo de não ter feito o solicitado.

Espero que São Pedro não leia essa crônica. Afinal, ele poderia me chamar para me dar um carão ou me enviar para outro destino...

Partilhar

3 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Bem-vindo de volta, Paulinho!

Zoraya disse...

Oi Paulo, bem-vindo e espero q vc nao converse tão cedo com São Pedro de novo, a nao ser para pedir chuva ou uma casa nova...

albir disse...

Bem-vindo, Paulo, e parabéns pelo texto.