Pular para o conteúdo principal

DOMINGOS EM CASA >> Whisner Fraga

Era final dos anos 1980 e as bandas de rock nacional despontavam como ícones adolescentes e eu ouvia todas. Claro que as duplas sertanejas começavam a tomar seu espaço, mas ainda assim com um pé no clássico: guitarra era palavrão para elas. Os discos de vinil eram uma grande diversão, embora cara. Íamos a uma loja, ficávamos a tarde inteira escutando músicas, até nos decidirmos a levar um álbum para casa.

Naquela época, meus pais acabaram por comprar um aparelho Polivox, que devia ter uns 40 Watts de potência, mas resolvia razoavelmente o problema da falta de música no lar. Como éramos seis convivendo em uma frágil harmonia, cada um devia ter seu horário junto ao toca-discos. Eu geralmente aproveitava a noite, e, enquanto todos assistiam às novelas, ajeitava o fone de ouvido para escutar minhas músicas prediletas.

Quando criança, lembro-me de minha mãe lavando nossas roupas. Ao lado do tanque, um pequeno rádio estava sintonizado em uma AM qualquer da cidade. Foi assim que conheci Raul Seixas. Tenho quase certeza que minha mãe não curtia o rock daquele sujeito, mas não desligava o aparelho, pois vivia com as mãos ocupadas.

Ultimamente o som havia perdido espaço aqui em casa. Eu só escutava meus compositores preferidos no carro e geralmente no trajeto até o trabalho. Ou seja, durante meia hora. Mas parecia que faltava algo, não estava satisfeito. É sempre muito ruim quando temos de estacionar e silenciar uma canção antes de seu fim. Como nosso minisystem é muito grande, ficou encaixotado desde nossa mudança, há um ano. Aqui em São Paulo, espaço é algo valioso.

Então me desfiz do trambolho e comprei outro menor, bem menor. Um microsystem. Assim, tirei das caixas a coleção de música clássica para crianças e estamos, eu, Helena e Ana, curtindo, neste momento, um pouco de Verdi. Que maravilha! Desde ontem a família se reúne para estes momentos de encanto. Ana, uma pianista aposentada, conta as histórias das composições para Helena. Eu mesmo me arrisco a falar sobre o Lago dos Cisnes, já que Tchaikovsky é meu compositor predileto.

Eu acredito que a música é algo primordial para o ser-humano. Tenho convicção de que somente a arte teria o poder de salvar a humanidade de suas próprias garras. Todavia, arte é o que menos encontramos nas casas brasileiras. Música de baixa qualidade, subliteratura, blockbusters de Hollywood, novelas imbecilizantes, o dia-a-dia de nosso povo é cercado de lugares-comuns, que apenas contribuem para a formação de cidadãos apáticos e despreparados para o exercício da compaixão. E acho que isso não mudará durante os próximos mil anos.

Comentários

Zoraya disse…
é com muita tristeza q concordo com seu último parágrafo. Mas é com muita alegria que li toda a sua crônica, como sempre, memória de alta qualidade. Valeu!
whisner disse…
Oi Zoraya, obrigado pela leitura. Um grande abraço!
Carla Dias disse…
Whisner, eu sou um pouquinho mais otimista. Acho que a arte foi banalizada de tal forma que só nos resta encarar essa verdade e mudar o foco para o que é realmente capaz de contribuir com nosso espírito. Espero que mais casas se encham de música, como a sua.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …