Pular para o conteúdo principal

DA VIDA E OUTRAS URGÊNCIAS >> Whisner Fraga

Eu só tive um avô e uma avó, pois, ao que consta, os pais de minha mãe morreram quando ela era ainda muito nova, de modo que não tivemos nenhum contato com eles, nem mesmo por meio de fotos. Assim, acho que minha memória afetiva ficou um pouco prejudicada com o fato. Não acostumado com reuniões familiares, cresci sem dar muita bola a primos, tios e adjacências. Hoje, se me perguntam do Márcio ou do Fernando, tenho de me concentrar para extrair alguma novidade digna de nota.

Aqui não estou fazendo apologias a nada, mas somente divulgando uma constatação. Acredito que Helena crescerá do mesmo jeito, pois estamos a trezentos e setenta quilômetros de distância de uns avós e a pouco mais de seiscentos de outros, o que impede, evidentemente, uma convivência mais próxima. Não acho, de forma alguma, que isso seja bom, mas não temos outra opção. A vida nos prega peças, isso é fato, de modo que temos pouco controle sobre nós próprios.

Helena crescerá, assim, longe dos tios e de outros parentes do segundo escalão, sem um referencial familiar-afetivo mais amplo. De cá, posso dizer que minhas lembranças não abarcam muitos momentos com os tios ou avós, por mais que meu pai se esforçasse para nos levar com frequência a reuniões com os parentes. Acredito também que minhas recordações acabaram por se tornar mais ligadas a objetos do que a seres humanos.

O isqueiro com que meu avô acendia o cigarro, derramando no ar uma mistura de azeite, tabaco e mofo, o canivete com que ele cortava o rolo de fumo, a lâmina carcomida, uma meia-lua de aço encardida, a mesa em que sempre descansava um jornal dobrado de maneira aleatória, a televisão ligada no Jornal Nacional, a luz amarela incapaz de iluminar tudo o que deveria, o fogão em que minha irmã viu a cabeça de meu tio morto lançando um sorriso incompreensível lá do outro lado.

Não há uma receita para a educação dos filhos. Fazemos o possível e sempre o possível, Helena, será pouco diante de sua necessidade de criança curiosa e aflita com as coisas do mundo. Hoje ela está cercada de coisas vivas: gatos ronronando pelos móveis, bonsais esparramados pelas prateleiras, amigos espargindo gargalhadas pelos cantos da sala. Ainda assim, Helena se lembra das avós Zozô e Maguta, dos avôs Dorival e Mamede, com um leve e saudoso semblante, como se nos cobrasse sutilmente uma explicação para a ausência.

Mas ausência não é esquecimento, tento me justificar. E sei que, mesmo que Helena passe pouco tempo com os avós, ela fará como eu fiz: se recordará dos breves, mas significativos instantes de convivência. Amanhã será ela a evocar: papai, você se lembra do vovô esfregando os pés no Nino? Papai, e o vovô passeando comigo no meio de tantos carros? E a vovó que me fez aquelas asas de avião? E a vovó que foi pela primeira vez na praia conosco? E talvez ela conclua que nossa melhor companhia, afinal, é aquilo de bom que carregamos dentro de nós.

Comentários

Zoraya disse…
que linda crônica Whisner! suas lembranças e memórias são sempre divertidas ou comoventes. obrigada por compartilhar. de repente voce faz um livro cheio de memórias para a pequena Helena...
Lindo, Whisner!
Continue compartilhando conosco esse bom que você carrega dentro de si.
whisner disse…
Zoraya, sou leitor de suas crônicas. Nem sempre comento, mas sou fã de seus textos. Eduardo, volte logo, sinto falta de suas crônicas irreverentes. Abraços aos dois e grato pela leitura.
albir disse…
Whisner,
ao ler suas memórias penso nas minhas com mais carinho.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …