Pular para o conteúdo principal

SEM DESTINATÁRIO >> Carla Dias >>


Eu não sei quem você é. Você não sabe quem eu sou. Não sabemos se temos algo em comum: desejos, discos, comida, partido político. Não fazemos ideia se, dia desses, estaremos em um mesmo lugar, na mesma hora.

Por nada saber sobre você, eu imagino com a imaginação desenfreada. Lembra-se de quando pintávamos desenhos na escola? Era pato azul, margarida verde, pele laranja. O preceito desse meu sentimento em relação à imaginação é o mesmo. Trata-se da mesma liberdade daquela época, de quem ainda não decorou a verdade absoluta sobre isso e aquilo. De quem ainda não desaprendeu a desconfiar de qualquer verdade absoluta.

Absolutismo me dá preguiça. E pra você? No que dá?

Ah, sim, a vida urge e a telecomunicação anda muito mais rápida e rasteira do que no tempo dos classificados em revistas de novelas em quadrinhos, as velhas, porém interessantes, fotonovelas. Nelas, parecia que o tempo era mais largo, não? As pessoas conversavam sem pressa, e suas feições eram congeladas pelo sentimento transmitido em palavras flutuando em balõezinhos.

Eu não sei se você é cientista, bancário, catador de silêncios ou criador de caso. Qual é o signo, a sina, a rua onde mora, a infância que lhe batizou, e a bebida preferida. A minha é chá de camomila, mas disso você não sabe. Com algumas gotinhas de limão, para enfeitar o paladar.

Outro dia, eu lhe disse palavras escritas, em mensagem que mandei para mim mesma, por e-mail. Como aquelas pessoas que, necessitadas de serem escolhidas pela atenção de alguém, mandam buquês de flores a si mesmas, no trabalho, que é para que todos testemunhem o apreço, ainda que falseado.

Debaixo das pálpebras das tantas formas de comunicação de hoje em dia, descansa o desejo dos olhos nos olhos, que somos bichos que necessitam de espreitar, no decorrer do apaixonamento. E apesar de tentarmos o contrário, preferimos, ainda, conhecer pessoas a mergulharmos em perfis. Uma dose de tempo, outra de acaso.

Se o universo ainda não lhe contou, eu gosto de tomar chuva, de andar descalça pela casa, de escutar discos no último volume. Prefiro a noite, a exuberância das emoções fora do tom ao conluio das certezas. Saiba que, o que não cai bem no meu currículo, desfila bonito na minha vida. Sou nada profissional quando a conversa é fiada no sentimento.

Eu não conheço você, tampouco você sabe sobre mim, o que não lhe impede de pensar sobre mim, que a vida, com a diversidade de meios de nos comunicarmos, de nos achegarmos, ainda depende da aposta do destino. E o espírito, que renega amarras, viaja na velocidade desconhecida dos milagres. A geografia pode estar contra nós. A metafísica pode ser nossa aliada, assim como a aspereza pulcra que habita os poemas de Bukowski. O que não nos impede de chegar ali, naquele mesmo lugar, no momento: o mesmo.

Podemos ser crônica ou comicamente incompatíveis. Podemos, até, concordar com isso. Talvez sejamos a combinação exata dos ingredientes da imperfeição. Agora, é nos encontrar para ver... Aqui ou acolá, Porto Alegre ou Uberlândia. Londres ou New Orleans. Haiti ou Frankfurt. Seja lá onde for.


Imagem: sxc.hu

Comentários

Que lindeza mais linda!
Zoraya disse…
Carla, ia destacar uma frase aqui, outra ali, e de repente vi que acabaria destacando o texto todo! E nada mais me resta q nao copiar o Eduardo: Que lindeza mais linda, de chorar! Obrigada por mais esse momento lírico incomparável
Carla Dias disse…

Eduardo... Fico sempre feliz quando você encontra lindeza nos meus textos. Acho de uma lindeza...

Zoraya... Eu que agradeço por você se permitir esbaldar nos meus textos. Isso me deixa sempre muito contente.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …