Pular para o conteúdo principal

UM POUCO DE VERGONHA NA CARA, POR FAVOR >> Sílvia Tibo


Eram mais ou menos sete horas da manhã de um sábado, feriado.

Naquele dia, o vizinho resolveu acordar cedo, decidido a ser o primeiro usuário da quadra de tênis do condomínio.

Despertei, então, junto com o sol. E com os gritos do vizinho-tenista (ou metido a), que vibrava enlouquecidamente a cada ponto marcado, bem ali, debaixo da janela do meu quarto.

No momento em que meus ouvidos estavam quase finalmente adaptados ao barulho vindo da quadra e eu, então, estava prestes a pegar no sono de novo, depois de duas horas de tentativas frustradas, eis que surge um som novo, agora vindo da janela do banheiro.

Preocupada, pulei da cama. Afinal, dessa vez os gritos não tinham tom de comemoração. Da janela, avistei dois homens numa discussão calorosa, ao lado de um carro prata estacionado em cima da calçada do prédio.

Na portaria, algumas pessoas já se aglomeravam para assistir à cena, embasbacadas. E, embora a minha visão da janela do quarto não fosse tão privilegiada quanto a dos que estavam lá embaixo, a sensação de estranhamento e perplexidade era exatamente a mesma.

Pelo que me disseram mais tarde, os brigões não eram moradores ou sequer visitantes do prédio.  E foi então que me perguntei: o que leva duas pessoas a saírem de suas casas, numa manhã de feriado, entrarem juntas num carro e pararem ao pé da janela dos outros para discutir, aos berros, problemas que não interessam a mais ninguém, senão a si próprios?

Definitivamente, é muito pra mim. De onde eu venho, roupa suja se lava dentro de casa, no próprio tanque (ou, adaptando o ditado à modernidade, na própria máquina de lavar).

Convenhamos, a calçada alheia não é o melhor lugar para se debater o que quer que seja. Que briguem, que discutam, que se esbofetem, já que assim desejam! Mas longe da minha janela, por obséquio.

Nos últimos tempos, por onde têm andado o bom senso, a gentileza e a urbanidade? Devem estar perdidos numa das muitas gavetas do armário de casa, junto com o desconfiômetro.

A Veja BH da última semana do mês de outubro trouxe, como reportagem de capa, o “Manual do Belo-Horizontino Civilizado”, com uma série de indelicadezas e grosserias a serem evitadas em nome da boa convivência na cidade. Na lista, figuram atitudes como deixar de limpar a sujeira do cachorro e jogar lixo e bitucas de cigarro nas ruas.

Para a próxima edição, sugiro que se acrescente, ao topo do ranking das boas maneiras, o respeito à janela alheia. E desejo, com todas as forças, que o tal manual chegue ao conhecimento do vizinho-sem-noção, assim como aos ouvidos dos brigões-de-calçada.

Um pouco de vergonha na cara é sempre de bom tom. E não faz mal a ninguém.

Comentários

Leonardo disse…
O egoísmo. Sempre o egoísmo, querida. Não há espaço para senso de coletividade... escrever sobre isso é um ótimo passo para melhorar o problema. Parabéns!
Lud disse…
Sil, com toda a sua delicadeza e respeito pelas pessoas, vc tem mais do que autoridade para falar dessas coisas. Adorei! bjos!
Anônimo disse…
Realmente, bom senso é um artigo em extinção. Talvez até mesmo uma lenda. Costumo brincar que não acredito em coelhinho da páscoa e bom senso...
http://aquioualgumlugar.com/2012/07/11/eu-nao-acredito-em-coelhinho-da-pascoa-ou-em-bom-senso/
silvia tibo disse…
Pois é, irmão! Viver em condomínio é um teste de paciência, né? Escrever ajuda a acalmar rsrsrs.
Beijos!
silvia tibo disse…
Delícia receber sua visita aqui, Lud!
Beijos, querida! Obrigada!
silvia tibo disse…
Adorei seu blog, Juliana! Já salvei nos favoritos pra visitar sempre. Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …