Pular para o conteúdo principal

GENOCÍDIO >> Whisner Fraga

Naquela época morávamos, eu e meus dois irmãos, em Uberlândia. Muito tijucano debandava para aquela cidade, fosse para cursar uma universidade, fosse para trabalhar. Hoje não há necessidade dessa emigração, uma vez que Ituiutaba possui excelentes faculdades, particulares e públicas, e até mesmo um instituto federal. Acredito também que as oportunidades de emprego aumentaram com a chegada de novas empresas, o que garante ao cidadão a permanência em sua cidade.

Dividíamos uma casa no bairro Nossa Senhora Aparecida, perto do câmpus da Educação Física, da Universidade Federal de Uberlândia. Tínhamos um amigo, cujo nome não revelarei, mas que atende pelo apelido de "Peixinho", que tinha um Pet Shop na minha querida cidade natal. Penso que seja dono de tal estabelecimento até hoje, pois é um excelente negociante e gosta de bichos. Pois bem, este nosso amigo fazia compras em alguma cidade do estado de São Paulo e passava sempre em Uberlândia para nos visitar. Passava também porque os animais que trazia consigo precisavam descansar do estresse de uma longa viagem.

Ele costumava levar peixes artesanais para vender em sua loja, mas naquele dia aterrissou com um bando de hamsters. O bichinho estava na moda naquele tempo e não havia criança que não queria ter um em casa. Peixinho deixou as três gaiolas na sala e foi jantar com meu irmão mais velho. Meu irmão mais novo, o Weslei, trabalhava no setor de compensação de um banco, de modo que só voltava no final da noite, por volta das cinco da madrugada, de modo que nem desconfiava da presença do nosso amigo em casa.

Como é de hábito para pessoas normais, fomos dormir, eu, meu irmão mais velho e nosso amigo, antes da chegada do meu irmão mais novo. Nesse meio tempo, os hamsters que estavam em uma das três jaulas armaram uma rebelião e conseguiram abrir a porta da cadeia em que se encontravam. Mas ficaram ali em volta, não se deram ao trabalho de uma fuga maior: talvez sentissem medo desse mundo novo e preferissem a segurança do que já conheciam, mesmo que o que conhecessem não lhes agradasse muito.

Imaginem como chega em casa uma criatura após seis horas de trabalho noturno compensando cheques, um trabalho extremamente maçante. Imaginaram? Meu irmão mais novo, zumbi, abre o portão da garagem por volta das cinco e pouco da manhã, com seu fusca amarelo possante acordando toda a vizinhança e, quinze minutos mais tarde, já pode se dar ao luxo de estar na sala de nossa república.

O negócio é que a sala de nossa república estava tomada por um enxame de ramsters e nenhum de nós se deu ao trabalho de avisar o meu irmão mais novo da presença desses visitantes. Ou seja: o zumbi não entende nada do que está acontecendo e se desespera, achando que nosso habitat está sendo invadido por ratos. Ele se arma com uma vassoura e inicia a matança. Peixinho acorda do seu justo sono, talvez intuindo um enorme prejuízo para sua pequena receita, e sai gritando "pelamordedeus não faça isso com meus bichinhos, eu preciso deles, são meu ganha-pão". Mas àquela altura já era tarde.

Comentários

albir disse…
Whisner,
muito bom ler suas memórias.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …