Pular para o conteúdo principal

CALEM-ME, POR FAVOR! >> Albir José Inácio da Silva

- Sai daqui! O senhor sai daqui, agora! Tira esse homem daqui!


Foram esses gritos que nos deixaram paralisados, e levaram nosso chefe correndo à sala do diretor. O chefe voltou trazendo pelo braço um Domício em estado de choque. Ainda pudemos ver, na porta, o diretor vermelho, agitando os braços e dizendo coisas que não entendíamos – o gringo esquecia completamente a língua portuguesa quando nervoso.


Depois de água com açúcar, Domício foi melhorando numa cadeira e explicou como pôde o acontecido. O chefe complementou porque sabia dos antecedentes ao gabinete. Mais ou menos assim: por umas questões urgentes envolvendo família, cartórios e advogados, Domício precisava ir a Minas Gerais. Seria uma coisa rápida, viajaria naquela mesma noite e estaria de volta na noite seguinte. O chefe disse que não tinha poderes pra dispensá-lo, mas que ele falasse com o diretor, marcasse com a secretária, que o gringo era gente boa.


E lá foi Domício confiante e relaxado pra diretoria. A secretária o anunciou, e ele respondeu ao sorriso da autoridade com um boa tarde, emendando numa fala sem respiração. Enquanto falava o sorriso do outro se fechava, o semblante ia se avermelhando e as sobrancelhas ruivas se juntando:


- É o seguinte “Mister”, eu vim aqui dizer pro senhor que eu tenho um problema urgente pra resolver em Minas e por causa disso eu não posso vir amanhã. Se o senhor quiser pagar o dia, paga, se não quiser, não paga, que eu não vou nem ligar.


Seguiram-se os gritos que deram início a essa história.


Talvez por ser mais amigo de Domício, compreendi logo o significado de seu discurso suicida. A viagem era tão importante pra ele, envolvia tantas pessoas e dinheiro, que o salário de um dia de trabalho era irrelevante, não lhe faria falta. O que ele precisava era da dispensa, da concordância, para ficar bem com os chefes e com a empresa. Queria fazer tudo certinho, o coitado.


Levou muito tempo até que o chefe convencesse o diretor de que Domício era um bom homem, ótimo funcionário, embora pouco hábil com as palavras. Mas logrou êxito, como dizem os policiais, e o diretor voltou a sorrir, inclusive para Domício.


Numa reunião meio técnica, meio motivacional, o diretor falava da importância de se dizer a verdade, de se assumir as responsabilidades no momento mesmo em que as coisas acontecem porque mais cedo ou mais tarde os fatos se revelam. Quando menos se espera, as nuvens se desfazem e trombamos com a realidade. E para provar que falava muito bom português e conhecia as coisas do Brasil, o ianque citou uma notícia do dia anterior em que o jornal revelava a convicção de que Juscelino foi assassinado. “A morte aconteceu em mil novecentos e setenta e seis, há quase quarenta anos”, repetia, corado e espumante, “nada fica encoberto para sempre”.


- E digo mais: qualquer dia saberemos quem foi o assassino do ex-presidente. Portanto, repito, vamos assumir a responsabilidade por nossos atos. É melhor que ser descoberto depois como covarde.


Para encerrar, o diretor pergunta se alguém gostaria de dizer alguma coisa. Domício levanta-se, brandindo a cédula de identidade, olha para o diretor e para os colegas.


- Pois não, Sr. Domício, pode falar.


- Eu só queria dizer que em mil novecentos e setenta e seis eu nem era nascido.

Comentários

Zoraya disse…
Pobre chefe... meu lado sádico riu demais com a história

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …