Pular para o conteúdo principal

QUE PERDURE! >> Sílvia Tibo

Na semana em que o mundo parou para se despedir de Nelson Mandela, a crônica deste domingo não poderia deixar de fazer referência à causa por que ele lutou, tamanha a sua beleza e relevância.

Por diversas vezes já me peguei imaginando a razão pela qual, num dado momento da História, pessoas de pele branca passaram a se considerar superiores às de pele negra e, sob tal convicção, atribuíram-se o direito de instituir normas destinadas a restringir seus direitos, privando-lhes do acesso a serviços públicos como saúde e educação em condições idênticas às oferecidas à população branca.

Há pouco tempo, li a obra de Kathryn Stockett, que, em Português, recebeu o título de “A Resposta”. Meses depois, assisti ao filme “Histórias Cruzadas”, que teve origem no livro.

Para aqueles que, como eu, fazem parte de uma geração de adultos que não assistiu a grandes episódios de segregação racial, como os que se deram durante o regime do Apartheid, entre os anos de 1948 e 1994, a história narrada em “A Resposta” pode parecer mera ficção. Mas o fato é que, embora os personagens ali apresentados sejam fictícios, as cenas criadas pela autora, desenroladas nos idos de 1960, na cidade norte-americana de Jackson, estado do Mississipi, basearam-se em fatos reais, que marcaram uma época de racismo extremo nos Estados Unidos.

É repugnante imaginar que, em plena década de 60, há pouco mais de cinquenta anos, negros não podiam frequentar escolas, bibliotecas, hospitais e supermercados de brancos, única e exclusivamente em razão da cor da pele.

As coisas melhoraram, sim, desde então. Afinal, ao menos já não se editam leis segregacionistas, nem se admite a existência de políticas que promovam, abertamente, a separação racial. Ao contrário, atitudes dessa natureza foram alçadas à condição de crime e, ao menos sob o aspecto formal, são punidas como tal.

Mas não é preciso andar muito por aí para que se dê de cara, ainda hoje, com atitudes meio disfarçadas, mas não menos infundadas, de intolerância e desrespeito, deflagradas através de expressões pejorativas ou de olhares tortos de preconceito e desaprovação.

Para além dos aplausos e reverências prestados à figura de Nelson Mandela, meus votos são de que seu legado permaneça vivo, forte, latente, norteando o comportamento desta e das futuras gerações.  Que ele perdure no tempo, que se faça presente, tanto quanto se fizer toda e qualquer atitude de discriminação.

Comentários

albir disse…
Madiba extrapola as fronteiras da África do Sul e dá lições ao mundo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …