Pular para o conteúdo principal

ESTRANHAS CENAS DE NATAL >> Zoraya Cesar

CENA UM - Estava muito bem vestido, o senhor que entrou na Igreja logo cedo da manhã. A postura ereta, o andar ritmado e o modo de colocar as mãos poderiam levar a pensar que se tratava de um militar, e não estariam errados os que assim concluíssem. 

Aproveito o momento para avisar que este é um caso real, mas, como tudo na vida, acredite apenas se quiser. Não forçamos a nada, você sabe.

Pois bem, entrou, e a primeira impressão nem foi das melhores, a Igreja estava meio escura - ou ele, mais acostumado à luz natural, não estivesse enxergando direito; ou talvez a revolta pelo afastamento, depois de 30 anos como combatente de montanha do Exército também estivesse colaborando para a sua má vontade. Pode parecer bobagem, pois a aposentadoria é o destino dos que estão vivos –mas cada um sabe onde lhe aperta o sapato e não estamos aqui para julgar o nosso amigo, e sim contar o que lhe aconteceu.

Virou-se para ir embora e, nesse movimento, vislumbrou a delicada luz azul que brilhava no fundo da Igreja, quase perto do altar. A curiosidade o levou até o Presépio mais estranho e bonito que já vira.

Em vez de estábulo, o cenário era um quartel, pois todas as figuras masculinas usavam algum tipo de veste militar e carregavam instrumentos de música ou construção (claro que não havia armas, que idéia, a sua!). Encantado, ele chegou mais perto, atraído pela imagem de um dos pastores, o próprio São Judas Tadeu, padroeiro de sua unidade de combate, usando mochila, cajado e uniforme.

Se tudo aquilo não era estranho o suficiente, ele teve a nítida impressão de que as figuras conversavam entre si. A imagem de São Judas voltou-se para ele e cumprimentou-o com a cabeça.

Ele se assustou tanto que quase teve uma síncope; procurou os mecanismos, caixas de som, pilhas ou fios elétricos que explicassem o mistério, mas nada encontrou. Enlouqueci, concluiu. E deve ter concluído certo, pois, em vez de se sair correndo atrás de um psiquiatra – o que qualquer militar sensato faria - sentou-se, para apreciar o pequeno espetáculo que sua loucura proporcionava, aproveitando para conversar com São Judas Tadeu Montanhista.

Conversaram sobre a alegria de fazer resgates em montanhas, a tensão dos combates, a bênção de nunca ter matador outro ser humano e, por fim, ele, que chegara ali tão amargurado, agradeceu por ter sido montanhista uma vida inteira de serviço à pátria e à humanidade (talvez nós não entendamos esse sentimento, mas tenho certeza que militares, socorristas, médicos sem fronteiras, bombeiros entendem perfeitamente).

Agora, o final ainda mais inacreditável dessa história toda, mas se você veio até aqui, fique mais um pouco para saber o que aconteceu. Tão logo ele se levanta, recebe uma ligação do 11º Batalhão de Infantaria de Montanha, informando-o que o Exército vai montar um curso de combatentes de montanha na cidade e o Comando o queria como organizador e instrutor. Ele aceitava?

Deixou uma doação na caixa de ofertas de São Judas, prometendo voltar em breve, e saiu correndo, logo ele, uma pessoa tão contida.

O Velho Padre aproximou-se do Presépio. Que coisa, hein, São Judas, quase mata o coitado de susto. O Santo piscou para ele, hoje é um dia de alegria, não é? E o Menino achou engraçado...

CENA DOIS – Entrar, ela entrou, mas já se perguntando o que estava fazendo ali, desde quando rezar resolve alguma coisa? Envergonhada por ter cedido a um momento de fraqueza, só não saiu porque foi atraída por uma leve luz azul no canto da Igreja.

Era, como vocês já adivinharam, o mesmo Presépio que, algumas horas antes, encantara o militar. Na verdade, não exatamente o mesmo. Talvez o Velho Padre passasse o dia trocando as imagens, pois agora, em vez de um quartel, o cenário era o de um parque, repleto de representações femininas e infantis. 

Cansada e nervosa, a mulher sentou. Não quero essa criança, revelou, não planejada nem desejada, logo agora que recebi uma promoção, não tenho quem me ajude, meu salário não é lá essas coisas, o pai da criança não assumiria nada, enfim, não posso e não quero ter esse filho.

Por todos os anos de vida que lhe seguiram, ela juraria que vira a Mãe e o Menino se moverem em sua direção. Talvez o choque a tenha levado a ouvir Nossa Senhora confidenciar-lhe do susto que levara ao saber que teria um filho, ainda solteira, e naquela época!; do medo, da falta de recursos, da fuga, de todas as dificuldades, e que nunca, nem um momento sequer, ela cogitaria em fazer nada diferente se lhe fosse dada a oportunidade.

Santa Maria deve ter um grande poder de convencimento, pois o fato é que a mulher saiu da Igreja já com o nome da criança escolhido, enviando para a família mensagens de que teria uma novidade para contar na ceia de Natal.

O Velho Padre perguntou à Nossa Senhora se ela contara sobre todas as estripulias que o Menino aprontara quando pequeno, mas Nossa Senhora riu, e saiu correndo atrás de Jesus, que teimava em engatinhar para fora do Presépio.

CENA TRÊS – Durante todo aquele dia, as pessoas saíram da Igreja melhor do que entraram. O Velho Padre trabalhou tanto que a noite chegou sem que ele percebesse e, apesar da idade avançada, sentia-se como um jovem recém-ordenado.

Depois da última Missa fechou as portas da Igreja, e foi preparar a ceia, com a ajuda providencial de Santa Marta, pois ele era um pouco desajeitado. E agora, você, que sabe ser essa vida uma sucessão de fatos estranhos, não vai se surpreender ao ver o templo feericamente iluminado, os Santos andando de um lado para o outro, alvoroçados e felizes, Menino Jesus brincando com o gato preto que vivia na Igreja, enfim, uma festa só.

O Velho Padre, enquanto esperava mais alguns convidados, aproveitou para entabular uma profunda conversa com Santo Agostinho, sobre os prazeres da vida e sobre o fato de ser o Natal  uma festa muito estranha mesmo, na qual é o aniversariante quem dá os presentes.

Comentários

Ana Luzia disse…
ah, minha linda! milagres são aqueles que experimentamos todos os dias ao sair de casa, encontrarmos pessoas queridas e voltarmos sãos e salvos para as nossas famílias. milagre é recebermos amizades tão lindas de presente, conhecermos pessoas tão sensíveis, é termos a oportunidade de desfrutar de talentos tão lindos como o seu!

para cada um de nós há um presépio de luz azul a iluminar a vida, que você e todos aqueles que compartilham deste momento de alegria possam encontrar a luz que lhes ilumina um novo presente!

beijos enormes e um forte abraço,

Ana Luzia
Anônimo disse…
Queria ter sido convidado pra essa festa de Natal.
Erica disse…
Adorei! Tão fofas essas "historinhas"... dá até pena quando a gente vê que terminou a última "cena". Fica aquela sensação de "já acabou?"... rs Que em 2014 você continue inspiradíssima e encontre temas um pouco menos "homicidas" como essa crônica de Natal rsrs
Anônimo disse…
Quando as pessoa aprenderem a ver e ouvir com o coração tudo será como o Natal naquela igreja.
Aqueles já se tornaram videntes.
Essa crônica é assim, suave como deve ser o Natal!
Sonia Felisdorio
aretuza disse…
que fofices!!!!! ho ho ho!!!! adorei!
Anônimo disse…
Fiquei curioso. Que presépio será que eu veria?
Cecilia Radetic disse…
Querida, você nos surpreende e nos emociona!
Um belo presente de Natal para todos nós a sua crônica!
Ah! E antes de concluir, ADOREI o menino Jesus brincando com o gato preto. Pra derrubar qualquer preconceito!
Anônimo disse…
Adorei a frase final! Linda crônica! Beijos. Aglaê
r a c h e l disse…
Zô, eu tô precisando achar esse padre, pq o universo anda tentando me dizer coisas e eu não entendo. No caso ele parece ser bem objetivo com os seus visitantes, né? :D

Adorei!

Beijocas,
Ana González disse…
Aí, que eu desejei também ter estado nessa festa! Obrigada, zoraya, pela fantasia naftalina. Bjs
Clarisse disse…
Emocionei, Zô. Lindo, lindo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …