Pular para o conteúdo principal

AMIGOS COM BLUETOOTH >> Mariana Scherma

Eu nunca sei quando me tornei amiga dos meus amigos. Quando digo amiga, estou me referindo àquela relação de poder ligar a qualquer hora, de pedir um conselho sabendo que você vai ouvir a verdade (goste ou não do que vier) e, principalmente, de sacar o que ele está pensando só no olhar. Aliás, acho esse último item o mais importante numa amizade. É a intimidade que você não consegue forçar, precisa de um tempo de amizade pra existir. Amigos com Bluetooth, sabe?

Fico encanada de não saber quando meus amigos viraram tão essenciais na minha vida porque, oras, tenho bem poucos. Os “amigos” são vários, mas os amigos sem aspas que decifram meus pensamentos só pela covinha ou pelo olhar torto cabem na palma da mão, talvez uma mão especial com mais do que cinco dedos. E eu faço a eles a mesma pergunta sempre: você se lembra de quando a gente virou amigo pra valer? Nunca chegamos a nenhuma conclusão. A gente se lembra de quando se conheceu, de quando achou que seria amigo, mas não aquele momento “virei amiga de verdade do fulano”. Pensando melhor, talvez porque essa sacada não exista. É como aquela frase (sei lá quem é o autor, só sei que não sou eu) “a gente não faz amigos e, sim, reconhece-os”.

Esse momento de virar amigo de alguém acaba sendo abstrato. Pra mim, pode ser quando eu ouvi uma piada besta dele ou dela, que não fez ninguém rir, só eu e meu novo-reconhecido amigo. Já para o meu amigo, eu posso ter entrado pra sua lista seleta quando olhei nos olhos dele e prestei atenção em cada palavra da sua história. O fato é que a gente se vê amigo e pronto. O resto do tempo anterior à amizade vira uma sombra, no maior estilo “por que a gente não se conheceu antes?”.

E o mais legal nesse nível de amizade é que você vira íntima de uma pessoa com todos os “apesar de...” e não “por causa de...”. Meus amigos são-paulinos, palmeirenses e santistas gostam de mim mesmo com o meu lado corintiano fanático que, apesar de ser um baita defeito pra eles, é deixado em segundo plano e vira motivo de piada. E só sendo meu amigo MESMO pra eu relevar uma piada do Timão. Eu, hippie de alma, sou muita amiga de uma galera que precisa pensar na roupa bem antes de sair de casa e que sabe usar delineador e andar em cima do salto 10 com destreza. Amizade forte se constrói com as diferenças. Você entende, aceita, faz piada e fica ainda mais próximo. Se você perde o amigo depois da piada, não adianta: ele não era tão seu amigo assim, vai por mim.

A ideia dessa crônica nasceu depois de algumas cervejas num boteco com alguns dos meus amigos, na véspera das festas de fim de ano, época em que a gente acaba se reunindo mais e comemorando bem mais. Ainda bem que existem esses dias (beijo, Papai Noel!). Nunca entendo por que, na correria do ano, a gente deixa de se reunir ou prefere falar dos problemas a reviver as alegrias. Mas os amigos de verdade estão com você também na hora das reclamações. Quanta sorte a minha (e a sua) de ter amigos que aguentam o tranco da chatice diária! É por isso que prometo, em 2014, sentar mais vezes na mesa do boteco e falar de coisa boa com meus amigos queridos. Taí uma promessa que vou cumprir com gosto e dedicação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …