Pular para o conteúdo principal

MIA CÃO, MIA! >> Albir José Inácio da Silva

Meu nome é Nero e eu era cachorro. Resolvi ser só Nero depois que descobri que cachorro é xingamento. A dona daqui, por exemplo — eu ia dizer minha dona, mas não a considero mais assim — nas crises, chama marido e filho de cachorros. O marido retruca “cadela”, mas o filho engole em seco, que cachorro é tão ruim que não se pode chamar mãe de cachorra.

Ela agora chama o gato de filhinho. Ele dorme num moisés cheio de fitas e almofadas no canto da varanda onde eu antes ficava. Tive de me contentar com o outro lado, onde venta, chove e bate sol. É por isso que eu odeio gatos. Sou um cachorro raivoso mesmo sem hidrofobia. Apesar de sua cama especial, o bichano tem mania de se aquecer ao sol sobre o meu tapete. Não de maneira vigilante, assustada, pronto pra fugir. Não. Fica relaxado, confiante, sem medo. Não é um felino, é uma afronta.

Quando desisti de ser cachorro, fiquei ainda sendo cão por algum tempo. Achava sonoro e a dona não chamava ninguém de cão. Até que, numa conversa de gente, soube que cão é um dos muitos apelidos do diabo. Desisti de me reconhecer como espécie pra ser apenas indivíduo. Nero bastava.

Desisti também de ouvir as conversas dos humanos depois que, olhando pra mim, falaram sobre o Nero romano. Saí da sala.
.
Mas percebi que nem todos os designativos de espécies são ruins. Gato e suas flexões, por exemplo, são elogios: homem bonito, mulher bonita. Qual o problema com a minha espécie?

E é por isso também que odeio gatos. Ou melhor, é por isso que já odiava gatos antes mesmo de me saber alérgico. Descobri que era alérgico no dia em que a bola de pelos chegou no colo da dona. Comecei a espirrar tão logo a coisa peluda passou pela porta. Nunca mais meu nariz teve sossego, vou acabar perdendo o olfato.

Mas alergia é o menor dos meus problemas. A coisa sonsa conhece o meu temperamento. Sabe que não me controlo diante de uma provocação. Passa por bonzinho, sofredor e injustiçado. Com isso faz aumentarem os mimos e afagos que recebe e as execrações que me sobraram depois de sua chegada.

Quando ouve a chave na porta, a coisa possuída corre até minha água e vira o prato, arranha o meu focinho e foge. Disparo atrás dele que se encolhe no canto da parede. Bem a tempo de a dona nos encontrar: eu descontrolado, latindo, e ele chorando, acuado. É o diabo! Ela grita comigo, pega o chinelo e esfrega na minha cara, ameaça e chuta. Depois, põe a “entidade” no colo, beija, fala com voz de criança, dá comida e água fresca. Todo dia cumprimos o mesmo roteiro.

Eu, com sede depois do esforço e da humilhação, lambo a água entornada no chão, bem no estilo desenho animado. E durmo gemendo, num canto, para alcançar minha única alegria, que também se repete: sonhar com o gato sob minhas patas, já do avesso, com pelos do lado de dentro e tripas do lado de fora.

Comentários

silvia tibo disse…
Que bom que está de volta, Albir!
E com um excelente texto!
Abraço,
Silvia
Muito bom, Albir.
Seja bem-vindo de volta. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …