Pular para o conteúdo principal

PRESENÇA ILUSTRE >> Kika Coutinho

Sei que os leitores desse site já ouviram bastante a respeito do lançamento do livro Acaba não, mundo.

Alguns cronistas já descreveram lindamente o evento e eu estava resistindo à tentação. Mas, depois de largar o papel em branco rumo a outros fins, lembrei que não falaram do mais importante, do mais marcante, do mais iluminado: os bichinhos da luz. Sim, eles estavam lá. Não nos recepcionaram, os danados, trataram de se atrasar. Claro, pra fazer aquele suspense, demoraram um pouco a chegar. No entanto, quando chegaram vieram em peso. Toda a família, vizinhos, amigos, olha, tô pra dizer que eles convidaram-se uns aos outros mais até do que a gente. Devem ter posto na rede social dos bichinhos da luz, o facebook deles foi muito eficiente.

Talvez tenham pego carona uns com os outros, posso até vê-los passando na casa de cada um: “Vem, vamos, estamos atrasados, corre!”. E correram. Desviaram da chuva e seguiram a luz, como é digno de sua espécie.

Minha filha, pequenina e faceira, foi uma das primeiras a notar: “Olha mamãe, bichinhos!”, ela falou, os dedinhos apontados para o alto. “Tem poucos”, pensei, sem saber que no instante seguinte eles lotariam o lugar. "Fechem as portas!", eu quis pedir, com medo de uma superlotação... Mas a nuvem de bichinhos, dançando sobre nós, tinha certa beleza.

Os autores seguiam com seus autógrafos, papos e risadas, enquanto eram observados pela aglomeração que sobrevoava nossas cabeças. Entre uma frase e outra, alguém balançava as mãos no alto, tentando escapar deles. “Ai, caiu um na minha blusa”, dizia uma jovem sacudindo a camisa, procurando onde tinha ido o tarado. “Mas que assanhado!”, eu falei. “Aqui é um evento cultural, viu, se procuravam outra coisa, podem ir saindo...”, tentei avisá-los. Mas eles não erraram o caminho. Era lá mesmo que queriam ir. Garantir que o mundo não acabaria. Garantir que leriam cada autógrafo, cada parágrafo, cada palavra do belo livro sonhado pelo Eduardo, e realizado por todos.

Dizem que esses insetos têm vida curtíssima. Nascem, procriam e morrem, como fazemos nós, mas sem tantas intercorrências entre uma coisa e outra.

Pois um exércitos deles escolheu viver a sua breve vida ali, entre aqueles autores brilhantes, presença ilustríssima — com o perdão do trocadilho tosco.

Assim, sem deixar brecha, fazendo um belo trabalho em grupo, eles foram coadjuvantes daquela tarde chuvosa. Do lado de fora, estava nublado, cinza como só São Paulo sabe ser. Mas, lá dentro, a multidão encontrou a luz. Sim, caros leitores. Foi lindo, cheio de alegria e encanto, o evento. Mas, mais do que isso, foi uma tarde calorosa e iluminada. Os maiores especialistas no assunto podem atestar.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Valha-me... Aqueles bichinhos me lembraram do filme "Os Pássaros". Já pensou? Só faltavam bicar... :) Curioso é que do jeito que vieram, foram. Num rompante de luz... Beijo, bonita.
Ô mulher pra escrever bem! Deve ter nos dedos o pozinho das asas dos bichinhos de luz. Mais um belo registro dessa nossa noite insetamente iluminada. Como canta o primeiro interno do pátio, Fabiano dos Santos, "Tanajuras vêm anunciar, formigas de asas também. Mariposas vão dançar chuva para o meu bem.... a chuva vai fazer a gente se encontrar, vai fazer crescer meus olhos sobre você. A chuva vai nos acender".
Carla Dias disse…
Kika! Como assim? Ainda bem que você é gente boa e não se esquece das pessoas ou dos bichinhos da luz, porque, convenhamos, eles deram o maior show, assim como você ao escrever esta crônica. Beijo!
Kika,
Cada texto, cada palavra me faz ficar com uma dorzinha por não ter estado presente.
E seu texto me encheu ainda mais de vontade de voltar o tempo e estar lá.
todas as cronicas são maravilhosa, leio para aprender e ficar inspirado...
JARDIM PERFEITO

Dona Tereza, uma senhora muito vaidosa com tudo e dona de uma casa linda, com um belo jardim florido, e forrado de uma grama que mais parecia um tapete, tanto era sua perfeição, claro que os méritos eram todos para o Sr Claudio morador de rua que dona Tereza fazia questão de nem olhar em sua direção, ele quem cuidava do jardim e ela não sabia, pois a senhora vaidosa, até então nunca tinha visto o Sr Claudio em atividade em seu jardim, é que durante o dia ele mendigava e dormia na calçada em frente ao jardim. Para dona Tereza, o jardim era lindo porque Deus a abençoava com aquele pedacinho do céu em sua propriedade, pois ela se julgava uma pessoa boa de coração.
Como toda pessoa hipócrita, dona Tereza só se lembrava das coisas boas que fazia, mas as maldades que aprontava a descriminação, o preconceito, a soberba, a vaidade e o favorecimento a si próprios, ela nem se quer fazia um exame de consciência, para ver que de cada ato de bondade que ela fazia, em contrapartida fazia dois de maldade, e, quem mais sofria era o coitado do Sr Claudio, mas ele nem ligava, toda noite ele ia ao jardim de dona Tereza, aparava galhos secos, folhas mortas, cuidadosamente regava as plantas com a água que ele guardava em garrafas pet, recolhidas durante o dia em sua mendicância, recolhia folhas secas de sobre a grama, expurgava pragas nocivas as plantas, ele cuidava com tanto carinho daquele jardim como se fosse seu, fazia isso com muito cuidado e o máximo de silencia para não acordar a verdadeira dona, assim ele passava a noite inteira conversando com, rosas, bromélias, lírios, cravos, margaridas Adália, samambaias, palmeirinhas e com todas as plantas do pequeno paraíso.
A rotina do Sr Claudio era essa toda noite, assim que começava o movimento de pessoas. Ainda com o dia por nascer, ele saia do jardim, se despedia das plantas e tomava seu cantinho na calçada ali perto, pedia a quem passa, uma pessoa dava alguns trocados, outra dava biscoitos ou algum alimento e assim ele passava o seu dia e dona Tereza sempre admirando a perfeição do seu jardim e achava que eram os anjos quem o cultivava e o conservava exuberante e belo, mas não sabia que era um mendigo quem o conservava, com disposição e os cuidados de um anjo.
Mas em um inicio de madrugada, ainda longe de amanhecer o dia e começar o movimento de passantes, inesperadamente dona Tereza decide dar uma volta plena madrugada em seu jardim, para se recuperar de uma insônia, coitado do Sr Claudio, a megera deu o viu de cócoras sob a grama bem perto de uma muda de roas, mas quem disse que dona Tereza entendeu que ele estava replantando a mudinha, ela julgou que na posição que estava seu Claudio, ele estava defecando em seu jardim, e imediatamente telefonou para a policia, que prontamente levou seu Claudio, e nunca mais tiveram noticias no mendigo anjo.
Naquele mesmo dia dona Tereza começou uma inspeção em seu jardim, o que ela julgava praga para suas plantas ele tirava, então. Joaninhas, minhocas, casulos e lagartixas, ela tirou daquele ambiente, como se entendesse que esses elementos fossem danosos ao espaço botânico de sua residência, mas o que ela não sabia que tudo isso e mais os cuidados do mendigo indesejado é que defendia seu jardim e o tornava tão belo.
Em pouco tempo o jardim de dona Tereza perdera a beleza, o encanto, a grama cresceu, ficou repleta de folhas e galhos secos, as plantas brotavam desordenadamente, insetos, pulgões e pragas infestaram o seu paraíso, aquilo que era tão belo, e alvo de admiração de quem passava pela calçada, parecia ter desaparecido em tão pouco tempo.
Então dona Tereza se perguntava, que mau ela teria feito a DEUS, pois os anjos haviam abandonado seu jardim.
Pois é, às vezes nós tiramos de nossas vidas algo de aspecto desagradável, mas que é crucial para nossa sobrevivência, julgamos estar fazendo as coisas certas e expulsamos de nossa vida, aquilo que era mais belo.


Autor: Jose Venuto
www.venutoimpactodp.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …