Pular para o conteúdo principal

CRÔNICA UP DATE [Débora Böttcher]

Essa é uma crônica escrita no domingo, 09/10/2011, mas publicada em seu dia usual - o sábado.

Não, não estou a enganar o tempo com uma mágica excepcional; tal ocorrência só é possível por causa da tecnologia virtual, onde se pode ir e voltar nas horas sem prejuízo da cadência natural.

É que ontem, no tempo de fato, eu não poderia escrever sobre uma experiência que ainda não tinha sido vivida. Tentei. Comecei a escrever o texto anunciando o lançamento em São Paulo do livro 'Acaba Não, Mundo' que, como vocês sabem, é a coletânea de crônicas publicadas neste espaço.

Era um evento novo para mim. Diferentemente de muitos dos autores, que já publicaram um ou vários livros, a experiência me era inédita e surpreendente, pois nunca pensei, com seriedade, em lançar um livro ou mesmo fazer parte de um. E eu ia estar lá, de cara com um livro impresso, meu nome entre os de tantos que admiro. Isso só foi possível por conta da imensa generosidade de Eduardo (Loureiro Jr.), que me deu a 'oportunidade da inclusão' num espaço que abriga gente tão especial e talentosa.

Assim, não havia como escrever sobre isso senão na volta. De outra forma, seria uma sensação inventada, já que na vida real, bem sabemos, não é possível, mesmo que se queira e ardentemente se tente, espiar o futuro pelas brechas.

Além disso, nem minha melhor imaginação e expectativa poderiam adivinhar o momento com toda sua carga de alegria, medo e emoção que se sucedeu. É que sou uma pessoa tímida e a idéia de autografar um livro me deixou um tanto apreensiva.

Também fiquei ansiosa com a possibilidade tão real e palpável de conhecer os demais escritores que aqui escrevem (quinze estavam na terra da garoa, que, naturalmente, recepcionou a todos com uma chuvarada!), gente que admiro e gosto de um jeito muito especial, muitos sem nunca ter visto, muitas vezes sem sequer ter trocado uma palavra - caso, por exemplo, de Wishner Fraga e Edu Prearo. Também estavam lá Maria Rita, que convive comigo no espaço/lista Artemis, e Fernanda Pinho, com quem interajo também em divertidas minimensagens no Facebook, acompanhando seus dias tumultuados que ela consegue transformar em tiradas divertidas, que me arrancam gargalhadas na frente da tela. Como seria possível escrever sobre isso tudo antes de acontecer? Não era viável também falar sobre coisas que eu não imaginava, como a surpresa de encontrar Anna Christina Saeta de Aguiar, que sempre me envolve com sua escrita ora densa, ora divertida e delicada. E como prever uma conversa leve e alegre com Alexandre Havt Bindá, sem saber que ele era ELE, o irmão de Andréa Havt Bindá, a autora a quem o livro é dedicado, num texto tão profundo e expressivo...

Como descrever, antes, o momento de finalmente estar de frente com Carla Dias, que conheci primeiramente através da poesia há tanto tempo que nem me lembro, e com quem falei por telefone uma única vez há treze anos, na tentativa, na ocasião, de combinar um encontro que nunca ocorreu. E ela estava lá, bela e querida, meiga e amorosa como só ela pode ser, e me presenteou com um abraço tão aconchegante quanto atrasado por tanto tempo... Indescritível, ainda agora, narrar o que senti...

E como seria possível falar antecipadamente sobre a imensa felicidade de rever amigos antigos? Claudia Letti, Carla Cintia Conteiro, Eduardo Loureiro, Ana Gonzalez (essa, uma presença mais constante fisicamente pra mim e que é sempre bom encontrar), Kika Coutinho, Mariana Monici, pessoas que gosto tanto - e mais -, mas que por conta do dia-a-dia corrido - esse, que está sempre a nos engolir com urgências nem sempre relevantes - vejo tão pouco.

Impossível também imaginar as inúmeras pessoas desconhecidas, familiares e leitores virtuais que lá estiveram para nos prestigiar. Foi uma tarde tão especial que cravou na memória um botton - feito o que Maurício Cintrão (tão querido!) nos brindou. Coração, corpo e alma ficaram carimbados por esse dia único que Eduardo, com sua garra, persistência e coragem, nos proporcionou. O sonho que ele sonhou primeiro, se transformou numa realidade ímpar para todos nós.

Eu me sinto privilegiada e agradecida. Quando a gente menos espera, constata que a vida está sempre pronta a nos surpreender. Acontecimentos assim são os que tornam nossa travessia no Mundo - que, esperamos, não acabe! - um milagre cotidiano...

Comentários

Débora,parabéns a todos vocês que ousaram sonhar um sonho real!
Uma pequena cirurgia de imprevisto fez com que eu adiasse meu sonho de estar junto de vocês, a quem admiro tanto.
Teria sido algo emocionante,uma emoção a mais nesses anos em que vocês me proporcionaram muias delas.
Bjs
Debora, que belo registro de uma tarde/noite tão feliz!
Marisa, seus livros estavam lá esperando por você. Senti sua falta e ainda cultivo a esperança de vê-la (quem sabe, no Rio).
Debora Bottcher disse…
Marisa, Teria sido uma alegria imensa te conhecer... Pena a ocorrência de saúde. Espero que não tenha sido nada grave e que vc se recupere logo. Beijo pra vc.

Eduardo, sem palavras... Obrigada por tudo. Beijo enorme.
Analu disse…
Delícia Dé! Fico feliz em saber desses encontros, dessas trocas novas, antigas e as que serão perenes! Um beijo carinhoso e a esperança que um dia vc realmente pense em publicar um livro com seus singelos e belos escritos.
beijos de fã!
Anônimo disse…
De
Que delicia de texto. Tao bom qto a tarde de ontem....
Adoramos ver vcs! Bjs
Kika
Débora, o texto é tão leve e gostoso que quando cheguei ao fim, perguntei: mas não vamos conversar mais sobre sábado?
Um sábado de fantasia, alegria e brilho, sim. Muito purpurinado :D
Daqueles sábados que duram mais ou menos até o outro sábado, porque fazem a gente passar a semana feliz e sorridente, ainda com as sensações boa pregadas na memória.
Bora pro Rio?
Beijos
Chris

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …