Pular para o conteúdo principal

A DEDICATÓRIA >> Maurício Cintrão

Para mim, é o momento mais difícil, sempre. Você até pode achar engraçado, mas não é. Estar ali sentado (ou em pé) e cravar algumas palavras agradecidas ao leitor é mais difícil do que escrever o que está no livro. Compreenda, posso ter levado dias para escrever o que foi publicado. A dedicatória não. É instantânea, curta e grossa. Tem que ser resolvida ali.

Vou contar um segredo: eu já errei meu próprio autógrafo. Isso não é mentira. Fui assinar meu clássico “Cintrão” e a mão enroscou no meio. Não saiu nada parecido com meu nome. Não sei se alivia, mas já errei a assinatura no cheque. Assim, não se trata de uma resistência ao marketing pessoal, é leseira mesmo. Imagine, então, escrever palavras coerentes, grafadas corretamente e com um mínimo de humor e/ou lirismo...

E o problema é ainda mais sério em se tratando de um lançamento, quando as pessoas tendem a acreditar que você vai lembrar delas. Há conhecidos que reaparecem depois de anos e olham para você como se as tivesse encontrado ontem. Esse é um problema grave. Às vezes, reconheço o rosto, mas não lembro o nome. Em outras, lembro o nome, mas não lembro a história com aquela pessoa. Em algumas, olho o nome escrito no papelzinho, olho a pessoa, e me sinto em um supermercado com prateleiras vazias. Em eventuais lampejos de genialidade, encontro a frase certa, educada e gentil, que salva qualquer possível grosseria da falta de memória. No geral, entretanto, não funciona assim.

A dedicatória deveria ser simples e fácil, mas não é. São poucas palavras pessoais e intransferíveis que representam uma tortura. Sofrimento que pode ser maior ou menor dependendo da estrutura da cerimônia de autógrafos. Há locais já preparados para eventos dessa natureza, com pessoas experimentadas. Então o livro já chega ao autor com um papelzinho amigo para lembrar o nome de quem vai ganhar o chamego escrito. Isso ajuda demais.

Mas tem aqueles casos, diversos casos, em que o conhecido ou amigo do conhecido chega com o livro sem identificação. Pior: chega certo de que você vai lembrar de nome,  apelido, acontecimentos e causos passados e, num repente, criar as três ou quatro linhas mais bem escritas da sua carreira. Amigos, naquele momento de muvuca,  de estresse por conta de um evento em que você é o alvo (ou um dos alvos), com gente puxando conversa, garçons oferecendo drinques e a cabeça fazendo zum-zum-zum, não há como ser criativo.

Já tentei de tudo. Pensar umas frases bem bacanas, decorá-las e sapecá-las como carimbadas pelos livros. Fracasso; soam falsas. Já busquei o improviso total, megaperformático, com frases repentinas e aleatórias que deveriam levar a algum lugar, mas não levam. Experimentei palavras-chaves, expressões do momento da conversa... não, nada disso funciona.  E parece que alguns leitores sabem disso, porque já chegam dizendo: não vale só escrever  “com carinho”, porque eu mereço mais!  Merece, não tenho dúvida disso, mas eu não consigo.

Não sei como funciona com meus amigos escritores. Gostaria muito de saber. De repente, o problema é só meu e eu que resolva essas pendências com o mercado editorial fazendo algum curso de postura e expressão. Já me disseram para treinar, porque a dedicatória é feito pênalti; é feio errar. Com treino ou sem treino, prefiro alimentar a suspeita de que, lá no fundo, todo escritor é assim. É que uns disfarçam melhor do que os outros. Vai saber...

Comentários

Cintrão, a gente sofre (autografando), mas a gente(a partir de agora, com a sua crônica) também se diverte. :)
Zoraya Cesar disse…
Oi Maurício! Ri muito dos seus dissabores autográficos. Desculpe a maldade, mas espero que você continue assim e depois conte alguns casos específicos. E nao se preocupe, muita gente veio do mesmo planeta dos desconectados.
TIO BETO disse…
É mano... pior que dar autografo é não ter que dar autografo!!! Vai firme que teu processo-aprendizagem de autografo vai bem obrigado!!! abraços
Tio Beto
Mau, pra mim nem precisa escrever nada, é só fazer a carinha :P Beijo
Carla Dias disse…
Maurício, cheguei à conclusão de que dedicatória em dia de lançamento de livro é igual ao jazz, um universo respirando improvisos. Você não é o único a se perceber dessa forma, mas quando nos damos conta de que a música é boa, vamos apenas curti-la, com memória curta ou lembrança da boa, com 4 ou 20 linhas de "obrigada por me ler". Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …