quarta-feira, 5 de outubro de 2011

CANÇÕES DE AMOR >> Carla Dias >>

Ela diz que compõe quadrinhos imaginários, depois canta não apenas as palavras, mas também os desenhos, e os seus contornos, o dentro deles. Também já disse que é de cinema, porque faz cena com pouco, sem necessidade de locações específicas, “na rua, na chuva, na fazenda”, não importa, “ou numa casinha de sapê”.

Vê o sorriso? É disfarce para o coração partido... E coração partido é capaz de parir canções de amor dignas tanto das rodas de violão quanto das paradas de sucesso. Mas antes de se jogar à inspiração, alinhar notas, cavoucar melodia, pautar suspiros, ela se senta na sala, luzes apagadas, olhos fechados, e faz uma viagem interior, das que duram quanto têm de durar, nem mais, nem menos.

Desta vez ela retornou já é noite, o coração acelerado, feito tamborins de escola de samba. Descobriu, ao abrir os olhos, o vazio do teto. Quer escrever um verso nele, com a língua, porque assim ele poderá cantar as palavras para aplacar seus dias de solidão escandalosa.

Vaga pela casa feito um fantasma, observando os pés em seus passos, contando até dez mil e tantas centenas para desviar da alegoria dos sentimentos. Houve quem lhe dissesse que compor canções de amor era tarefa para tolos, para os que aceitam ser enganados pela sensação de prazer que há em se dizer “eu amo, fazer?” E enquanto o alguém acreditava ofendê-la renegando a sua fé na honestidade do sentir, ela percebeu que havia também quem escrevesse pedidos de amor, quase mudos, escondidos, disfarçados. Quem deseja o abraço, mas não sabe recebê-lo.

Ela gosta das madrugadas, porque elas são inspiradoras. Canções de amor sobre quem está em vigília, esperando que o filho chegue da rua para vê-lo bem, quiçá, feliz. E sobre aqueles que nem mesmo conhecemos, mas que se doam à tarefa de nos ajudar em momentos difíceis. O amor de quem ensina e de quem recebe, de bom grado, o ensinamento. A canção de amor dos filhos, dos pais, dos amantes, dos amigos.

Ela diz que compõe canções de amor enquanto lava roupas, espera o trem, caminha pelas ruas da cidade. Enquanto conquista realizações e também aceita as perdas, lida com consequências, chora por desespero ou alegria. Canções de amor dignas de serem tocadas nos botecos ou nos mais requintados clubes de música.

Canções nas quais o amor se permite, sem censura, acontecer.



carladias.com



Partilhar

Nenhum comentário: