Pular para o conteúdo principal

PEQUENOS GRANDES AMORES
>> Fernanda Pinho

Mariana se parece comigo quando eu era bebê. Bebezão, na verdade. Eu e ela. Um aninho, com tamanho de três. É um bebê no aumentativo. Não apenas pelo olhão e o pernão herdados da prima, mas, principalmente, pelo sorrisão. Nunca vi Mariana chorar. Sequer vi Mariana com a carinha fechada. É sempre um sorriso largo, revelando seus charmosos dentinhos separados. Quando eu pensei que não teria mais primos, veio essa boneca. Porque ela é uma boneca, se veste como boneca (ok, a mãe a veste como boneca) e sempre leva a tiracolo uma bolsinha cor-de-rosa guardando seus tesourinhos: brinquedos e adereços capilares.
A carinha branca-transparente do Bernardo revela que ele está sempre prestes a aprontar algo. E está mesmo. Bagunceiro, inquieto, cheio de histórias. Gosta de bichinhos. Principalmente do "peixino". Dos "passarinos", ele tem um pouco de medo. Adora colorir e usar as minhas botas. Já aprendi que não devo ir visitá-lo de botas ou serei obrigada a ficar descalça enquanto ele corre pela casa se equilibrando no calçado gigante para suas perninhas. Às vezes tenho vontade de roubar o Bernardo. Eu e minha irmã já planejamos o sequestro. O problema é que sentiriam faltam dele já nos primeiros segundos (sua pequenina presença faz muita diferença) e seríamos as primeiras suspeitas.
Sabe aquelas crianças que fazem várias gracinhas na frente dos pais, mas se intimidam diante dos outros? Isadora não é uma delas. Nada e ninguém intimida Isadora. Nasceu com a vocação de ser atração principal e tem vários números para apresentar. São muitos talentos descobertos ao longo desses quase três anos de vida. Canta, dança, dubla, imita personagens da televisão e pessoas da família. Tudo naturalmente. Sem que seja necessária qualquer insistência, lá está ela a chacoalhar seus lindos cachos. Agora, aguarda com ansiedade a chegada do irmãozinho Miguel.   
Dudu me liga quase todos os dias. Meu telefone é o único que ele sabe de cor. Afinal de contas, eu sou sua melhor amiga. E melhores amigos precisam se falar quase todos os dias. E a gente conversa sobre desenhos, dinossauros e skate. Ele me conta como foi seu dia na escola e depois pergunta como foi o meu. E sempre que eu digo que já não estudo mais, ele cai na gargalhada, achando que é uma grande piada. Se somos melhores amigos, é provável que eu também tenha seis anos. Acho que esse é o pensamento dele, pois fica indignado se me vê tomando cerveja ou — ai, ai, ai — namorando. Vocês não têm ideia de quanta discussão isso já rendeu. Ele fica bravo de verdade, mas depois volta atrás e faz a pergunta de derreter até os corações mais inóspitos: "Nós ainda somos amigos?". Claro que somos, Dudu. Sempre seremos.
Maria é uma princesa. Embora, às vezes, ela insista que a princesa sou eu. Escreveu um livrinho especialmente para mim, com ilustrações e tudo. O nome da história? A Princesa Nanda. Maria adora escrever — tem sete anos e já escreve há três — e, principalmente, adora partilhar seus escritos comigo. Também gosta de ler e isso me enche de orgulho. É criativa, doce e carinhosa. Quando chego em sua casa, tem sempre um abraço gostoso. E, pra me agradar ainda mais, procura em seu armário alguma coisa que se pareça com o que eu estou vestida e troca de roupa na hora. E vem, toda fofa, com aquele sorriso com covinhas, desfilar para mim. E ainda diz que a princesa sou eu.
E, além deles, tem outros também. Outros que eu já não ousaria mencionar num texto sobre crianças ou seria obrigada a me retificar publicamente. São pré-adolescentes, já avisaram cheios de marra. Mas, assim como Mariana, Bê, Isa, Dudu e Maria também fazem parte desse departamento da minha vida onde só existe espaço pra risada, abraço gostoso, olhar verdadeiro e amor puro. Não por um acaso, é o departamento da minha vida que eu mais gosto.

Comentários

Não dá nem pra competir com um departamento assim tão VIP! Imagino que o seu dia das crianças aconteça todos os dias :)
Esse "departamento" deveria se tranformar na "loja" inteira. :)
Paula irmã disse…
AMEEEEEEEEEEEEEEEEI ESTA CRÔNICA!!!
Sei bem cada detalhezinho que vc descreveu desses nossos amores...
Vc só esqueceu de explicar que o Dudu não apenas é seu melhor amigo, como te ama como um namoradinho... ♥
Bjooos
Fernanda,
Que bom que existe uma menina dentro de você. Isso é suficiente para que a vida te sorria sempre.
Carla Dias disse…
Fernanda... É uma delícia viver num universo destes! Há tanta brincadeira e, principalmente, afeto verdadeiro. Lindeza de crônica para fofas pessoinhas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …