Pular para o conteúdo principal

(falta de) TEMPO -- Paula Pimenta

“Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não pára...”

(Cazuza)



Dois de novembro de 1999. Lembro perfeitamente deste dia. Eu estava voltando de Ouro Preto com um amigo, nós passamos em frente a um shopping, ele olhou, viu o shopping todo enfeitado de luzinhas de Natal e falou: "Natal, já? Tenho medo dessas coisas.”

E todo ano, quando começam a aparecer as tais luzinhas, cada vez mais cedo, eu penso que isso realmente dá muito medo. Não que eu não goste de Natal, muito pelo contrário, eu adoro. O que me assusta é a velocidade cada vez maior com que os meses passam. O Natal do ano passado foi antes de ontem! Só que mal passou o dia das crianças (deste ano), lá estavam as luzes me lembrando que antes de ontem já passou faz séculos, eu é que não vi, estava muito ocupada tentando correr na mesma velocidade do tempo.

Lembro que quando eu era pequena, os anos custavam a passar. Eu era louca pro Natal chegar bem rápido, mas o ano durava uma eternidade. Meu aniversário então... eu ficava com a mesma idade uma vida inteira, agora, mal passou a festa e já vem outro e outro e outro e estou vendo a hora em que vão me matricular em um clube de terceira idade.

O que assusta é que isso não é só impressão minha. Todos os dias escuto alguém comentar que já é novembro, que o ano voou... É como se já acordássemos atrasados e fôssemos dormir preocupados porque o dia não foi suficiente pra fazer tudo. Como explicar tal fenômeno se o relógio mostra direitinho os minutos passando, o calendário exibe dia por dia, e as horas continuam do mesmo tamanho dos outros anos?

Acho que a culpa dessa sensação é do volume de tarefas que nos incumbimos e da diversidade de opções que temos hoje em dia. Antigamente, as pessoas estudavam, se formavam, trabalhavam e pronto. Ficavam naquele trabalho pela vida toda, com o resto do tempo pra preencher com o que quisessem. Agora, mal formamos e vem a pós, o mestrado, o concurso, o emprego de três turnos... E no fim de semana ninguém mais fica em casa curtindo a família, já que tem o bar, a boate, a festa, o jogo de futebol, o show, o cinema... Quando aparece um minuto sem nada pra fazer, já ficamos desesperados pensando que estamos perdendo tempo e tratamos de arrumar um jeito nos ocupar. Imagino que por isso venha essa sensação dos dias correrem, na verdade somos nós que corremos e não ficamos um minuto de papo pro ar, observando o tempo passar.

Eu precisava de um ano de férias só pra colocar minha vida em ordem. Essa correria é ainda pior pra alguém ansiosa como eu, que planeja cada passo com 15 dias de antecedência. Tem tanta coisa que eu tenho que fazer e quando percebo já é hora de dormir, fica pra amanhã, e o amanhã já tem suas próprias demandas e acaba que as coisas vão sendo deixadas pro ano de 2054.

Preciso desesperadamente arrumar meu quarto; jogar muita coisa fora; tirar tudo do armário pra ver o que eu posso doar; terminar a apostila dos meus alunos que está há meses parada; fazer mais ginástica; estudar outras línguas; escrever a continuação do meu livro (aliás, não deu tempo ainda nem de divulgar o meu livro por aqui); terminar e promover o site do livro; terminar a música que eu comecei a fazer pro meu namorado antes do dia dos namorados e acabou ficando pro dia que der tempo dela ficar pronta; dar um banho no meu cachorro que mal acaba de tomar um, já precisa de outro; arrumar mais bares pra tocar; passar mais tempo com o meu pai; ligar mais pra minha madrinha; sair mais com as minhas amigas; ir ao cinema ver os filmes que já estão saindo de cartaz... Eu realmente precisava fazer tudo isso antes do Natal chegar. Mas pelo visto, vai ficar tudo pro Natal do ano que vem.

Dentre todos esses afazeres, tinha um que todas as terças-feiras me cutucava e pelo menos hoje eu dei conta de fazer: parar o tempo um pouquinho pra escrever a crônica do dia.

Menos um pra minha listinha.

Comentários

Ana Coutinho disse…
Não é por nada, ams, se você fizer uma eleição, voto que a crônica do dia seja o item prioridade 1. Deixa pra amanhã todo o resto...
:)
bjs
Ana
Pois acho que você fez muito bem em parar tudo e escrever a crônica. Aliás, escrevendo bem assim, deveria deixar o resto pra uns Natais a perder de vista e escrever mais alguns textos para os leitores daqui. :)
"A voz do povo é a voz de Deus." :) Bem-vinda de volta, Paula!
janyr menezes disse…
Parabéns Paula. Mais uma vez você faz eco as nossas inquietações.
Continue sendo esta menina que aprendemos a amar.
Beijinhos,
Janyr Menezes (INF 50).
Carla Dias disse…
Paula... Estes temas são recorrentes e para todos, não? Tempo e ticar lista : )
Gostei muito da crônica!
C Letti disse…
Que bom que você encontrou um bom tempo no meio das luzes -- elas me assustaram esta semana também.
Gosto imenso de uma frase do Montherland que diz assim:

"É preciso sempre adiar tudo para o dia seguinte."

beijo grande!
Ângela disse…
Olha, Paula, tenho lido suas crônicas, algumas vezes, quando tenho tempo (rs..) e sempre me identifico com elas... Sou professora e meus alunos do 3o. ano do Ensino Médio têm se identificado com o que você escreve,também, desde a primeira vez que levei uma crônica sua para a sala de aula. Parabéns! Arrume sempre um tempinho para escrever suas crônicas, elas nos fazem muito bem!!
Ângela (Professora de Português e Literatura em Belo Horizonte).

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …