Pular para o conteúdo principal

"Os Compreendidos" >> Leonardo Marona

Quero dizer agora que não quero. Não quero mais. Não mais dizer que não sei de mais nada e tenho medo. Não quero que me dêem nada, que me dêem referência. Nada de ninguém se pode esperar porque a esperança é a face obscura do otimismo – outra é dar cabo da vida e para falar sobre isso seria melhor não fazer. A literatura do sim afinal só serve para juntar dinheiro e espelhos estrábicos. Aqui ela não servirá. O mais justo é tratar de amedrontar o ser humano pelas suas próprias leis e, amedrontado, retirar-lhe o sumo do sacrifício paganizado, provar-lhe a humanidade.

Exige-se para isso o despojamento do cinismo e uma boa dose alcoólica, mas nem todos têm estômago. Nem bem abri o parágrafo, ainda há tempo de parar. Mas o passo adiante é o que mantém intacto o absurdo, que rege a vida sobre a Terra. E essa é minha única referência. Que viver é seguir o absurdo até a carne. Que amar não é nada além de ter muito medo e querer alguém que nos ampare, que sacie todo o perdão avulso, alguém que se corte no nosso lugar. Amar é esperar o anticristo.

Não amar, eis o que sobra à bondade cristalina. Além de quebrar-se em passos imprecisos pelas ruelas imperdoáveis do passado, porque somos todos, mais tempo, menos tempo, feitos de passados imperdoáveis.

Não amar e esperar que tudo possa acontecer – ainda mais, ter uma noção aproximada de uma gama de causas e conseqüências, apenas para se instalar no meio delas, se entranhar delas, nutrir pequenas mentiras pelo bem da causa pública. Assim fazem os sem estômago. Assim farão os poéticos sem olhos.

Aos que vomitam, aos que ainda sentem engulhos, calar-se, olhar-se no espelho, balançar a cabeça em pêndulo, constatar o fato: o mundo passou por vocês. Não passam de petróleo, camada mineral, estatísticas encomendadas, vocês que se sentam ouvindo blues e martelando as teclas de uma máquina de escrever qualquer, que rasteja assim como vocês, a máquina, e bate forte e devagar, como um coração precipitado.

Pena de todos vocês amantes constantes, pobres figuras descabeladas no centro do inverno serão vocês, perdidos nas ruas com bons poemas nos bolsos – mas quem os lerá? Essas jaquetas, esses coturnos surrados – ah não vista essa mortalha! – ou vista pela última vez.

Por onde desaparecem na junção da noite? O que, desgraçados, desajeitados, existe ainda para fazer outra vez sorrir? Apesar do castigo da morte constante, ó sensíveis que deixais usar “ó sensíveis” nas frases! O que aconteceu com aquela impetuosidade selvagem, com toda aquela associação de idéias? Para onde a boca alheia em elogios inúteis, o que foi feito da velha bandana em volta do pescoço?

Ah não mais vemos vocês nas motos caindo aos pedaços, seus pedaços caindo delas, levando vento na cara, soprando a canção futura. Foram-se os moinhos multiplicados, partiram os últimos navios, no campo verde, os corvos. Aprendemos finalmente a amar, essa palavra pegajosa. Não precisamos mais dos arroubos, dos sapateados na chuva, já escolhemos o nome para a futura geração. Seremos “Os Compreendidos”, seremos os das doze peles, os que agem para não morrerem e se adaptam às paredes.

Amar é aceitar que as pessoas não são assim tão admiráveis. Somos os ladrões sorridentes. Por isso amar é o que há de mais humano, aprendemos essa aula: amar é um roubo. Pois se abdica deliberadamente do ideal e mergulha-se na tragédia inevitável da pele. Fora daqui com essa flechas em chamas, retirem os precipícios, os frascos envenenados, os sonetos de exatidão métrica. Os olhos furados, as costas açoitadas não nos deixam mentir. O problema maior é essa tristeza mais leve, que fica feito carrapato, e é a própria constatação da vida. E sempre sobrará algo, um resto úmido de qualquer coisa contínua, ao caçador de constantinoplas.

Comentários

Anônimo disse…
Prezado Leonardo Marona, tenho acompanhado o que escreve, e só posso dizer que concordando ou não, tens ritmo, melodia.
leonardo marona disse…
prezado anônimo, sei que não é necessário, mas revele-se, em nome da carência e da curiosidade.

grato pela leitura. um abraço do leo.
É, Anônimo, foi isso mesmo que eu disse dia desses para o Léo, e ia repetir: mas você se antecipou. :)
Carla Dias disse…
Boa de se ler essa sua crueza... E fiquei aqui pensando comigo: por isso amar é só para quem tem coragem. Porque é necessário, constantemente, tomar cuidado para não se perder nessa candura falseada que cerca o amor. Ainda assim, sou partidária, porque acho que amar é coisa boa de se fazer, assim, sem perder os coturnos, sem filtrar os olhares. Na crueza que você tanto presa.
Joana Doe disse…
Lendo sua crônica, só posso gritar: vamos amar, viver. A vida, ah....a vida!
Anônimo disse…
Amar... num seria deixar passar desapercebidos os gurgulhos q nus deixa frageis e volneráveias a ser adimirados ou ñ...!!!!!! por isso ñ é só necessariamente aceitar e sim amar primeiro .+valeu=abraço
Marcela disse…
leo ao comentario :amar num seria
...
foi eu ñ qeria deixar como anonimo!
Leonardo, acho que sou repetitiva nos comentários que faço aos seus textos, mas você tem uma capacidade impressionante de mergulhar no submundo humano. Isso é para poucos!
leonardo marona disse…
Nossa, acho que é meu recorde de comentários por aqui. Por isso, serei carinhoso. Marcela: bem-me-quer / mal-me-quer - não lhe parece uma síntese da vida?

Prof. Marisa: estava sentido falta dos teus doces comentários, por mais que me sinta supervalorizado, sinto falta.

Joana Doe: que belo nome, vc é detetive? vamos juntos, me dê a mão.

beijos a todos.

leo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …