segunda-feira, 3 de novembro de 2008

DRAMA COTIDIANO
< Ana Coutinho e Eduardo Loureiro Jr. >

— Vai mesmo furar a fila?

— Você sempre fez isso...

— Como sempre se nem me conhece?

— Sempre agora há pouco. Vi você furar e tô copiando.

— Então faz bem. Estou mesmo querendo ver as suas costas.

— Quer ver o que nas minhas costas?

— Dá pra conhecer uma mulher pelas costas dela. Entre aí.

— E de frente? Não dá pra conhecer, não?

— Eu não queria ser invasivo em nosso primeiro encontro. Mas também dá pra conhecer uma mulher pelos seios.

— Machista! Bem que eu desconfiei.

— Mulheres que eriçam rapidamente o bico dos seios têm tendência à agressividade verbal.

— Vê -se que você não sabe nada de mulher, por isso está aqui, sozinho, numa fila de cinema.

— Eu não estou sozinho. Eu estava esperando por você.

— Então está sozinho, porque eu não estou e nem estarei com você.

— Você vai gostar do filme. Mulheres que têm uma pinta um pouco acima de um dos seios gostam de histórias dramáticas.

— De drama, já basta a minha vida.

— Eu sei, querida. Mas na base dos seus seios estão as respostas para os seus dramas.

— Na base dos meus seios? Essa é boa. Tenho coisas muito mais interessantes do que um par de peitos. Mas esse é o problema do mundo: vocês, homens, não conseguem enxergar muito além.

— Eu enxergo além e lhe digo o que vejo: a fila andou um pouco. Você precisa dar uns passinhos pra trás.

— Até que enfim... não vejo a hora desse filme começar...

— Você tem costas lindas.

— Humf, não sei. Nunca vi as minhas costas. Tem muito de mim que desconheço.

— Quem esfrega as suas costas quando você toma banho?

— Eu mesma, oras! Até onde alcanço. Deve haver uma parte imunda.

— Posso ver de perto?

— Sua cadeira é perto da minha?

— Qual o número da sua?

— K8.

— Posso dar um jeito de sentar na L8.

— Se você enxergar a parte imunda das minhas costas da L8, fique à vontade.

— Vai ser bom ver o filme por sobre os seus ombros. Seus ombros serão o parapeito da janela dos sonhos.

— Se você não fosse tão tarado...

— Você sabe que "tara", em sânscrito, quer dizer "estrela"? Eu fiquei mesmo tarado, estrelado pela estrela que é você.

— Hum, sabe que esse seu perfil poético me pareceu melhor. Devia investir mais nesse seu lado...

— Pela sua sensibilidade poética, eu presumo que você tem uma pequena marca em forma de lua crescente logo abaixo de um dos mamilos.

— Xi, voltou! Ainda bem que a fila agora andou, acho que abriram a sala.

— E se eu me sentasse na K7?

— A vida nem sempre nos dá escolhas. Seu lugar já está marcado aí... não?

— C12.

— Nossa, lá na frentona... Seria um azar enorme sentar tão distante de mim se eu pelo menos fosse uma companhia legal. Mas, acredite, você se livrou de uma. Sou chatíssima nos filmes.

— Uma mulher com tantas lindíssimas curvas tem o direito de ser chatíssima em algum lugar. Vou sentar na K7.

— E vai fazer o que com quem comprou esse ingresso?

— Eu comprei todos os ingressos restantes depois que você comprou o seu. É muito provável que o K7 esteja no meu bolso.

— Então vamos correr que a fila definitivamente andou.

— Não entendo que graça você vê na gente se fingir de estranhos. Você viu a cara do casal que estava atrás de nós?

— Eles caíram direitinho, ora!

— Eu que sou caidinho por você.

— Um dia você compra, de verdade, todos os ingressos de uma sala de cinema só pra nós dois? Compra, compra?

— Só se nós dois assistirmos ao filme pelados, abraçados no tapete vermelho.

— Prefiro esse seu lado louco...



Partilhar

7 comentários:

Marisa Nascimento disse...

Meninos, simplesmente perfeito! Só vocês para misturar erotismo, poesia, sensibilidade e graça. Adorei essa união de talentos no Crônica. :)

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Por essa você não esperava hein, Marisa? É... Crônica do Dia também é surpresa. :)

Anônimo disse...

Que delícia de texto... muito visual, confesso que fiquei com um pouquinho de inveja da moça que estava na sua frente...

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Então que a moça não lhe ouça, Anônima um pouquinho invejosa. :)E que você continue comendo, com a vista, a delícia dos textos. :)

Carla Dias disse...

Ah, que texto bom de se ler!

Que bate-papo envolvente de um jeito, como dizem por aí: "tudo de bom".

C Letti disse...

Que dueto gostoso!
Tem mais?
:)

beijo!!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

É, Carla... Imagina o prazer de escrever um bate-papo batendo papo. :)

Mais um dueto gostoso para a Senhora Letti, cozinheiros!