Pular para o conteúdo principal

DRAMA COTIDIANO
< Ana Coutinho e Eduardo Loureiro Jr. >

— Vai mesmo furar a fila?

— Você sempre fez isso...

— Como sempre se nem me conhece?

— Sempre agora há pouco. Vi você furar e tô copiando.

— Então faz bem. Estou mesmo querendo ver as suas costas.

— Quer ver o que nas minhas costas?

— Dá pra conhecer uma mulher pelas costas dela. Entre aí.

— E de frente? Não dá pra conhecer, não?

— Eu não queria ser invasivo em nosso primeiro encontro. Mas também dá pra conhecer uma mulher pelos seios.

— Machista! Bem que eu desconfiei.

— Mulheres que eriçam rapidamente o bico dos seios têm tendência à agressividade verbal.

— Vê -se que você não sabe nada de mulher, por isso está aqui, sozinho, numa fila de cinema.

— Eu não estou sozinho. Eu estava esperando por você.

— Então está sozinho, porque eu não estou e nem estarei com você.

— Você vai gostar do filme. Mulheres que têm uma pinta um pouco acima de um dos seios gostam de histórias dramáticas.

— De drama, já basta a minha vida.

— Eu sei, querida. Mas na base dos seus seios estão as respostas para os seus dramas.

— Na base dos meus seios? Essa é boa. Tenho coisas muito mais interessantes do que um par de peitos. Mas esse é o problema do mundo: vocês, homens, não conseguem enxergar muito além.

— Eu enxergo além e lhe digo o que vejo: a fila andou um pouco. Você precisa dar uns passinhos pra trás.

— Até que enfim... não vejo a hora desse filme começar...

— Você tem costas lindas.

— Humf, não sei. Nunca vi as minhas costas. Tem muito de mim que desconheço.

— Quem esfrega as suas costas quando você toma banho?

— Eu mesma, oras! Até onde alcanço. Deve haver uma parte imunda.

— Posso ver de perto?

— Sua cadeira é perto da minha?

— Qual o número da sua?

— K8.

— Posso dar um jeito de sentar na L8.

— Se você enxergar a parte imunda das minhas costas da L8, fique à vontade.

— Vai ser bom ver o filme por sobre os seus ombros. Seus ombros serão o parapeito da janela dos sonhos.

— Se você não fosse tão tarado...

— Você sabe que "tara", em sânscrito, quer dizer "estrela"? Eu fiquei mesmo tarado, estrelado pela estrela que é você.

— Hum, sabe que esse seu perfil poético me pareceu melhor. Devia investir mais nesse seu lado...

— Pela sua sensibilidade poética, eu presumo que você tem uma pequena marca em forma de lua crescente logo abaixo de um dos mamilos.

— Xi, voltou! Ainda bem que a fila agora andou, acho que abriram a sala.

— E se eu me sentasse na K7?

— A vida nem sempre nos dá escolhas. Seu lugar já está marcado aí... não?

— C12.

— Nossa, lá na frentona... Seria um azar enorme sentar tão distante de mim se eu pelo menos fosse uma companhia legal. Mas, acredite, você se livrou de uma. Sou chatíssima nos filmes.

— Uma mulher com tantas lindíssimas curvas tem o direito de ser chatíssima em algum lugar. Vou sentar na K7.

— E vai fazer o que com quem comprou esse ingresso?

— Eu comprei todos os ingressos restantes depois que você comprou o seu. É muito provável que o K7 esteja no meu bolso.

— Então vamos correr que a fila definitivamente andou.

— Não entendo que graça você vê na gente se fingir de estranhos. Você viu a cara do casal que estava atrás de nós?

— Eles caíram direitinho, ora!

— Eu que sou caidinho por você.

— Um dia você compra, de verdade, todos os ingressos de uma sala de cinema só pra nós dois? Compra, compra?

— Só se nós dois assistirmos ao filme pelados, abraçados no tapete vermelho.

— Prefiro esse seu lado louco...

Comentários

Meninos, simplesmente perfeito! Só vocês para misturar erotismo, poesia, sensibilidade e graça. Adorei essa união de talentos no Crônica. :)
Por essa você não esperava hein, Marisa? É... Crônica do Dia também é surpresa. :)
Anônimo disse…
Que delícia de texto... muito visual, confesso que fiquei com um pouquinho de inveja da moça que estava na sua frente...
Então que a moça não lhe ouça, Anônima um pouquinho invejosa. :)E que você continue comendo, com a vista, a delícia dos textos. :)
Carla Dias disse…
Ah, que texto bom de se ler!

Que bate-papo envolvente de um jeito, como dizem por aí: "tudo de bom".
C Letti disse…
Que dueto gostoso!
Tem mais?
:)

beijo!!
É, Carla... Imagina o prazer de escrever um bate-papo batendo papo. :)

Mais um dueto gostoso para a Senhora Letti, cozinheiros!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …