Pular para o conteúdo principal

FIRMAMENTO >> Eduardo Loureiro Jr.

Edição de Eduardo Loureiro Jr. sobre foto de Juseppe / Flickr.comDesgastou-se-me a palavra eu. O que era antes parede, agora é grade. Do lado de cá, pensamento: pássaro é feito de carne. Do lado de lá, imaginação: vôo é feito de ar. O menino se assombra com a cara branca do pai — homem fantasiando ser Vento. — Pai? É tu, pai? O pai abraça o filho sem deixar de ser Vento.

Oposição é contraste. Ajuste para ver os detalhes. Bate-boca invoca beijo. Conhecimento é reconhecimento. Evento é vento. Correntes são ar. Prende-se no que não se vê. E no que não se vê, liberta-se. Ver o que não há para que assim seja.

Quando a musa Música convoca, minha voz já está na dela. Corpo tem janela que se abre em canto. Tudo está por um trizpensamento. Vontade se achegando ao parapeito. Frio de alegria na barriga do morno.

Poesia é uma maneira encontrada pelas palavras para dizer exatamente aquilo que sempre quiseram dizer. Sem erros de interpretação. — De que planeta veio? — De barriga redonda de mãe, satélite cortado no umbigo. Ordem da vida é a que já é: independe de obediências. Palavra se fantasia de coisa só pra gente desmaquiar a luz. Criar é coisa de Deus. — Eu Sou.


Comentários

Nande disse…
Eduardo,
Nesse texto, deparei-me com uma das mais sensíveis e agudas definições de poesia que já vi:
"Poesia é uma maneira encontrada pelas palavras para dizer exatamente aquilo que sempre quiseram dizer. Sem erros de interpretação."
Exato.
Continue sempre avisando pra gente acompanhar as suas crônicas poéticas. São muito finas, inquietantes no bom sentido, chamando nosso olhar a prestar atenção a ângulos insuspeitados da nossa paisagem afetiva.
Parabéns!
Eduardo, criar é sim coisa de Deus e ouvindo/lendo você é quase possível tocá-Lo.
Grato, Fernando. É bom saber-me afetando os afetivos. :)

Marisa, quando você conseguir tocar Deus, me avisa. :)
Debora Bottcher disse…
O texto me lembrou do 'Planeta Lilás', do Ziraldo - não sei bem porque... :) Talvez pela delicadeza da criança assombrada...
Beijo.
Debora Bottcher disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
lucianha de oliveira disse…
Oi Eduardo.
Tadinho do Tiago, filho do Sr. Vento, acho que este dia
foi um marco p/ ele. Encontrar-se
com outra faceta do Pai.

Luciana
Debora, farei uma viagem ao Planeta Lilás. :)

Luciana, de face em face do pai, a gente conhece ele inteiro. :)
marcela disse…
lindo!!poesia é uma maneira encontrada pelas palavras de dizer exatamente aquilo q sempre quiseram dizer.sem erros de interpretação.
Ah, Marcela e Fernando, o mistério dos textos. Tenho que confessar que quase não deixo do jeito que está a frase de que vocês gostaram tanto. Algo em mim queria que ela ficasse mais ou menos assim: "poesia é maneira da palavra dizer o que quer". E só. Mas parece que o excesso de palavras fez bem aos ouvidos de vocês. E eu me rendo. :)
Carla Dias disse…
Que lindeza é essa que veio passear no teu texto? Tem cara formato coração e olhos no peito? Abre-se em leques ou como quem derruba portas de tamanha curiosidade que se curva em desejo.

Que lindeza de texto... Que poesia que me agrada e graceja com a minha alma. E eu sorrio pra ela.
Marcela disse…
Algo em vc sempre diz "poesia é a maneira da palavra dizer o q qer !E muito mais !!!renda-se e seja sempre bem vindo poeta ....
Carla, bem que eu estava sentindo falta de umas palavras no meu texto. Elas se esconderam de mim para só aparecer no seu comentário. :)

Marcela, Marcela... :) Rendo-me às suas boas-vindas.
Anônimo disse…
Edu,

Eu entendo seu texto como um grito de liberdade. Cada um é livre para fazer sua própria interpretação, disse vc. O poeta diz o q pensa, o q cria, o q vê o q gostaria q fosse. A forma como vc diz isso ninguém sabe dizer igual. Isso é q faz a diferença. Minhas tresloucadas deduções..rsrs

Obrigada por vc ter cantado para mim. Ainda estou feliz por isso.

Parto amanhã mas volto logo.
Será você, Dil? Adoro suas tresloucadas deduções. :) Cantarei sempre. Beijo,

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …