TRADUÇÕES >> Sergio Geia


Um caminhão chama a atenção do morador-tradutor, oitavo andar, dez pra seis. 

O movimento é estranho, incomum na avenida letárgica. 

Filme: com o motor apagado, ele está de esguelha, a caçamba para sua mão, a cabine para a outra, como se quisesse fazer o movimento de retorno — irregular naquele trecho —, mas que parou no meio do caminho. 

Decerto almeja fechar a rua, impedir a passagem. Decerto estão assaltando o banco da praça, especula o morador-tradutor. 

Mas há também um movimento estranho nas imediações, nos fundos da casa abaixo, bem na frente de onde o caminhão enregelou. 

Pessoas chegam, corre-corre danado, algumas invadem o grande salão que de uns tempos para cá virou espaço para aulas de capoeira. 

Decerto estão conluiados com os homens do caminhão, com a bandidagem que assalta o banco, ele prossegue em suas especulações. 

Mas na casa verde, do lado de lá da rua, também na frente de onde congelara o caminhão, uma senhorinha e uma enfermeira (imagina ser uma enfermeira pela vestimenta inteiramente branca) observam tudo com atenção, a senhorinha põe a mão na boca parecendo assustada, a enfermeira insiste para a velhinha entrar, ela finca o pé, parece dizer daqui não me arredo. 

Talvez sejam curiosos que, sobressaltados pelo movimento estranho, não têm noção do risco que correm ao ficar ali, conclui o morador-tradutor. Depois são alvejados, viram estatísticas, simplesmente desaparecem; curiosidade mata. 

Pois os bandidos, dois, surgem do nada e tomam de assalto o caminhão, o som estridente de um motor de caminhão desassossega a vizinhança, cinco pra seis. Manobram à frente com deleite, como se o veículo fosse um dragão lançando fogo pelas ventas, faz que vai mas não, faz que vem e vem, bem na direção da senhorinha e da enfermeira. O morador do oitavo andar põe as mãos na cabeça sussurrando oh, meu Deus! 

Prepara-se para ouvir o estrondo maior que decerto virá da praça, dos bandidos explodindo a agência bancária, até pensa em entrar, ligar para a polícia, mas também é pego pelo bichinho da curiosidade, e parece — bem tétrico — querer ver o desfecho da cena, o caminhão atropelando curiosos na calçada, mas de repente, o que vê é algo mais assustador e mortífero. 

Os homens abandonam o veículo. Depois do descarrego da areia na calçada da casa verde, apresentam uns papéis à velhinha, que assina. Voltam para o caminhão e o dragão vai embora, sem cuspir fogo. A velhinha e a enfermeira entram fechando o portãozinho branco. Na casa debaixo ele observa a aula de capoeira começando. 

Então, irritadiço com a monotonia cotidiana, o morador-tradutor fecha a sacada desapontado. Suas percepções mais uma vez falharam. Arruma coisas na mochila, enlaça-a ao ombro, sai para trabalhar. 


Ilustração: Gustave Caillebotte , 1875, “Homem na janela”

Comentários

Albir disse…
Vai em busca da ação que não conseguiu na janela.
sergio geia disse…
Tá precisando, Albir

Postagens mais visitadas deste blog

LUGARES ONDE NUNCA ESTIVE >> Carla Dias >>

Vizinha Fake News >>> NÁDIA COLDEBELLA

DISCRETO GALEIO >> Sergio Geia