Pular para o conteúdo principal

VELHO >> Sergio Geia





Era só o que faltava. Se não bastassem os poucos cabelos a denunciar. Se não bastasse que esses poucos cabelos são poucos cabelos brancos e querem transformar sua cabeça numa Groenlândia. Se não bastassem os vincos que invadem sua cara por conta do afrouxamento da musculatura. Sem contar que esse afrouxamento muscular infelizmente não se limita à cara, mas se estende a outras partes do seu corpo, até aquelas que você só de pensar sente um calafrio. Se não bastassem os dentes que já não conseguem dar conta de um inofensivo amendoinzinho. Se não bastassem os amigos dos seus filhos te chamarem de tio. Agora até jogador de futebol denuncia que você está velho!?

Eis, amigo, a notícia do jornal que me chamou a atenção essa manhã: “25 jogadores que mostram que você está velho”. Que petulância! E o primeiro parágrafo desta crônica foi se desnudando na minha cabeça na mesma proporção em que a vontade de jogar a notícia no lixo crescia. No entanto, minha autoestima não iria se abalar com uma noticiazinha mequetrefe dessas, ah, não, e logo tratei de saber quem eram esses boleiros que com certeza, não eram do meu tempo.

Pensei nas partidas de futebol de botão que travava com meu tio lá na casa da minha vó. Ele tinha uns botões com fotos do Leônidas, do Pelé, do Garrincha, do Pepe, do Zito, jogadores que, por óbvio, conhecia, mas não vi jogar. Ele tinha um esquadrão branco que dizia ser o time do Santos, uma beleza. Mas eis que para a minha surpresa, nenhum deles estava lá. Tinha outros, aparentemente mais novos; bem mais novos.

O primeiro da lista, vestindo a camisa do Ituano, era o Gil Baiano. O cara teve sua melhor fase jogando pelo Bragantino num timaço dirigido pelo Luxemburgo que foi campeão paulista. Chutava forte, batia bem falta. Desse eu lembro.

O segundo era o Nilson. Um centroavante que apareceu no Internacional de Porto Alegre e que jogou no Palmeiras. Lembro-me de uma final, acho que foi em 1995, ou 1996, em que ele fez um gol no Corinthians. O Palmeiras era pior que o Corinthians, mas saiu ganhando, depois tomou a virada. É, o Nilson; desse eu lembro também. O outro era o Marcelo Passos, jogador do Santos, meio de campo, camisa 10, muito técnico. Parecia que tinha um potencial estupendo, mas não estourou. Lembro dele também.

Nasa: jogador do Vasco, campeão brasileiro em 1997 contra o Palmeiras, num time em que jogava o Edmundo. Sorato: também do Vasco, fez um gol no São Paulo em pleno Morumba numa final de brasileiro. Roberto Gaúcho: DESSE EU NÃO LEMBRO, NÃO!!! A notícia diz que era ponta-esquerda, jogou no Cruzeiro nos anos 90. NÃO, DEFINITIVAMENTE, NÃO SEI QUEM É. Gaúcho eu só lembro do Renato, do Ronaldinho, de um centroavante do Palmeiras que pegava pênalti, MAS ROBERTO GAÚCHO EU NÃO SEI QUEM É NÃO!!! Leto: desse eu lembro. Caíco: lembro também. Maisena: sei. Serginho Fraldinha: hum. Capitão: tá bom.

Resolvi parar de perder tempo com essas inutilidades, amigo. Principalmente quando mansamente me veio à cabeça uma palestra do filósofo Cortella, em que ele falava que a nova geração não tinha visto o Senna correr; e que quando o Senna corria não tinha celular, muito menos internet. E eu vibrava aos domingos com o Ayrton. Inutilidades, amigo. Inutilidades. Deixa desligar essa porcaria e ouvir Ray Conniff que eu ganho mais...


Ilustração: “Velho Homem em Tristeza” de Van Gogh

Comentários

E do Gatãozinho, lembra? :)
sergio geia disse…
Pô Eduardo, sacanagem... Claro que lembro, jogou no Juventus. Cê tbem hein?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …