Pular para o conteúdo principal

PARA ANGIE, COM UM NÓ NA GARGANTA
>> Analu Faria

O Google Tradutor diz que “outcast”, em português, quer dizer “exilado”. Não acho que a tradução faça jus à força da palavra na língua inglesa. Quando penso em Angie, sempre penso em “outcast”, não em “exilada”. Exilados são gente expulsa. Angie não foi expulsa. Veio ao Brasil por vontade própria. Mas sempre me pareceu que tinha seu lugar ao sol subtraído, onde quer que estivesse, talvez porque tivesse um coração enorme e as “qualidades sociais” erradas.

Acho que o mundo tem “outcasts” que estão no mesmo país, no mesmo grupo social, dentro da própria família. “Outcasts” são os que não corresponderam às expectativas. Os que estão no mundo da lua, os intensos demais, os que não se encaixam. Os que, muitas vezes, veem o mundo com a tristeza e a alegria que ele realmente tem. Gente honesta demais (e, portanto, frágil demais) e que talvez também tenha a cor “errada”, os gostos “errados”, o peso “errado”, a orientação sexual “errada.” Gente que comete o erro de falar livremente, de não ter a malícia dos “vencedores”. Gente que acredita nos que as crianças acreditam. Angie tinha alguns desses “erros.”

A vida para os outcasts não é fácil. Há uma dor de sentir que não se está onde se deveria estar. Talvez por isso Angie tenha vindo para o Brasil. Claro que encontrar um amor por aqui ajudou. Claro que deixar um passado difícil para trás contribuiu. Mas, mesmo que não fôssemos melhores amigas e eu não soubesse muito sobre a história dela, eu via uma inquietação que a empurrava para frente, para outros lugares, outros empregos, outros projetos. Desconfio que viver no Brasil, mesmo sem documentos, era resultado dessa inquietação. Havia nela uma procura que, aparentemente, estava chegando ao fim pouco antes de sua morte. No dia em que faleceu, Angie publicou em seu perfil no Facebook que estava encontrando uma certa paz em voltar ao catolicismo. Ia à missa todos os dias.

Rhiannon Khrystyan Black, a Angie, era uma americana vivendo no Brasil, lutava contra uma depressão profunda, morreu de infarto, aos 42 anos, no fim de julho deste ano, no interior do Paraná. Sabia o valor da amizade, dava conselhos sensacionais, dos engraçados e dos bonitos. Não suportava que alguém se aproveitasse da vulnerabilidade alheia, torcia o nariz para os preconceituosos, tomava as dores dos outros, era solidária, transparente. Tinha ressonâncias humanas, essa coisa rara e indispensável.  Alguém que sofreu por estar fora da faixa de comportamento “aceitável”, apesar de todas as qualidades humanas maravilhosas que tinha. Uma outcast.

Comentários

Zoraya disse…
Parece ter sido, realmente, maravilhosa,a sua amiga, Analu. Que bom q vc pôde conhecê-la. E longa vida aos outcasts, sem os quais o mundo seria bem menos colorido e muito mais difícil de aturar.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …