Pular para o conteúdo principal

ALGUNS MILÍMETROS >> André Ferrer

Você conhece os Beatles. Acha os caras incríveis. Depois, descobre George Martin.

Esse tipo de coisa sempre me fascinou. A maneira como as pessoas se manifestam, boas, más, geniais, medíocres, nunca se esgota em si mesma. Todo relógio esconde um mecanismo perfeitamente explicável no interior da carcaça. Seja qual for a maravilha do comportamento humano e da técnica, malgrado a dissimulação e o orgulho do artífice, pode ser explicada, analisada, sintetizada e aprendida desde que alguém se disponha a fazê-lo.

Entretanto, abrir o relógio e desvendar o seu mecanismo é, muitas vezes, visto com estranheza pela sociedade. Qualquer santo, mártir ou gênio, afinal, merece todo o respeito e reverência.

Não! Nada disso. Todo Niemeyer tem atrás de si um Lúcio Costa.

Crânio desenhado por Da Vinci
O espírito revolucionário da maior obra de Stendhal (1783-1842), O Vermelho e o Negro, é exatamente esse. Julien Sorel, o protagonista, ousa abrir a carcaça da elite a fim de elucidá-la. Claro, para depois empregar o conhecimento em benefício próprio. Sorel galga os degraus da sociedade francesa pós-napoleônica com o elã de um soldado raso (Julien, na verdade, flertava com a carreira militar e a religiosa, duas formas de ascensão social) rumo ao trono de um império. O cânone, evidentemente, já vinculou Sorel a tudo quanto é exemplo de arrivista. O self-made man da cultura norte-americana, é claro, já foi comparado ao personagem em um sem-número de trabalhos acadêmicos. Aliás, um verdadeiro prato cheio nessa história de violação de relógios e aprendizado é a classe média ianque na sua incansável busca do Sonho Americano.

Jobs foi genial, a Apple simplesmente não seria a Apple sem o cara. Ou, pelo menos, é o que você pensa até estudar um pouco mais e conhecer Steve Wozniak.

Isaac Newton (1642-1727) mudou o mundo com as suas três leis. Entretanto, transmitiu a importância da honestidade e da transparência intelectual. A célebre frase que, hoje em dia, fronteia a página inicial do Google Scholar, If I have seen further it is by standing on the shoulders of Giants (Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes), está numa carta de Newton para o também cientista Robert Hook (1635-1703), datada de 5 de fevereiro de 1676, e foi inspirada numa metáfora criada por outro intelectual, Bernard de Chartres (data de nascimento desconhecida-1124). Em latim: “nanos Gigantum humeris insidentes”.

Pense bem. O motivo de as coisas e as pessoas serem como são, boas, ruins, extraordinárias ou sofríveis, pode estar além do facilmente notável. Na verdade, alguns milímetros após o ponto ao qual você consegue chegar todos os dias.

Comentários

Essas figuras, e coisas, e causas, meio invisíveis são mesmo fascinantes, André. :)
albir silva disse…
É verdade! Perspicácia e humildade podem mostrar além.
Zoraya disse…
Bom demais, André. E o contrário também: se enxergarmos um pouquinho além do ponto, aquela pessoa que pensávamos ser maravilhosa. não passa de um ledo engodo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …