Pular para o conteúdo principal

AOS QUE PERGUNTAM >> Carla Dias >>


Vento me leva, inquietude me engoda a alma, e se às vezes tenho vontade lancinante de sumir, assim, sumida, de desejo de colocar pés em Marte — ou no Suriname — é porque me falta repertório para estrear shows particulares aos órgãos competentes.

Não sei sambar obediência cega. Desapegar do respeito — o recebido e o concedido. Às vezes, parto de mim, porque preciso de trégua. Quando volto, inteira, com direito a todos os ângulos da minha benfazeja rotina de acolher silêncios... Antes de dizer o que — respiro fundo, depois vem o dito. Daí que abraço canções e preces. Deito-me com amores vãos e me enrosco em ciladas emocionais.

Às vezes, falta-me delicadeza ao engolir sapo. Descabelo-me, então vou ao cabeleireiro. Ele reclama que quase nunca apareço, enquanto sorri ao contar dinheiros; eu pronta para enfiar meus cabelos cuidadosamente ajeitadinhos debaixo do chuveiro, assim que pisar em casa. Então, chorar fascínios.

Às vezes, falta-me traquejo.

Como naqueles minutos — quase vinte e sete — que gastei anotando informações importantíssimas, definitivamente necessárias, completamente descartáveis logo que se desliga o telefone. Não adianta ligar novamente e exigir do atendente o seu tempo de volta, fornecendo-lhe o número pra lá de correto daquele protocolo pra lá de necessário. Perdeu-se... Nem mesmo foi em Málaga.

É bom saber que protocolos não funcionam debaixo d’água. Também não funcionam quando você necessita de amparo. Protocolos são pílulas para se domar quem anseia por resposta e reparos. É uma versão do unilateral.

Para falta de amparo: espargir-se. Para o excesso de zelo: rio Amazonas.

Há tempos em que desejo destrinchar cordilheiras, assim como beber de fontes, emocionar-me de campos e desertos. Preencher-me com esperas. Em outros, basta-me o quarto de dormir... O debaixo dos cobertores... Os sonhos inventados... Os livros de cabeceira.

Não raramente, coleciono pequenas loucuras, como aquela, a mais doce e menos dócil de todas. A que me leva pela mão por esse caminho acidentado das apostas. Quanto? Dez mil carinhos, duas mil mágoas, uma centelha de amor genuíno. E a brutalidade de tantos mil desapontamentos. Essa pequena loucura que se faz autora de grandes mudanças. Um dia ela ainda me levará para Calcutá, quiçá Vila Velha.

A senhora e seu sorriso contido pendurado em lábios secos e pálidos. Ela passa a mão pelos cabelos, tenta ajeitá-los, como se houvesse maneira de torná-los menos selvagens. “Só lhe fiz uma pergunta para saber mais a seu respeito, para analisar se você está apta à vaga oferecida”.

Ela repete a pergunta da qual dependerá se sim ou se não, se eu sirvo ou não para o trabalho oferecido.

Quem é você?

Perdoe-me, mas nunca lhe disseram? Andar por aí a fazer tal pergunta é como se colocar à disposição para receber resposta que nem sempre cabe em relatórios. Respostas que podem ser muito mais longas e complexas, porque não há quem consiga respondê-la sem enveredar por todos os cantos de si.

Conto a ela porque estou aqui, ofereço-lhe informações que constam na minha ficha. Falo sobre a importância de conseguir um emprego, da funcionária dedicada que sempre fui e as experiências que acumulei, sobre as buscas que pontuam minha existência profissional. Enquanto isso, dentro de mim eu ainda discorro sobre a resposta a tal pergunta.

Quem eu sou?

Sou das que, se pudesse, iria com o vento até chegar ao Saara. No deserto, plantaria meus medos e os deixaria por lá, até se tornarem cactos. Até darem flores. Até se tornarem oásis.


Imagem © Richard Diebenkorn

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Carla, na boa. Essa foi uma das MELHORES crônicas q vc já escreveu. E se considerarmos q vc escreve sempre bem, isso não é de pouca monta não. Obrigada pelo derramar-se para nós.
Carla Dias disse…
Zoraya... Que bom que você gostou. Confesso que foi uma das que mais gostei de escrever. Beijos.
É, Carla...
Perguntinha que faz a gente viajar...
Carla Dias disse…
Pois é, Eduardo...
Analu Faria disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla Dias disse…
Analu... Que bom que gostou :)
michelle araujo disse…
Fui longe....
Um presente para quem lê.
michelle araujo disse…
Fui longe....
Um presente para quem lê.
Carla Dias disse…
Michelle... Um presente para mim é você dedicar um pouco do seu tempo as minhas palavras. Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …