Pular para o conteúdo principal

AINDA SOBRE MÚSICA >> Carla Dias >>

Música pode ser delicada e também de protesto. Pode ter letra ou não, e neste caso, espero que os amantes de refrão se acomodem para apreciar o feito. Tem música regional que não sai da região e tem aquela que ganha o mundo. Tem músico que faz sucesso no bairro e aquele que faz sucesso em praticamente todos os bairros de muitos países.

Orquestra Filarmônica de Viena | Star Wars



Há tanta música nesse mundo. Você já deu uma escutada por aí?


All the Same | Vieux Farka Toure convida Dave Matthews
© Vieux Farka Toure e Dave Matthews




Além dos reality shows musicais, dos espetáculos grandiosos. Em tempo... Tenho nada contra espetáculos grandiosos, dos grandes palcos e milhares de ingressos vendidos. Mas garanto que já vi alguns tão grandiosos quanto  se não ainda mais grandiosos, em salas menores , até em sala de casa. 


Permitido | Kleber Albuquerque
© Kleber Albuquerque




Abaixe a câmera, deixe o clique e o record pra depois. Aprecie o show, a capacidade de estar presente.


Since I’ve Been loving You | Led Zeppelin
© Jimmy Page, John Paul Jones e  Robert Plant



Há muita música nesse mundo. Melhor não desaprendermos a escutá-la. Música não é somente trilha sonora para o nosso diariamente. É ótimo tê-la dessa forma  adoro trilhas sonoras , só que música também pede ritual.


Eleanor Rigby | Duofel
© John Lennon e Paul McCartney




Qual é o seu ritual para escutar música? O meu é escutar todas as noites, antes de dormir. Fazendo nada mesmo... Sendo somente ouvinte de música por algum tempo. E assim como em relação às pessoas, interesso-me por uma variedade de estilos musicais.


Travessia | Milton Nascimento
© Fernando Brant e  Milton Nascimento




Meus livros eu escrevo escutando música. A maioria dos personagens que crio é apaixonada por ela. Automaticamente, escutar música me leva a inventar histórias. (Clique aqui para ler um trecho de uma delas.)

A primeira música que se instalou na minha memória é uma que meu avô costumava cantar para a criançada lá de casa: “Acorda Maria Bonita / Levanta e vai fazer o café / Que o dia já vem raiando / E a polícia já está em pé”.


Acorda Maria Bonita | Volta Seca
© Antonio dos Santos (Volta Seca)



A primeira música que me fez chorar me aconteceu quando eu era muito jovem e foi cantada em um filme muito triste, “Sunshine  Um dia de Sol”. Eu tinha três anos de idade quando ele foi lançado. Hoje há muitos filmes com o mesmo tema, mas tenho certeza de que a combinação do filme com a canção é que o tornou memorável para mim.


Sunshine On My Shoulders | John Denver
© John Denver, Michael Taylor e Dick Kniss



As primeiras músicas que ofereci ao primeiro amor da minha vida, dando a ele de presente o compact disc (sim, eu sou daquele tempo), uma música de cada lado do disco.


Me & Bobby  McGee | Janis Joplin
© Kris Kristofferson e Fred Foster




Há música que mexe comigo e não consigo explicar o motivo. Não conseguir explicar o motivo já é um motivo e tanto para estar sempre aberta a escutar música.


Tesoura do Desejo | Alceu Valença
© Alceu Valença



Há música que cantei certa vez para uma das minhas sobrinhas, quando ela era bem pequenininha, e ela achou tão, mas tão linda que não parava de rir, mas de fascinação. Foi um daqueles momentos mágicos.


De tanto amar | Ney Matogrosso
© Chico Buarque



Aliás, adoro apresentar música às pessoas. Na época da fita K7, fui das copiadoras ferrenhas. Porque já foi bem difícil conseguir boa música para se escutar. Lembro-me de quando frequentava as barracas de discos Long Play usados lá em Santo André. Quando tínhamos de encomendar discos daqueles que viajavam para o exterior. Antigamente, por mais incrível que possa parecer, era difícil se escutar música.


Hocus Pocus | Focus
© Jan Akkerman e  Thijs van Leer



Há contos que escrevi inspirados pela música. (Clique aqui para ler um deles).

A música que acho das mais lindas já compostas.


Something | George Harrison
© George Harrison




Há muita, mas muita música boa nesse mundo. Dá até para escolhermos, o que não podemos falar sobre muitas coisas nessa vida.


First Light | Adam Hurst
© Adam Hurst


Comentários

Gostei da Rádio Carla Dias. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Que bom :)
Zoraya disse…
hahah, Eduardo! Rádio Carla Dias é ótimo! Aprovado. Carla, vc um dia vai fazer a trilha sonora de um livro meu, sério. Aliás, me conta do Justified!
albir silva disse…
Carla, suas aulas encantam e viciam.
sergio geia disse…
Quer coisa mais deliciosa que uma bela de uma crônica com música? Viajei ontem. Na minha cama, com o not aberto, me deixando levar por esse passeio musical. E esse Kleber Albuquerque? Confesso que não conhecia. Coisa linda! Valeu!!!
Carla Dias disse…
Zoraya... Farei com o maior prazer ;) Justified? Sentindo a maior falta de Raylan Givens :(

Albir... Obrigada!

Sergio... Fico muito feliz que a crônica tenha lhe antenado a outros universos musicais. Tem tantas coisas boas por aí e que merecem ser descobertas pelas pessoas que apreciam música. E sim... O Kleber é demais!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …