Pular para o conteúdo principal

AMOR, OUVIDO DE TUBERCULOSO E UM VAGÃO DE METRÔ >> Zoraya Cesar

O último metrô da noite pegava os cansados; os notívagos; os insones; os fantasmas. Pessoas diversas com estados de ânimo ou desânimo diversos. 

Vamos escolher um vagão – não diria ao acaso, que acasos não existem, mas vamos escolher um vagão. 

Neste, um rapaz de sotaque latino, fartos cabelos negros e pulseiras coloridas, cantava ao violão amores traídos, perdidos, abandonados, enchendo o ambiente de sentimentos pungentes. Passava os dias tocando de vagão em vagão, coletando dinheiro para pagar sua clandestinidade. Mas, toda noite, na última viagem, ele cantava apenas pelo prazer, sem passar o chapéu após a derradeira nota. Era o seu momento.

Um homem, aparentando 40 anos, dormitava, ressonando. Seu corpo relaxado balançava suavemente ao ritmo da composição nos trilhos, numa dança silenciosa e íntima. A camisa social de manga curta estava bastante amarfanhada, e a barba, por fazer. As mãos entre os joelhos seguravam, frouxas, um paletó, também amassado, em cujos bolsos guardara os óculos e a gravata. Tão plácido estava, que passava despercebido. 

Sentadas atrás dele, duas moças sussurravam entredentes. 

-  Se ele não largar a mocreia eu dou cabo dela. – Falou a loura, de cabelos lisos e semblante delicado, um tipo mignon de grandes olhos azuis, a quem o imaginário popular associaria à imagem de uma fada, doce e frágil. 

- Tá louca. – ciciou a outra, uma morena de cabelos negros e franja comprida, cujos olhos sonsos e boca larga faziam suspirar boa parte dos homens. Vestia-se pra chamar atenção e estava acostumada a conseguir o que queria.

- Tô louca sim, louca de amor pelo Giba. E ele transou comigo, disse que me amava, queria ficar comigo, ajoelhou agora tem de rezar. Não sou mulher de deixar passar não.

- É isso aí, disse a morena, os olhos brilhantes, a boca úmida, esses caras acham que podem transar, prometer de um tudo e ficar por isso mesmo. Tô contigo. 

- Vou encostar ele na parede. Se ele não largar da mulher eu mato ela. 

- Nossa, isso é que é amor, hein, amiga?

- É. E quando eu amo é pra matar e morrer. O Giba tem de ser meu. 

- E o Roninho?

- Meu marido? Aquela besta? Meu amor é o Giba. 

- Tô contigo. Esses caras têm de aprender que com mulher de verdade não se brinca. Se ele prometeu, tem de cumprir. Mas o Roninho, o que vai fazer com ele?

- Chuto pra fora de casa ou mato ele também. Ninguém vai se meter entre mim e o Giba. Não tô nem aí.  Eu amo é o Giba. – repetia, obcecada.

O rapaz cantava ainda, preenchendo os espaços vazios do vagão com uma guarânia triste. O homem largado no banco da frente parecia dormir ainda mais profundamente, a boca aberta. 

A morena de olhos lúbricos sibilou:

- Eu te ajudo a ficar com o Giba, você deixa o Roninho pra mim. 

- Por quê? Tu gosta dele, é?

- Gosto, disse a morena, firmemente.- Pessoas assim não temem umas às outras. Respeitam-se ou se completam.  

- Tá feito. Se o Giba ficar comigo eu te deixo o Roninho. Vai consolar ele do chifre...

- Olhe, meu primo policial tem uma arma que ele tirou de um bandido aí. Sei lá. Sei que ele empresta pros amigos. Ninguém vai desconfiar. Se o Giba não largar da mulher, a gente mata ela e resolve o problema. E joga a culpa nele, pra aprender a nunca mais ficar enganando amiga minha. 

A fada loura sorriu, mostrando uma fieira de dentes brancos e miúdos.

- Tá feito. Se o Giba não ficar comigo também não fica com ninguém. Quando eu amo, amo pra valer.

As duas se calaram. A música também. 

O rapaz guardou o violão. Elas pegaram as bolsas.  Saltaram elas, o rapaz e o homem que dormia. 

Dormia? Jamais conseguira dormir em viagens ou trajetos. Apenas relaxava o corpo e mantinha a mente em atenção flutuante, conforme fora treinado. E a natureza o dotara do chamado “ouvido de tuberculoso”, ouvia coisas praticamente inaudíveis aos outros. Conseguira captar toda a conversa, apesar de as duas murmurarem, da música e do barulho do vagão nos trilhos.

Saltou atrás delas um átimo de instante antes de as portas fecharem, já de paletó e gravata, ajeitando os cabelos, colocando os óculos. Quem visse aquele homem de postura ereta e ar sério jamais o associaria ao dorminhoco de boca aberta largado num banco de metrô.

O plano das duas era cheio de falhas, seriam facilmente pegas, mas, aí, alguém já teria morrido. E ele queria muito descobrir quem era o policial que emprestava – ainda que ocasionalmente - uma arma não registrada. 

Mais de 20 anos como investigador – um dos 100 melhores do mundo – não o transformaram num cínico. Era, ao contrário, um romântico, e sabia que aquelas mulheres falaram sobre tudo, menos sobre amor.

Estava trabalhando quase que ininterruptamente sem comer ou dormir direito havia quatro dias. Só queria ir pra casa. 

Mas, mesmo exausto, um policial é policial 24 horas por dia.  

Seguiu-as. Felipe Espada descansaria depois. Como sempre.

Mais aventuras do policial Felipe Espada:





Comentários

Ana Luzia disse…
ah, meu nobre cavalheiro errante, ou melhor, acertante sempre!!! guerreiríssimo Felipe Espada não deixa passar uma!!!

beijos de início de anoa todos!!!!
Erica disse…
O Felipe Espada não dorme no ponto mesmo kkk
Anônimo disse…
Zoraya, como sempre, fantástica.
Anônimo disse…
O último vagão do metrô da linha 2 do Rio de Janeiro é de quem faz a integração com a Barra da Tijuca e Jacarepaguá e salta em Del Castilho. Se quiserem aprontar alguma, que seja depois dessa estação, ou não vai prestar, hehehe...
aretuza disse…
se não tiver continuação....chamo a loura para matar alguém!!!
albir silva disse…
Zoraya, mesmo dormindo seus heróis são imbatíveis.
Anônimo disse…
Espero a continuação na sexta!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …